Valeri Bykovski

Valeri Fiodorovich Bykovski (em russo: Валерий Фёдорович Быковский) (Pavlovsky Posad, 2 de agosto de 1934Moscou, 27 de março de 2019)[2] foi um ex-cosmonauta soviético veterano de três missões espaciais nas naves Vostok V, Soyuz 22 e Soyuz 31.

Valeri Bykovski
Valeri Bykovski
Nascimento 2 de agosto de 1934
Pavlovsky Posad, Oblast de Moscou, Rússia, URSS
Morte 27 de março de 2019 (84 anos)
Cidade das Estrelas, Rússia[1]
Nacionalidade União das Repúblicas Socialistas Soviéticas soviético
Ocupação Militar e Cosmonauta
Carreira espacial
Cosmonauta da URSS
Tempo no espaço 20d 17h 48m[1]
Seleção 1960[1]
Missões
Insígnia da missão Insígnia Soyuz 31
Aposentadoria 1982[1]
Prêmios Hero of the USSR Gold Star.png Herói da União Soviética

CarreiraEditar

Serviu na Força Aérea Soviética entre 1955 e 1960. Fazendo parte do corpo de cosmonautas da Roscosmos desde 1960, Bykovski marcou um recorde de permanência no espaço quando passou cinco dias em órbita a bordo da Vostok V em junho de 1963, durante seu primeiro voo espacial;[3] este recorde já foi largamente ultrapassado no correr do tempo, porém ele ainda mantém o recorde do maior tempo no espaço em um voo individual. Esta foi a primeira missão soviética que colocou duas espaçonaves ao mesmo tempo em órbita. Na outra espaçonave, a Vostok VI, estava a cosmonauta Valentina Tereshkova, a primeira mulher a ir ao espaço.[4]

Em 1967, ele deveria voltar ao espaço no comando da Soyuz 2, em companhia de mais dois cosmonautas, mas sua missão foi abortada devido à morte de Vladimir Komarov ao fim da missão Soyuz 1, que paralisou por um ano e meio o programa espacial soviético. Bykovski teve sua vida salva por uma forte chuva em Baikonur, que impediu a decolagem da nave no dia estipulado. Ele e os cosmonautas Yevgeny Khrunov e Aleksei Yeliseyev estavam designados para partir no dia seguinte do lançamento de Komarov na Soyuz 1, quando tentariam fazer a primeira caminhada espacial com troca de tripulações no espaço. Khrunov e Yeliseyev deveriam passar para a Soyuz 1 de Komarov após o encontro das duas naves em órbita, enquanto Bykovski desceria sozinho na Soyuz 2.[5]

Em órbita, a nave de Komarov começou a apresentar sérios problemas de estabilidade, eletricidade e falha na abertura dos painéis solares. Com o adiamento da partida da Soyuz 2, o comandante decidiu retornar. Durante a reentrada na atmosfera, o paraquedas da Soyuz 1 não abriu e Komarov morreu no choque com o chão. Depois do acidente, o sistema de paraquedas da Soyuz 2 foi verificado e encontrado o mesmo problema. Se a chuva não tivesse impedido o lançamento, os mortos teriam sido quatro ao invés de um.[5] Bykovski só retornou ao espaço em 1976, na Soyuz 22.[6]

Muitos de seus anos no programa espacial estiveram voltados à promoção e organização do programa Intercosmos nas nações socialistas. Foi durante a vigência deste programa que ele fez seu terceiro voo, comandando a Soyuz 31, em setembro de 1978, levando ao espaço consigo o primeiro cosmonauta alemão, Sigmund Jahn, da então Alemanha Oriental.[3]

Ele se aposentou em 1988 e passou os três anos seguintes como diretor da Casa da Cultura e Ciência Soviética em Berlim. Recebeu a condecoração de Herói da União Soviética, a Ordem de Lenin e a Ordem da Estrela Vermelha, além de uma série de outras honrarias.[3]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d «Cosmonaut Biography: Valeri Bykovski». 3 de abril de 2019. Consultado em 22 de outubro de 2021 
  2. «Morre Valery Bykovsky, um dos primeiros cosmonautas da União Soviética». noticias.uol.com.br. 27 de março de 2019. Consultado em 27 de março de 2019 
  3. a b c «Bykovsky». astronautix. Consultado em 12 de dezembro de 2013 
  4. «Tereshkova». astronautix. Consultado em 12 de dezembro de 2013 
  5. a b «Soyuz 2A». astronautix3. Consultado em 12 de dezembro de 2013 
  6. «Soyuz 22». astronautix. Consultado em 12 de dezembro de 2013 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Valeri Bykovski