Abrir menu principal

Um vigário imperial (Reichsvikar) era um príncipe encarregado de administrar uma parte ou todo o Sacro Império Romano-Germânico em nome do Imperador Romano-Germânico. Mais tarde, um vigário imperial era invariavelmente um dos dois príncipes aos quais a Bula Dourada de 1356 atribuía a administração do Sacro Império Romano durante um interregno.

O Sacro Império Romano-Germânico não tinha lei fixa da sucessão. Quando um rei ou imperador morria, se um rei dos romanos já não tivesse sido eleito, não haveria novo imperador até que todos os eleitores, ou os seus representantes, pudessem reunir-se para uma nova eleição imperial. Isto era realizado por dois vigários imperiais.

Cada vigário, nas palavras da Bula Dourada, foi "o administrador do próprio império, com o poder das decisões de passagem, de apresentar aos benefícios eclesiásticos, de coleta de retornos e as receitas e investir com feudos, de receber juramentos de fidelidade e para em nome do império santo.". Todos os atos dos vigários estavam sujeitos a ratificação pelo rei eleito ou imperador. Em muitas ocasiões, no entanto, não havia nenhum interregno, já que um novo rei havia sido eleito durante a vida do imperador anterior. [1]

O vicariato veio a ser associado com dois condes palatinados: o Duque e eleitor da Saxônia (que também ocupou o cargo de Conde Palatino da Saxônia) foi vigário em áreas que operam sob a lei saxônica (Saxônia, Vestfália, Eleitorado de Hanôver, e do norte da Alemanha). O Conde Palatino do Reno, também um eleitor, foi vigário no restante do império (Francônia, Suábia, o Reno, e no sul da Alemanha). A Bula Dourada de 1356 confirmou a posição dos dois eleitores.

Em 1806, o imperador Francisco II abdicou do trono imperial e também declarou a dissolução do Sacro Império Romano após a derrota conta a França e da deserção de grande parte do sul e oeste da Alemanha a partir do império para se juntar à nova Confederação do Reno. Sua decisão de declarar a dissolução do império, bem como a abdicar aparentemente foi parcialmente de forma a prevenir um interregno com a regra pela vigários imperial, que ele temia que pudesse resultar na eleição de Napoleão Bonaparte como imperador.

O título também foi usado na Idade Média para administradores municipais ou regionais nomeados pelo Império. Na Itália foi muito usado depois do reinado dos imperadores Hohenstaufen, atribuído a signori poderosos que tinham a confiança do imperador e se comprometiam a manter seus domínios fiéis a ele.[2]

Vigários imperiais (1437-1792)Editar

Ver tambémEditar

Referências

  1. «François Velde, "The Holy Roman Empire"». Consultado em 17 de julho de 2014 
  2. "Vicario imperiale". In: Dizionario di Storia. Treccani, 2011