Terceira Batalha do Isonzo

Terceira Batalha do Isonzo
Campanha italiana, Primeira Guerra Mundial
Data 18 de outubro3 de novembro de 1915
Local Rio Isonzo, oeste da Eslovênia
Desfecho Vitória tática austro-húngara
Beligerantes
 Reino da Itália Flag of Austria-Hungary 1869-1918.svg Áustria-Hungria
Comandantes
Reino de Itália Luigi Cadorna
Reino de Itália Emanuele Filiberto
Flag of Austria-Hungary 1869-1918.svg Svetozar Boroević
Flag of Austria-Hungary 1869-1918.svg Eugênio Fernando
Forças
338 batalhões, 130 esquadrões de cavalaria, 1 372 peças de artilharia 137 batalhões (além de 47 batalhões de reforços), 634 peças de artilharia
Baixas
67 100 (incluindo 11 000 mortos) 40 400 (incluindo 9 000 mortos)

A Terceira Batalha do Isonzo foi uma luta travada entre o Reino de Itália e o Império Austro-Húngaro, no contexto do fronte italiano na Primeira Guerra Mundial, entre 18 de outubro e 3 de novembro de 1915.[1]

A batalhaEditar

Após dois meses e meio de pausa para se recuperar das sangrentas primeira e segunda ofensivas no Isonzo, o comandante italiano, Luigi Cadorna, planejou usar de artilharia pesada para quebrar as linhas austro-húngaras. Ele trouxe 1 200 canhões para cobrir o ataque. Cadorna pretendia tomar as cidades de Tolmin e Bovec, e, se possível, avançar até Gorizia. Os italianos espalharam suas forças por todo o rio Isonzo, o que se provou um grande erro tático.[2]

Os italianos começaram sua ofensiva em 18 de outubro, bombardeando as posições austro-húngaras intensamente. Eles avançaram até a cidade de Plave, no sul da atual Eslovênia (na época, território italiano). As tropas de Cadorna ainda chegaram até o Planalto de Cársico, com o objetivo de flanquear Gorizia. Contudo, perto das montanhas de San Michele, os austríacos esboçaram feroz resistência. Ambos os lados reforçaram suas linhas e sofreram pesadas baixas. Nos contra-ataques, os austro-húngaros retomaram vários territórios perdidos e a ofensiva italiana empacou. O comando do marechal Svetozar Boroević foi muito elogiado nesta luta.

Mesmo sofrendo muitas perdas, os austro-húngaros resistiram a boa parte dos ataques italianos. Depois de duas semanas, Cadorna desistiu e a luta, parcialmente, cessou.

Referências

  1. Macdonald, John, and Željko Cimprič. Caporetto and the Isonzo Campaign: The Italian Front, 1915-1918. Barnsley, South Yorkshire: Pen & Sword Military, 2011. ISBN 9781848846715.
  2. Schindler, John R. (2001). Isonzo: The Forgotten Sacrifice of the Great War. [S.l.]: Praeger. ISBN 0275972046. OCLC 44681903 

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre Primeira Guerra Mundial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.