There Is Nothing Left to Lose

Álbum de Foo Fighters
There Is Nothing Left to Lose
Álbum de estúdio de Foo Fighters
Lançamento 2 de novembro de 1999
Gravação Março - Junho de 1999
Gênero(s) Rock alternativo
Duração 46:24
Gravadora(s) RCA
Produção Foo Fighters
Adam Kasper
Cronologia de Foo Fighters
The Colour and the Shape
(1997)
One by One
(2002)
Singles de There Is Nothing Left to Lose
  1. "Learn to Fly"
    Lançamento: 18 de setembro de 1999
  2. "Stacked Actors"
    Lançamento: 17 de janeiro de 2000
  3. "Generator"
    Lançamento: 6 de março de 2000 (apenas na Europa)
  4. "Breakout"
    Lançamento: 18 de setembro de 2000
  5. "Next Year"
    Lançamento: 4 de dezembro de 2000
Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 4 de 5 estrelas. [1]
Rolling Stone 3.5 de 5 estrelas. [2]
Sputnikmusic 3 de 5 estrelas. [3]

There Is Nothing Left to Lose é o terceiro álbum de estúdio da banda Foo Fighters, lançado em 2 de novembro de 1999.

O álbum foi o primeiro do Foo Fighters a ganhar o prêmio Grammy de "Best Rock Album" e a canção "Learn to Fly" o prêmio de "Best Short Form Music Video".[4]

O álbum teve uma das canções, "Breakout" como trilha sonora do filme Me, Myself & Irene.

Antecedentes e lançamentoEditar

Antes da gravação, o guitarrista Franz Stahl foi demitido da banda, pois o frontman Dave Grohl sentiu que o guitarrista não havia encontrado seu lugar na banda. Nesse ponto, Grohl decidiu que a banda seria apenas um tripé para o álbum, junto com o baixista Nate Mendel e o baterista Taylor Hawkins. Tendo acabado de se escravizar no estúdio gravando o álbum anterior, The Colour and the Shape, e perdendo dois membros da banda no processo, ele decidiu comprar uma casa em Alexandria, Virginia e gravar o disco em seu porão sem a presença de uma gravadora durante a produção. Isso foi ajudado pela saída do Foo Fighters da Capitol Records depois que o presidente Gary Gersh deixou o selo. Grohl batizou sua casa como Studio 606, dizendo: "É apenas um daqueles números que estão por toda parte. Como quando você acorda no meio da noite e são 6h06, ou vê uma placa que diz 606". Grohl montou tudo com a ajuda de Adam Kasper, que eventualmente co-produziu o álbum. O maior desafio, de acordo com Grohl, foi fazer o disco soar bem sem programas de computador como Pro Tools ou AutoTune.

Dave Grohl disse: "[...] moro em Los Angeles há cerca de um ano e meio, apenas sendo um bêbado, me fodendo todas as noites e fazendo uma merda horrível, e finalmente enjoei daquele cheiro de carro novo. Então comprei esta grande casa na Virgínia e disse a todos que estava construindo um estúdio no porão. Era literalmente um porão com sacos de dormir nas paredes!".[5]

O título surgiu para Grohl quando ele conversou com um amigo "sobre quando você experimenta essas emoções depois de passar por um período longo e difícil e finalmente cede à sensação de que, simplesmente, não há mais nada a perder. Pode parecer... positivo, desesperado e imprudente".[6] O vocalista também disse que isso representava o humor da banda durante a produção: "nós apenas escrevemos e tocamos como se todas as apostas estivessem canceladas. Ninguém estava nos forçando a estar lá, então tinha que ser divertido - e as músicas tinham que ser as melhores que poderíamos propor no momento".[7]

Depois do álbum ter ficado pronto, a banda assinou com a RCA Records para distribuir o álbum. Para a promoção, a gravadora se concentrou em "divulgar a marca Foo Fighters", criar o site oficial da banda e fazer aparições na televisão aberta e em eventos como o Gravity Games. There Is Nothing Left to Lose foi lançado em um CD aprimorado com o videoclipe do primeiro single, "Learn to Fly", junto com as letras das músicas e fotos.[7] Enquanto o álbum foi gravado como um tripé, Grohl decidiu que ainda precisava de um segundo guitarrista para as apresentações ao vivo. Após audições abertas nas quais 35 músicos foram testados, a banda contratou Chris Shiflett, que Grohl considerou o melhor guitarrista e cantor que fez o teste, e "ele se encaixou tão bem com o resto de nós", especialmente por sua formação em bandas de punk rock.[7]

Em 2012, 11 anos após o álbum e seu primeiro single, "Learn to Fly", ganharem o Grammy Awards nas categorias "Best Rock Album" e "Best Short Form Music Video", Dave Grohl disse: "Quando ganhamos o prêmio de melhor álbum de rock, que fizemos no meu porão, fiquei muito orgulhoso - porque o fizemos no meu porão, em um estúdio improvisado de baixa qualidade que montamos nós mesmos. Eu fiquei lá olhando para todos em smokings, diamantes e casacos de pele, e pensei que provavelmente fôssemos a única banda que ganhou um Grammy por um álbum feito de graça em um porão naquele ano".[8]

FaixasEditar

Todas as faixas por Dave Grohl, Nate Mendel e Taylor Hawkins.

  1. "Stacked Actors" – 4:17
  2. "Breakout" – 3:21
  3. "Learn to Fly" – 3:58
  4. "Gimme Stitches" – 3:42
  5. "Generator" – 3:48
  6. "Aurora" – 5:50
  7. "Live-In Skin" – 3:53
  8. "Next Year" – 4:37
  9. "Headwires" - 4:38
  10. "Ain't It The Life" – 4:17
  11. "M.I.A" – 4:03
  12. "Fraternity" - 3:10 (Faixa Bônus da versão japonesa)
  Este artigo sobre um álbum de Foo Fighters é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. Avaiação pela AllMusic
  2. Avaliação pela Rolling Stone
  3. Avaliação ela Sputnikmusic
  4. «Dave Grohl fighting for rock at the Grammy». Associated Press. Consultado em 8 de julho de 2020. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2012 
  5. «Legends: Foo Fighters». Kerrang!: 115 
  6. Apter, Jeff (2006). The Dave Grohl Story. [S.l.]: Music Sales Group. p. 325. ISBN 978-0-85712-021-2 
  7. a b c Flick, Larry (16 de outubro de 1999). «Foo Fighters Had Nothing To Lose». Billboard 
  8. Lang, Derrik J. (6 de fevereiro de 2012). «Dave Grohl fighting for rock at the Grammys». The Boston Globe. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2012