Tinto Brass

Tinto Brass, pseudónimo de Giovanni Brass (Veneza, 26 de março de 1933), é um realizador italiano. É muito conhecido pelos filmes eróticos que realizou.

Tinto Brass
Tinto Brass com a atriz Caterina Varzi no Festival de Veneza em 2009
Nome completo Giovanni Brass
Nascimento 26 de março de 1933 (87 anos)
Veneza
Nacionalidade Itália Italiano
Ocupação Realizador, Cenógrafo

BiografiaEditar

A juventudeEditar

Nascido em Veneza em 26 de março de 1933 de uma família juliana, formou-se em Direito em 1957. No fim dos anos 1950 trabalhou por dois anos na Cinémathèque de Paris, aproximando-se da Nouvelle Vague. Foi tambèm ajudante de Alberto Cavalcanti.

RealizadorEditar

Foi assistente de Roberto Rossellini e Joris Ivens, e seu primeiro filme como realizador foi In capo al mondo (1963)

Outros filmesEditar

Depois de Il disco volante de 1964; La mia signora com Alberto Sordi do 1964; o spaghetti-western Yankee do (1966); Tinto pega o caminho do cinema mais íntimo com Col cuore in gola (1967), L'urlo (1968) e Nerosubianco (1969); Dropout (1970) e La vacanza (1971). Depois destes filmes, começa o caminho erótico.

FilmografiaEditar

Outros filmesEditar

Tinto foi tambèm jornalista na revista Penthouse e foi sò ator nos filmes La donna è una cosa meravigliosa de Mauro Bolognini (1964); Lucignolo de Massimo Ceccherini (1999); La rabbia de Louis Nero e Il nostro Messia de Claudio Serughetti (2008); Impotenti esistenziali de Giuseppe Cirillo (2009).

Em 1964 realizou tambèm seu único documentário político: Ça ira - Il fiume della rivolta.

Outros projetosEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tinto Brass

Ligações externasEditar