Voo Alitalia 112

acidente aéreo

O voo Alitalia 112 foi um voo regular do Aeroporto Leonardo da Vinci, em Roma, Itália, para o Aeroporto Internacional de Palermo, em Palermo, Itália, com 115 pessoas a bordo. Em 5 de maio de 1972, colidiu com o Monte Longa, cerca de 5 quilômetros (3,11 milhas) a sudoeste de Palermo quando se aproximava. Os pesquisadores acreditavam que a visibilidade naquele momento era de 3 milhas (4,83 quilômetros) e que a tripulação não cumpriu os vetores dados pelo controle de tráfego aéreo. Continua sendo o pior acidente de aeronave única na Itália e o segundo pior acidente aéreo na Itália, superado pelo desastre aéreo de Linate, ocorrido em 8 de outubro de 2001, causando 118 mortes.

Voo Alitalia 112
Avião similar ao acidentado
Sumário
Data 5 de maio de 1972 (50 anos)
Causa Erro do piloto, colisão com o solo em voo controlado
Local Monte Longa, perto de Palermo, Itália
Coordenadas 38° 07′ 23″ N, 13° 08′ 53″ L
Origem Aeroporto Leonardo da Vinci, Roma, Itália
Destino Aeroporto Falcone Borsellino, Palermo, Itália
Passageiros 108
Tripulantes 7
Mortos 115 (todos)
Feridos 0
Sobreviventes 0
Aeronave
Modelo Douglas DC-8-43
Operador Alitalia
Prefixo I-DIWB

Um memorial foi erguido no local do acidente.

O acidenteEditar

Em 5 de maio de 1972, o avião I-DWIB da Alitalia (DC-8/43) iniciou o voo AZ 112 de Roma Fiumicino para Palermo Punta Raisi, decolando 36 minutos depois. O capitão Roberto Bartoli estava encarregado das comunicações, enquanto o primeiro oficial Bruno Dini cuidava do avião. Os horários e locais foram coletados com precisão pelo gravador de controle de Roma, que possuía um gravador temporário, enquanto a abordagem de Palermo não era.

O voo AZ112 entrou em contato com a aproximação de Palermo por volta das 21:10, por volta de 74 milhas náuticas (137 quilômetros) do VOR (instalado sobre o Monte Gradara, município de Borgetto, com a frequência 112,3 MHz, cerca de 10 milhas (16,1 quilômetros) ao sul do aeroporto de Punta Raisi).

Por volta das 22h23 à meia-noite, o avião (de Ponente-lato Terrasini) atingiu uma crista de 935 metros (1 980 pés de altura),[1] a cerca de 300 pés (91,4 metros) abaixo do topo da montanha, e deslizou as asas sobre o solo, a fuselagem e os quatro motores por um longo tempo, até que se desintegrou por repetidos golpes contra as rochas. Parte dos restos mortais e dos corpos das vítimas rolou ladeira abaixo (ladeira Carini) e o incêndio no motor alertou para a presença do acidente. Os restos foram espalhados em um raio de 25 milhas (40,2 quilômetros), tão selvagens que as equipes de resgate levaram três horas para alcançá-lo. Mais tarde, algumas testemunhas em Carini alegaram ter visto o avião em chamas antes do acidente.

Dos 115 passageiros, praticamente todos os italianos - o único estrangeiro conhecido a bordo era um tripulante de cabine belga. A maioria dos passageiros estava voltando para participar das eleições italianas que aconteceriam naquele fim de semana. Entre os viajantes, vale mencionar o diretor de cinema Franco Indovina, além de Cestmir Vycpalek, filho do então treinador da Juventus.

O acidente ocorreu no 25º aniversário da Alitalia, que iniciou as operações com uma única aeronave G12 emprestada pela Força Aérea Italiana.

Após o acidenteEditar

 
Destroços do voo 112

A evidência endossou a versão oficial dos eventos. Os testes culparam os pilotos por não seguirem as instruções dos controladores de voo. O motivo do acidente foi declarado “erro do piloto” e colisão com o solo em voo controlado (CFIT) (descreve uma colisão não intencional de uma aeronave com o solo).[2]

Há outra versão oficial apoiada por alguns amigos íntimos das vítimas. Maria Eleonora Fais, irmã de Angela Fais, que morreu no avião, conseguiu encontrar, após muitos anos, o relatório do vice-inspetor Giuseppe Peri de que o avião havia sido explodido por uma bomba. Peri acusou pessoas com dívidas pendentes com a Máfia e um grupo de direita subversivo de responsabilidade pelo ataque. A ANPAC ficou ao lado dos pilotos, rejeitando a possibilidade de erro devido à sua longa experiência.

NotasEditar

Referências

  1. «Italy Jet Crash Kills 115». The Lowell Press (em inglês). 9 de maio de 1972 
  2. Joint Safety Implementation Team (JSIT) (1 de outubro de 2006). «Safer Skies: A Focused Safety Agenda» (PDF). FAA (em inglês): 4. Arquivado do original (PDF) em 1 de outubro de 2006 

BibliografiaEditar

  • Bordoni, Antonio (Dezembro de 2008). Piloti malati - Quando il pilota non scende dall'aereo (em italiano). Roma: Travel Factory S.r.l. 
  • De Stefani, Giorgio (1985). Navigazione Aerea Manuale Giuridico Amministrativo (em italiano). Roma: Istituto Poligrafico e Zecca dello Stato 
  • Rebulla, Edoardo. Sogni d'acqua (em italiano). [S.l.]: Sellerio Editore Palermo 
  • Azzinnari, Renato; Zingales, Leone. Anni difficili (em italiano). [S.l.]: Casa Editrice Istituto Gramsci Siciliano 

Ligações externasEditar