Abrir menu principal

Tratamento de imagem

Tratamento de imagem ou manipulação de imagem envolve alterar uma fotografia usando vários métodos e técnicas para atingir os resultados desejados. Algumas manipulações de imagens são consideradas trabalhos hábeis, enquanto outras são consideradas práticas antiéticas, especialmente quando usado para enganar o público. Também pode ser usada para propaganda política,[1][2] fazer um produto ou pessoa parecer melhor, ou para fins de entretenimento.

Questões políticas e éticasEditar

A manipulação de fotos tem sido usada para enganar ou persuadir os espectadores ou melhorar a narrativa e a auto-expressão.[3] Mesmo mudanças sutis e discretas podem ter um impacto profundo na maneira como uma fotografia é interpretada ou julgada, tornando ainda mais importante saber quando ocorreu manipulação ou não. Já na Guerra Civil Americana, as fotografias foram publicadas como gravuras baseadas em mais de um negativo.[4]

Josef Stalin fez uso de retoques de fotos para fins de propaganda.[5] Em 5 de maio de 1920, seu antecessor Vladimir Lenin fez um discurso para as tropas soviéticas que Leon Trótski compareceu. Stalin retirou Trótski de uma fotografia em que ele aparecia.[6] Em um caso bem conhecido de manipulação de imagens damnatio memoriae, o líder da NKVD Nikolai Yezhov (o "Comissário de Fuga"), após sua execução em 1940, foi removido de uma foto oficial da imprensa onde foi fotografado com Stalin.[7]

Algumas teorias éticas foram aplicadas à manipulação de imagens. Durante um painel sobre o tema da ética na manipulação de imagens,[8] Aude Oliva teorizou que são necessárias mudanças categóricas para que uma imagem editada seja vista como uma manipulação. Em Image Act Theory,[9] Carson Reynolds estendeu a teoria de atos de fala aplicando-a à edição de fotos e manipulações de imagens. Em How to Do Things with Pictures,[10] William J. Mitchell detalha a longa história da manipulação de fotos e a discute criticamente.

PhotoshoparEditar

Como resultado da popularidade do Adobe Photoshop como software de edição de imagens, o uso do neologismo "photoshopado" cresceu onipresentemente. O termo geralmente se refere a toda e qualquer edição digital de fotografias, independentemente do software usado.[11][12][13] A proprietária da marca registrada, Adobe Systems Incorporated, embora lisonjeada com a popularidade do software, se opôs ao que chama de uso indevido de seu software de marca registrada e considerou uma infração à marca registrada usar termos como "photoshop" ou "photoshopar" como substantivo ou verbo, de forma possessiva ou como um termo de gíria. No entanto, as tentativas da Adobe de impedir a "genericação"[14] da marca registrada da empresa[15] foram inúteis. Separadamente, a Free Software Foundation desaconselha o uso de "photoshop" como verbo, porque o Adobe Photoshop é um software proprietário.[16] Os termos "photoshopar", "photoshopado" e "photoshopando" são onipresentes e amplamente utilizados coloquial e academicamente ao referir-se a software de edição de imagens, no que se refere à manipulação digital e alteração de fotografias.[17][18]

Na cultura popular, o termo photoshopar às vezes é associado a montagens na forma de piadas visuais, como as publicadas no Fark e na revista Mad. As imagens podem ser propagadas memeticamente por e-mail como humor ou passadas como notícias reais em forma de farsa.[19][20] Um exemplo da última categoria é o "Helicopter Shark", que foi amplamente divulgado como a "Foto National Geographic do Ano", que depois foi revelado como uma farsa.[21]

Veja tambémEditar

Referências

  1. «How Hitler, Mussolini, Lenin and Chairman Mao used photo editing». Mail Online. 16 de outubro de 2017. Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  2. Zubacheva, Ksenia (24 de agosto de 2017). «How photo manipulations became a tool of Soviet propaganda». www.rbth.com (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  3. Rotman, Brian (2008). «Becoming Beside Ourselves». doi:10.1215/9780822389118 
  4. Palmquist, Peter E. (2005). Pioneer photographers from the Mississippi to the continental divide : a biographical dictionary, 1839-1865. Stanford, Calif.: Stanford University Press. ISBN 0-8047-4057-7. OCLC 56334078 
  5. King, David, 1943- (1997). The commissar vanishes : the falsification of photographs and art in Stalin's Russia 1st ed ed. New York: Metropolitan Books. ISBN 0-8050-5294-1. OCLC 36883899 
  6. Ammann, Daniel, 1963-. The king of oil : the secret lives of Marc Rich First edition ed. New York: [s.n.] ISBN 978-1-4299-8685-4. OCLC 967983885 
  7. Extraordinary Commissar, The. Col: Oxford Music Online. [S.l.]: Oxford University Press. 2002 
  8. Carlson, Kathryn; DeLevie, Brian; Oliva, Aude (2006). «Ethics in image manipulation». New York, New York, USA: ACM Press. ACM SIGGRAPH 2006 Panels on - SIGGRAPH '06. ISBN 1-59593-364-6. doi:10.1145/1179171.1179176 
  9. «[Title page]». IEEE. 2017 Seventh International Conference on Image Processing Theory, Tools and Applications (IPTA). 2017-11. ISBN 978-1-5386-1842-4. doi:10.1109/ipta.2017.8310075  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. «Mitchell: How to Do Things with Pictures». web.stanford.edu. Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  11. Rodriguez, Edward. (2007). Computer graphic artist 1st ed ed. Chandni Chowk, Delhi: Global Media. ISBN 978-81-89940-42-3. OCLC 252087735 
  12. Deutsch, Laurence M. (2001). Medical records for attorneys 1st ed ed. Philadelphia, PA: American Law Institute-American Bar Association Committee on Continuing Professional Education. ISBN 0-8318-0817-9. OCLC 47914236 
  13. Geelan, David. (2006). Undead theories : constructivism, eclecticism and research in education. Rotterdam: Sense Publishers. ISBN 90-77874-31-3. OCLC 70886410 
  14. «Here Is Adobe's Attempt to Stop People From Using the Term "Photoshop" All Willy-Nilly». io9 (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  15. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 2 de fevereiro de 2017. Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  16. «gnu.org». www.gnu.org (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  17. «Macworld: Photoshop through the Years». web.archive.org. 15 de março de 2005. Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  18. «Redirect». my.safaribooksonline.com. Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  19. Shreve, Jenn (19 de novembro de 2001). «Photoshop: It's All the Rage». Wired. ISSN 1059-1028 
  20. «Salon.com Arts & Entertainment | The Photoshopping of the president». web.archive.org. 10 de março de 2008. Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  21. «Shark "Photo of the Year" Is E-Mail Hoax». web.archive.org. 2 de janeiro de 2007. Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  Este artigo sobre design é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.