Abrir menu principal
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2019).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

É de origem oriental (indiana), passou para o mundo muçulmano e para o império bizantino e foi introduzido na europa na época das Cruzadas

O cordão de oração Ortodoxo é formado por um número determinado de nós, com suas extremidades unidas em forma de cruz e finalizado por uma franja. Independente do seu tamanho, sua função é recordar ao orante a obrigação de orar permanentemente

O cordão de oração ortodoxo não é um talismã, logo não podemos usá-Io para outro fim que não seja a oração e nem devemos supor que ele tem «poderes» por si só.

Este presente instrumento de oração traz consigo mil e setecentos anos de tradição, além de uma teologia simples, clara e verdadeira.

Os nomes «Rosário» e «Terço» são designações a um instrumento de oração (ou à terça parte dele) Mariano da Igreja Católica Romana, que nada tem a ver com o CHOTKI. Portanto, as denominações «terço bizantino» ou «rosário bizantino» não são corretas ao se referirem ao Chotki; a Igreja Ortodoxa não reconhece estas designações.

O uso do cordão de oração ortodoxo é para a prática privada da oração, não podendo ser usada em liturgias (orações públicas ou comunitárias), senão em comunidades Monásticas.

O CHOTKI está intimamente relacionado à Oração de Jesus, tal qual ensinada pela tradição: «Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, tem piedade de mim, pecador». Utilizar «jaculatórias» em lugar desta fórmula é uma prática controversa, pois o Cordão de Oração Ortodoxo não é uma prática de vã repetição, mas a Invocação do Nome de Jesus.

A prática do Cordão de Oração Ortodoxo não envolve nenhum tipo de "meditação de mistérios", sendo isto uma prática reservada ao Rosário Mariano

Fonte: https://www.ecclesia.com.br/biblioteca/espiritualidade/origem_tradicao_e_uso_do_cordao_ortodoxo.html

Ligações externasEditar