The Beijing News


The Beijing News é um jornal de propriedade do Partido Comunista Chinês com sede em Pequim. O nome chinês do jornal é Xīn Jīng Bào (chinês: 新京报), que significa "New Beijing News", que é uma referência à extinta Gazeta de Pequim (chinês tradicional: 京報, chinês simplificado: 京报, lit. ‘Beijing News’).

The Beijing News
Sede Beijing
País China
Fundação 11 de novembro de 2003; há 19 anos
Editora The Beijing News Press
(chinês: 新京报社)
Página oficial www.bjnews.com.cn
The Beijing News
Chinês simplificado: 新京报
Chinês tradicional: 新京報
Significado literal New Beijing News
(ou New Beijing News)

O número de série das publicações chinesas do jornal é CN11-0245.

HistóriaEditar

O Beijing News começou a ser publicado em 11 de novembro de 2003[1] por uma joint venture da Guangming Daily Press e Nanfang Media Group (também transliterado como "Southern Newspaper Group" ou Southern Daily Press Group), ambos de propriedade da subcomitês do Partido Comunista Chinês, o partido no poder da China desde 1949. O Guangming Daily Press era propriedade do Comitê Central[2] enquanto o Nanfang Media Group era propriedade do comitê provincial de Guangdong do Partido.[3] Inicialmente, a equipe do Nanfang Media Group dominou a operação diária do jornal, transformando o The Beijing News em um dos jornais mais influentes de Pequim.[4]

De acordo com o Dr. Jonathan Hassid, professor assistente (de 2015 a 2018) da Iowa State University, as duas editoras tiveram dificuldades diferentes em seus negócios editoriais. O Guangming Daily tinha uma valiosa posição administrativa de nível central, mas era o editor principal mais pobre do país, enquanto a "Nanfang" tinha dinheiro para investir, mas sua posição administrativa estava restringindo o editor a obter um novo número de publicação ou expandir-se para fora de sua província natal, Guangdong.[4] De acordo com outro artigo da Comissão Executiva do Congresso sobre a China, "o Guangming Daily segue consistentemente a linha do Partido, enquanto o Southern Daily Press Group's [sic] publicações tendem a ser mais comercialmente orientadas e dispostas a testar os censores chineses ".[5]

Em 2005, funcionários e leitores online protestaram contra a demissão dos editores do jornal.[6]

Em julho de 2011, o jornal desafiou a proibição de relatar a colisão de trem em Wenzhou.[7] No entanto, no mesmo mês, o jornal descartou 9 páginas de reportagens especiais.[8]

Em 1 de setembro de 2011, o jornal foi adquirido pelo Departamento de Publicidade do Comitê municipal de Pequim do Partido Comunista Chinês [zh].[1]

Em 2013, foi relatado que Dai Zigeng, um editor do jornal, havia renunciado verbalmente devido à pressão política das autoridades de propaganda.[9][10]

Em 2014, foi relatado que o Departamento de Publicidade havia adquirido os 49% restantes da participação do Nanfang Media Group. De acordo com o South China Morning Post, um jornal inglês de Hong Kong, o público em geral temia que o Beijing News se transformasse em um "porta-voz de propaganda".[11] Em fevereiro de 2014, o The Beijing News fez uma cobertura noticiosa sobre a possível corrupção do filho de Zhou Yongkang, mas o artigo foi retirado do site do jornal.[12]

Em 2018, a fusão dos jornais The Beijing News, o zh e o site de notícias qianlong.com (千龙网) foi anunciado.[13] O Beijing Morning Post encerrou a publicação no mesmo ano.[14]

NotasEditar

  • Este artigo foi inicialmente traduzido, total ou parcialmente, do artigo da Wikipédia em inglês cujo título é «The Beijing News».

    Referências

  1. a b 关于我们 [About us]. The Beijing News (em chinês). Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 12 de abril de 2019 
  2. «Archived copy» 报社概况 (em chinês). Guangming Daily Press. Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 22 de abril de 2019 
  3. «Archived copy» 南方报业传媒集团简介 (em chinês). Nanfang Media Group. Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 17 de abril de 2019 
  4. a b Jonathan Hassid (2016). «Beyond pushback». China's Unruly Journalists: How Committed Professionals are Changing the People's Republic. Routledge. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-315-66611-2 – via Google Book 
  5. «Chinese Authorities Crack Down on Progressive Newspaper Publisher». Congressional-Executive Commission on China. 3 de fevereiro de 2006. Consultado em 18 de abril de 2019. Cópia arquivada em 18 de abril de 2019 
  6. Mure Dickie (31 de dezembro de 2005). «Journalists protest at dismissal of Beijing editor». Financial Times. Beijing. Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 17 de abril de 2019 
  7. Kathrin Hille (27 de julho de 2011). «Chinese media defy censors to attack government on crash». Financial Times. Beijing. Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 17 de abril de 2019 
  8. Patti Waldmeir (31 de julho de 2011). «Beijing imposes media ban on rail crash coverage». Financial Times. Shanghai. Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 17 de abril de 2019 
  9. Ng, Teddy; Li Jing (10 de janeiro de 2013). «Media crisis spreads as row erupts over state meddling at Beijing News». South China Morning Post. Hong Kong. Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 17 de abril de 2019 
  10. Priyanka Boghani; Carlson, Ben (9 de janeiro de 2013). «Beijing News Publisher Resigns Over Censorship Dispute». CNBC. Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 17 de abril de 2019 
  11. Boehler, Patrick (27 de janeiro de 2014). «Sale of stake in outspoken Beijing News may turn it into 'propaganda mouthpiece'». South China Morning Post. Hong Kong. Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 17 de abril de 2019 
  12. Boehler, Patrick (26 de fevereiro de 2014). «Beijing paper's investigative report on Zhou Yongkang's son censored». South China Morning Post. Hong Kong. Consultado em 17 de abril de 2019. Cópia arquivada em 17 de abril de 2019 
  13. «新京报、千龙网、北京晨报将合并整合». 金融界. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  14. «1998年之前,,,2018年以后_头条推荐_北京晨报网». China Morning Post. 30 de dezembro de 2018. Consultado em 14 de novembro de 2020. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2018 

Ligações externasEditar