Abrir menu principal

Vice-reis do Rio da Prata

artigo de lista da Wikimedia
(Redirecionado de Vice-rei do Rio da Prata)

O cargo de vice-rei foi a máxima autoridade local do Vice-Reino do Rio da Prata. Seu titular era nomeado pelo Rei da Espanha, do qual dependia politicamente.

O cargo foi criado em 1776 junto com o respectivo distrito, sendo o primeiro vice-rei Pedro de Cevallos. Baltasar Hidalgo de Cisneros é considerado o último vice-rei, já que foi deposto em 1810 durante a Revolução de Maio, iniciadora do processo independentista. No entanto, outros vice-reis foram nomeados posteriormente, ainda que com escassa autoridade efetiva devido aos movimentos revolucionários.

Lista histórica de vice-reisEditar

Imagem Vice-Rei do Rio da Prata Período Obra de governo
  Pedro Antonio de Cevallos Cortés y Calderón
(1715 - 1778)
15 de outubro de 1777 - 12 de junho de 1778 Designado por Carlos III. Sua obra mais importante como vice-rei foi protagonizar uma expedição para Colônia do Sacramento para expulsar aos portugueses da zona, o conseguindo com sucesso.[1] Também durante seu governo se sancionou a Lei de Livre Comércio de 1778[2] que favoreceu o desenvolvimento de Buenos Aires declarando-a porto oficial e legal (condição que antes só dois portos ostentavam, no Panamá e no Peru)
  Juan José de Vértiz y Salcedo
(1719 - 1799)
12 de junho de 1778 - 7 de março de 1784 Foi designado em substituição de Cevallos depois da morte deste por Carlos III. Desenvolveu a economia regional colonizando terras desabitadas e instalando intendências por todo o vice-reino e fundou a Real Audiência de Buenos Aires. Realizou-se o primeiro censo, que revelou 37.000 portenhos.[3]
  Nicolás Francisco Cristóbal del Campo 7 de março de 1784 - 4 de dezembro de 1789 Foi designado por Carlos III depois da renúncia de seu predecessor, em sua obra de governo destaca-se ter fortalecido a Real Audiência de Buenos Aires.
  Nicolás Antonio de Arredondo
(1726 - 1802)
4 de dezembro de 1789 - 16 de março de 1795 Designado por Carlos IV. Iniciou a fortificação de Buenos Aires e fortificou a cidade de Montevideo. Dispôs conselhos a fim de que mantivessem a moralidade e combatessem os delitos. Protegeu a pecuária e deu apoio aos estancieiros. Em 1794 instalou-se o Consulado Real em Buenos Aires, que funcionava a modo de tribunal comercial.[4]
  Pedro de Melo de Portugal y Villena
(1734 - 1797)
16 de março de 1795 - 15 de abril de 1797 Designado por Carlos IV. Continuou com a política reformadora de seus predecessores e começou a defender a capital do vice-reino e Montevideo dos avanços portugueses e britânicos na zona. Faleceu em exercício do cargo, de maneira imprevista.[5]
  Real Audiência de Buenos Aires 15 de abril - 2 de maio de 1797 Exerce interinamente por um curto tempo, e portanto não realizou reformas. Ante a ausência de um substituto nas colônias, a Real Audiência tinha a responsabilidade de esperar a chegada do mesmo mantendo a ordem.
  Antonio Olaguer Feliú
(1742 - 1813)
2 de maio de 1797 - 14 de maio de 1799 Enfrentou-se aos avanços britânicos e portugueses na zona. Autorizou a entrada de navios estrangeiros e neutros ao porto de Buenos Aires para estimular o comércio do vice-reino, afetado pela situação instável europeia.[6]
  Gabriel de Avilés y del Fierro
(1735 - 1810)
14 de maio de 1799 - 20 de maio de 1801 Designado por Carlos IV
  Joaquín del Pino Sánchez de Rozas Romero y Negrete
(1729 - 1804)
20 de maio de 1801 - 11 de abril de 1804 Designado por Carlos IV, faleceu no exercício do cargo. Entre suas obras destaca-se ter-lhe dado o cargo de governador de Misiones a Santiago de Liniers. Este aproveitou a situação para enfrentar os portugueses por causa das usurpadas Missões Orientais, mas Del Pino não lhe deu o apoio necessário e retirou-o de seu cargo em julho de 1802.
  Rafael Núñez Castillo Angulo y Bullón Ramírez de Arellano, marqués de Sobremonte
(1745 - 1827)
23 de abril de 1804 - 10 de fevereiro de 1807 Foi designado por Carlos IV. Como resultado da rejeição à primeira invasão inglesa em Buenos Aires (1806), um Cabildo aberto de Buenos Aires resolveu que o vice-rei entregaria o poder político à Real Audiência e o comando militar a Liniers, herói da reconquista de Buenos Aires, que foi nomeado em sua substituição.
  Santiago Antonio María de Liniers y Bremont
(1753 - 1810)
10 de fevereiro de 1807 - 30 de junho de 1809 vice-rei interino, confirmado por Carlos IV e mais tarde destituído pela Junta Central. Francês de nascimento, acedeu ao poder ratificado pelo Cabildo Aberto após seu triunfo contra a Primeira Invasão Inglesa em Buenos Aires. No entanto, por causa de sua nacionalidade, foi removido de seu cargo em meio às Guerras Napoleônicas.
  Baltasar Hidalgo de Cisneros y La Torre
(1755 - 1829)
30 de junho de 1809 - 25 de maio de 1810 Designado pelas Cortes de Cádiz, foi deposto pela Revolução de Maio, durante seu governo não se desenvolveram obras de grande importância, devido à situação que imperava na Espanha, não obstante evitou que a notícia chegasse a Buenos Aires, apesar de esta finalmente ter chegado em 17 de maio de 1810.

ReferênciasEditar