Telenor Myanmar

Telenor Myanmar (birmanês: တယ်လီနော မြန်မာ) é uma empresa de telecomunicações em Myanmar. É a subsidiária da multinacional norueguesa Telenor no país, embora a empresa já teha tentado vender a Telenor Myanmar para o grupo libanês M1 Group após o golpe de Estado no Myanmar em 2021.[1]

Telenor Myanmar
Nome nativo တယ်လီနော မြန်မာ
Atividade Telecomunicações
Empresa-mãe Telenor
Website oficial www.telenor.com.mm

HistóriaEditar

Em fevereiro de 2013, a Telenor participou da licitação para novas licenças móveis disponíveis em Myanmar.[2] Em 27 de junho de 2013, foi anunciado que a Telenor havia conquistado um dos dois contratos de quinze anos para o desenvolvimento de telecomunicações em Myanmar.[3]

Em junho de 2014, a Telenor Myanmar ajudou a comunidade da Wikipédia em birmanês a realizar seu primeiro workshop conjunto para recrutar novos voluntários.[4] O fórum foi realizado na Dagon University com a ajuda da Telenor Myanmar em julho de 2014, atraindo mais de duas mil pessoas, incluindo estudantes.[5]

Em novembro de 2014, a Telenor e o Yoma Bank anunciaram sua cooperação para fornecer mobile banking em Myanmar.[6] O objetivo de sua cooperação é fornecer acesso a serviços financeiros a pessoas que não possuam contas bancárias.[7]

Encerramentos forçadosEditar

Por vários meses, terminando em setembro de 2019, a Telenor Myanmar foi condenada a encerrar os serviços para Maungdaw, Buthidaung, Rathedaung e Myebon.[8] Em fevereiro de 2020, o Ministério dos Transportes e Comunicações ordenou que a Telenor fechasse o serviço para cinco municípios em Rakhine e Chin.[8]

A Telenor estava sob pressão do governo de Mianmar para encerrar sua cobertura de internet em várias partes do país, o que resultou na perda dos negócios da Telenor em Myanmar. No rescaldo do golpe de Estado no Myanmar em 2021, a Telenor citou "a pressão crescente para ativar o equipamento de interceptação que está sujeito a sanções norueguesas e europeias para uso pelas autoridades em Myanmar" para sua decisão de desinvestimento.[9] Em maio de 2021, a Telenor foi forçada a cancelar o investimento de 780 milhões dólares em Myanmar.[10] Em 8 de julho de 2021, a Telenor anunciou que vendeu seus negócios em Myanmar por 105 milhões de dólares para a M1 Group, uma empresa de investimentos com sede no Líbano, fundada por Taha Mikati e Najib Mikati.[11] A venda não foi aprovada pelas autoridades regulatórias birmanesas, que citaram preocupações sobre as acusações de corrupção da M1, os laços estreitos da empresa com o governo sírio e os métodos operacionais da empresa.[12]

Referências

  1. Klesty, Victoria (8 de julho de 2021). «Telenor wanted to quit Myanmar with $105 mln sale to Lebanon's M1 Group». Reuters 
  2. «All eyes on the Myanmar leapfrog». Consultado em 5 de abril de 2013 
  3. «Burma awards lucrative mobile phone contracts». BBC News. Consultado em 27 de junho de 2013 
  4. «Telenor Group - Bringing Wikipedia to Myanmar». Telenor Group 
  5. Win Htut. «Telenor hosts Wikipedia forum at Dagon University». Eleven Myanmar 
  6. James Barton (25 de novembro de 2014). «Telenor readying mobile money with Yoma in Myanmar». Developing Telecoms. Consultado em 2 de outubro de 2015 
  7. Jeremy Mullins and Aye Thida Kyaw (24 de novembro de 2014). «'Stay tuned' for mobile banking services from Yoma and Telenor, say CEOs». Myanmar Times. Consultado em 2 de outubro de 2015 
  8. a b Aung, Thu Thu; Moon, Sam Aung; Latiff, Rozanna. Cameron-Moore, Simon; Perry, Michael, eds. «Myanmar reimposes internet shutdown in conflict-torn Rakhine, Chin states: telco operator». Reuters 
  9. «Myanmar FDI drops to 8-year low, reflecting post-takeover unrest». Nikkei Asia (em inglês). Consultado em 2 de novembro de 2021 
  10. GDC (14 de julho de 2021). «Norwegian Telenor exits Myanmar after the military coup». Global Defense Corp (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2021 
  11. «Telenor Group sells Telenor Myanmar to M1 Group». Telenor Group. 8 de julho de 2021. Consultado em 15 de julho de 2021 
  12. «Telenor's Myanmar sell-off mired in uncertainty». Nikkei Asia (em inglês). Consultado em 2 de novembro de 2021 

Ligações externasEditar