Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Terceiro Comando (desambiguação).
Terceiro Comando
Fundação 1994
Local de fundação Rio de Janeiro, Brasil.
Anos ativo 1988[1] – 2002
Território (s)  Brasil
Atividades Assassinatos, tráfico de drogas e rebeliões.

Terceiro Comando, conhecido pela sigla TC, foi uma facção criminosa brasileira, com base no Rio de Janeiro, surgida para se opor ao Comando Vermelho[2] em 1988.[1] Extinguiu-se no início da década de 2000.

História

Ao contrário do Comando Vermelho, os detalhes de sua criação ainda são obscuros, mas acredita-se que tenha surgido a partir da Falange Jacaré, já na década de 1980, e desde essa época já se opunha ao Comando Vermelho.[3][4] Outras fontes, por sua vez, afirmam que o TC surgiu de uma dissidência do Comando Vermelho e por policiais que passaram para o lado do crime, como o traficante Zaca, que foi policial militar e disputou sangrenta guerra com o traficante Marcinho VP no morro Dona Marta na Zona Sul do Rio de Janeiro. O TC Passou a dominar pontos de venda a partir das zonas Oeste e Norte, áreas mais periféricas da cidade do Rio de Janeiro.[2]

Aliou-se à facção ADA (Amigos dos Amigos), em 1994 o que fortaleceu a ambas as organizações.[2]

Em 2002, surgiu uma dissidência, o Terceiro Comando Puro, liderada pelo traficante Facão.[2]

Em Setembro de 2002, Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, um dos líderes do Comando Vermelho, articulou uma rebelião no presídio de Bangu I, em que foram executados os principais líderes do TC, dentre eles o traficante Ernaldo Pinto Medeiros, o . Celsinho da Vila Vintém, da ADA, foi acusado de traidor, o que gerou a divisão entre TC e ADA. Após isso os traficantes do TC então passaram à ADA ou partiram de vez para o TCP.[2]

Ver também

Referências

  1. a b Agência Estado (4 de abril de 2002). «Facções criminosas do Rio surgiram nas prisões». Estadão. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  2. a b c d e Procurados.org. «Terceiro Comando». Consultado em 14 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 25 de novembro de 2011 
  3. «Cópia arquivada». Consultado em 26 de agosto de 2007. Arquivado do original em 31 de janeiro de 2009 
  4. Revista Época. http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG51374-6014-225,00.html  Em falta ou vazio |título= (ajuda)

Bibliografia