Várzea do Carmo e Rio Tamanduateí, 1858

quadro de José Wasth Rodrigues
Várzea do Carmo e Rio Tamanduateí, 1858
Autor José Wasth Rodrigues
Data 1922
Gênero pintura histórica
Técnica tinta a óleo
Dimensões 72,5 centímetros x 100 centímetros
Localização Museu Paulista
Sound-icon.svg Descrição audível da obra no Wikimedia Commons
Recurso audível (info)
Este áudio foi inserido no verbete em 10 de março de 2020 e pode não refletir mudanças posteriores (ajuda com áudio).

Várzea do Carmo e Rio Tamanduateí, 1858 é uma pintura de José Wasth Rodrigues, feita no ano de 1922.[1] A obra é do gênero pintura histórica e encontra-se sob a guarda do Museu Paulista da USP.[2] Os elementos centrais retratados na tela e que dão nome à obra são a Várzea do Carmo e o Rio Tamanduateí, também conhecido como Piratininga. Também estão representados o Convento do Carmo, outras casas e lavandeiras.[3]

DescriçãoEditar

A obra foi produzida com tinta a óleo. Suas medidas são 72,5 centímetros de altura e 100 centímetros de largura. A pintura faz parte de Coleção Museu Paulista, com o número de inventário é 1-19027-0000-0000.[2]

AnáliseEditar

A pintura de Wasth Rodrigues foi realizada na década de 1920, mas retratando o final do século XIX na região Várzea do Carmo e do Rio Tamanduateí, atual Brás e outros bairros centrais de São Paulo. A obra faz parte da coleção de pinturas encomendadas por Afonso d'Escragnolle Taunay pare remontar iconograficamente a história paulista.[4][5][6] Para realizar esta obra, Wasth baseou-se em fotografias de Militão Augusto de Azevedo, que hoje estão perdidas.[3]

De acordo com estudos sobre o lazer na cidade de São Paulo e assim como a tela representa, a região da várzea do Rio Tamanduateí era frequentada por pessoas que realizavam atividades com a água do rio, como nadar ou lavar roupas.[7]

Ver tambémEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Várzea do Carmo e Rio Tamanduateí, 1858

Referências

  1. RIBEIRO, Vanessa Costa (2012). Várzea do Carmo a Parque Dom Pedro II: de atributo natural e artefato - Décadas de 1890 a 1950. São Paulo: [s.n.] 150 páginas. Consultado em 9 de março de 2020 
  2. a b «Várzea do Carmo e Rio Tamanduateí, 1858». Google Arts & Culture. Consultado em 9 de março de 2020 
  3. a b MELO, Berta de Oliveira (2017). Águas errantes: uma narrativa sobre o rio Tamanduateí, a cidade e a arte. São Paulo: [s.n.] 81 páginas 
  4. Breno Henrique Selmine, MATRANGOLO (2013). Formas de bem morrer em São Paulo: transformações nos costumes fúnebres e a construção do cemitério da Consolação (1801-1858). São Paulo: [s.n.] 16 páginas. Consultado em 9 de março de 2020 
  5. MAKINO, Miyoko (2003). Ornamentação do Museu Paulista para o Primeiro Centenário: construção de identidade nacional na década de 1920. São Paulo: Anais do Museu Paulista da USP. Consultado em 9 de março de 2020 
  6. LIMA JÚNIOR, Carlos Rogerio (2015). Um artista às margens do Ipiranga: Oscar Pereira da Silva, o Museu Paulista e a reelaboração do passado nacional. São Paulo: [s.n.] Consultado em 9 de março de 2020 
  7. GESSI, Hennan. A difusão do lazer na cidade de São Paulo: o caso do Parque Shanghai (1937-1968) (PDF). [S.l.: s.n.] 10 páginas