Abrir menu principal
O universo, num raio de 500 milhões de anos-luz da Terra, em que se observa os principais filamentos galácticos.

Em astronomia, um vazio é o nome dado aos espaços entre os filamentos (as maiores estruturas do Universo), que contêm pouquíssimas, ou nenhuma galáxia. Esses vazios foram descobertos em 1978 durante um estudo pioneiro de Stephen Gregory e Laird A. Thompson no Observatório Nacional de Kitt Peak.[1] Os vazios possuem em geral um diâmetro de 11 a 150 megaparsecs; particularmente os grandes vazios, definidos pela ausência de superaglomerados densos, são por vezes denominados "supervazios". Os vazios localizados em regiões de alta densidade são menores que os situados em espaços de baixa densidade no universo.[2] Acredita-se que os vazios tenham sido formados a partir de oscilações acústicas de bárions no universo primitivo.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Freedman, R.A., & Kaufmann III, W.J. (2008). Stars and galaxies: Universe. Nova Iorque: W.H. Freeman and Company.
  2. U. Lindner, J. Einasto, M. Einasto, W. Freudling, K. Fricke, E. Tago (1995). «The structure of supervoids. I. Void hierarchy in the Northern Local Supervoid». Astron. Astrophys. 301. 329 páginas. Bibcode:1995A&A...301..329L. arXiv:astro-ph/9503044 . Consultado em 27 de fevereiro de 2012. Arquivado do The Structure of Supervoids I: Void Hierarchy in the Northern Local Supervoid original Verifique valor |url= (ajuda) em 24 de maio de 2011 

Ligações externasEditar