Abrir menu principal
L-Treonina
Alerta sobre risco à saúde
L-Threonin - L-Threonine.svg L-threonine-3D-sticks2.png
Nome IUPAC (2S,3R)-2-Amino-3-hydroxybutanoic acid
Identificadores
Número CAS 72-19-5,
72-19-5 (L-isomer)
PubChem 6288
Número EINECS 200-774-1
SMILES
Propriedades
Fórmula química C4H9NO3
Massa molar 119.1 g mol-1
Compostos relacionados
Aminoácidos relacionados Serina (3-hidroxi-2-aminopropanoico)
Ácido alfa-aminobutírico
Ácido gama-amino-beta-hidroxibutírico (4-amino-3-hidroxibutanoico)
Compostos relacionados Ácido beta-hidroxibutírico
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

A treonina (abreviada como Thr ou T) é um dos aminoácidos codificados pelo código genético, sendo portanto um dos componentes das proteínas dos seres vivos. A treonina possui dois centros assimétricos, nos carbonos 2 e 3. A configuração do carbono 2 é S e do carbono 3 é R.

Treonina é o mais abundante aminoácido essencial à proteína imunoglobulínica. Experimentalmente, demonstrou-se em suínos em crescimento e em marrãs gestantes, que a dieta deficiente de treonina leva a uma baixa concentração plasmática de IgG. Existem evidências experimentais que a treonina está relacionada também à manutenção da imunidade específica da parede intestinal.

Foi descoberta em 1930 por William Cumming Rose, sendo o último dos vinte aminoácidos proteinogênicos comuns a ser identificado.

BiossíntenseEditar

Como um aminoácido essencial, a treonina não é sintetizada em seres humanos, portanto para suprir o organismo humano deste aminoácido proteínas contendo treonina devem ser ingeridas. Em plantas e microorganismos a treonina é sintetizada a partir do ácido aspártico.

NutriçãoEditar

O nível de treonina deve ser controlado, pois seu nivelamento quanto mais próximo do adequado auxilia na regulação da produção de glicina e serina, os quais são aminoácidos que atuam diretamente na síntese de colágeno, elastina e tecido muscular. Já que citamos que há um nível ideal, é importante ressaltar que com relação à ingestão, uma pessoa na fase adulta deve ter aproximadamente 20 miligramas de treonina pelo quilo que pesa. Os alimentos que a contém são: filé de peito de peru, alimentos à base de soja, carne de porco, carne bovina, laticínios em geral, com variações de quantidade, fígado, bovino ou de ave, feijão e lentilha, salmão, clara do ovo e camarão. Em casos de animais, como aves, por exemplo, há pesquisas que demonstram que diferenças nos níveis deste aminoácido alteram as respostas destes organismos quanto à produção e qualidade dos ovos, consumo de ração e conversão alimentar. Como dito anteriormente, ela auxilia em funções do sistema imunológico, estimulando funções do timo, uma glândula que é responsável pelo desenvolvimento dos linfócitos, além da produção de anticorpos. Ela também ajuda na prevenção da depressão, melhora a cicatrização e fortalece os ossos[1]

  Este artigo sobre Bioquímica é um esboço relacionado ao Projeto Química. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. VALERIO, Sandra Roselí et al . Determinação da exigência nutricional de treonina para poedeiras leves e semipesadas. R. Bras. Zootec., Viçosa , v. 29, n. 2, p. 518-524, Apr. 2000 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-35982000000200027&lng=en&nrm=iso>. access on 26 July 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-35982000000200027.