Tito Romílio Roco Vaticano

Tito Romílio Roco Vaticano
Cônsul da República Romana
Consulado 455 a.C.
451 a.C. (decênviro)

Tito Romílio Roco Vaticano (em latim: Titus Romilius Rocus Vaticanus) foi um político da gente Romília nos primeiros anos da República Romana eleito cônsul em 455 a.C. com Caio Vetúrio Cicurino.

ConsuladoEditar

Tito Romílio pertencia à gente Romília, uma gente patrícia. Seu pai chamava-se Tito segundo os Fastos Consulares. Ele foi eleito com Caio Vetúrio Cicurino em 455 a.C.[1].

Seu consulado se iniciou com uma forte dissensão entre os cônsules e os tribunos da plebe por causa da necessidade de um novo alistamento militar. Os tribunos afirmavam que tratava-se de mais uma manobra para impedir a distribuição de terras públicas. No final, era aparente que os plebeus conseguiriam colocar a lei em votação, mas os patrícios se opuseram, impedindo, fisicamente, que as tribos se formassem para a votação ou atrapalhando as atividades dos que tentavam votar. Chegou-se ao ponto de convocar os mais arruaceiros entre os oponentes dos patrícios, que acabaram multados, mas que tiveram as multas pagas por membros de sua classe. A tentativa de colocar a lei em votação foi, porém, interrompida pela notícia de um raide dos équos e de um ataque à cidade aliada de Túsculo[2].

Os tuscolanos pediram a ajuda dos romanos contra os équos, que os dois cônsules enfrentaram e derrotaram numa batalha, como sempre, perto do monte Álgido. Romílio e Cicurino decidiram vender o butim capturado para re-estabelecer o caixa estatal, fazendo assim mais inimigos entre os plebeus, que constituíam a grande parte do exército, e que esperavam a sua justa parte dos espólios[3].

Anos seguintesEditar

No ano seguinte (454 a.C.), foi processado pelo tribuno da plebe Caio Calvo Cicerônio, sob a acusação de haver ilicitamente impedido que o butim fosse dividido entre os soldados e, condenado, foi obrigado a pagar uma pesada multa de 10 000 asses[3].

Em 451, foi um dos decênviro no Primeiro Decenvirato, responsável por elaborar a "Lei das Dez Tábuas", completada nos decenviratos seguinte e que deu origem à Lei das Doze Tábuas[4].

Ver tambémEditar

Cônsul da República Romana
 
Precedido por:
'Marco Valério Máximo Latuca

com Espúrio Vergínio Tricosto Celimontano

Tito Romílio Roco Vaticano
455 a.C.

com Caio Vetúrio Cicurino

Sucedido por:
'Espúrio Tarpeio Montano Capitolino

com Aulo Atérnio Varo

Decênviro da República Romana
 
Precedido por:
'Ápio Cláudio Crasso Inregilense Sabino

com Tito Genúcio Augurino

Tito Romílio Roco Vaticano II
451 a.C.

com Primeiro Decenvirato

Sucedido por:
'Segundo Decenvirato'


Referências

  1. Dionísio, Antiguidades Romanas X, 33.
  2. Dionísio, Antiguidades Romanas X, 33-43.
  3. a b Lívio, Ab Urbe Condita Libri III, 2, 31.
  4. Lívio, Ab Urbe Condita Libri, III, 31-33.

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar