Abrir menu principal

Tratado de Apameia

Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde junho de 2019). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Mapa da Ásia Menor depois do Tratado de Apameia, destacando os ganhos do Reino de Pérgamo (azul claro) e de Rodes (verde claro).

O Tratado de Apameia, de 188 a.C., foi um tratado de paz firmado entre a República Romana e o Império Selêucida de Antíoco III, o Grande. Ele foi o resultado direto das vitórias romanas em Termópilas (191 a.C.) e Magnésia (190 a.C.) e das vitórias navais romanas e rodenses sobre a marinha selêucida.

TratadoEditar

Neste tratado, segundo Apiano, Antíoco foi obrigado a abandonar todas as suas pretensões na Europa e em toda a Ásia a oeste dos montes Tauro. Além disto, ele foi obrigado a entregar todos os seus elefantes de guerra e a limitar sua marinha a doze navios, cuja missão estaria restrita à segurança interna (com a ressalva de que ele poderia construir mais se fosse atacado). Antíoco ainda foi proibido de recrutar mercenários em território romano e de abrigar fugitivos romanos. Finalmente, vinte reféns, escolhidos pelos cônsules romanos foram levados para Roma. Eles seriam trocados a cada três anos com exceção do filho de Antíoco. Antíoco ainda prometeu não mais treinar elefantes de guerra e pagar pelo custo do conflito (500 talentos de imediato, 2 500 quando Senado Romano ratificasse o tratado e mais 12 000 pelos doze anos seguintes). Todos os prisioneiros e desertores romanos e pergamenses deveriam ser devolvidos. O Reino de Pérgamo receberia ainda todos os territórios cedidos por Átalo I, o pai do rei Eumenes II.

Roma cedeu o controle de grande parte da Ásia Menor a Eumenes. Antíoco manteve a região da Cilícia, mas perdeu a maior parte da Lícia e da Cária para a Peraia Rodense. Os reis helênicos geralmente aceitavam, enquanto viviam, os termos assinados por motivos de honra, mas seus descendentes geralmente não se sentiam obrigados a cumprir estes acordos. As condições navais deste tratado aparentemente foram ignoradas, mas as demais condições foram cumpridas.

O tratado foi formalizado em Apameia, na Frígia. Ele permitiu que os romanos estendessem sua hegemonia política até o Mediterrâneo oriental. Contudo, o poder romano, naquela época, ainda era indireto e Roma dependia, em grande parte, de suas alianças com potências locais para fazer valer seu poder.

BibliografiaEditar