Wivi Lönn

arquiteta finlandesa
Wivi Lönn
Nascimento 20 de maio de 1872
Tampere
Morte 27 de dezembro de 1966 (94 anos)
Helsinque
Cidadania Finlândia
Alma mater Universidade de Tecnologia de Helsínquia
Ocupação arquiteta

Olivia Mathilda Lönn, geralmente conhecida como Wivi Lönn (Tampere, 20 de maio de 1872-Helsínquia, 27 de dezembro de 1966), foi uma arquiteta finlandesa. Foi a primeira mulher a quem outorgou-se o título honorário de «professor» pela Associação Finlandesa de Arquitetos.[1]

Vida inicial e educaçãoEditar

Olivia Mathilda Lönn nasceu no povoamento de Onkiniemi, perto de Tampere em 20 maio de 1872. Seu pai era Wilhelm Lönn, um cervejeiro local, e sua mãe Mathilda Siren. Após graduar-se na Escola Industrial de Tampere transladou-se a Helsínquia. Entre 1893 e 1896 estudou arquitetura na Universidade de Tecnologia de Helsínquia. Durante este período, ganhou o primeiro prémio em várias competições arquitetónicas.[1] Durante sua vida desenvolveu uma estreita amizade com Hanna Parviainen, com quem colaborou em muitas ocasiões.

TrajectóriaEditar

Sua graduação da universidade foi seguida pelo estabelecimento de seu escritório em arquitetónica, com o que foi a primeira mulher arquiteta que exerceu de forma independente na Finlândia.[1][2]

Na década de 1890 ganhou o primeiro prémio em vários concursos arquitetónicos. A utilização de pseudónimos foi o que lhe permitiu a Lönn ser avaliada em iguais condições, já que tanto as mulheres como os mestros de obra estavam claramente à margem da profissão. Dos sete concursos que ganhou, seis foram apresentados de maneira individual.[3]

Em 1904 ganhou o primeiro prêmio arquitectónico num concurso da Escola de Economia de Tampere.[2] De 1909 a 1913 Wivi Lönn e Armas Lindgren desenharam e construíram o Teatro da Estónia em estilo Art nouveau, e o Uusi Ylioppilastalo.[4] Em 1913 muda-se a Jyväskylä, onde desenvolve vários projetos arquitetónicos, entre eles uma escola, uma fábrica e muitos outros edifícios.

Na década de 1910 desenhou a mansão em Jyväskylä de Alvar Aalto, famoso arquiteto finlandês. O projeto foi finalizado em 1915.[5] Nos anos vinte cooperou com Hanna Parviainen em muitos projetos arquitetónicos na área de Jyväskylä, tais como escolas infantis, hospitais, uma igreja e uma biblioteca. Ao próprio tempo desenhou e construiu a sede da associação cristã de YWCA em Helsínquia.

O último trabalho de Wivi Lönn foi o observatório Tähtelä em Sodankylä. O observatório anterior, construído em 1913, tinha sido destruído durante a Segunda Guerra Mundial. Lönn desenhou os novos edifícios entre 1944 e 1945, e o complexo inaugurou-se em setembro de 1950.[6]

Em 1942 funda, junto a outras colegas como Elsi Borg, a Associação Oficial de Mulheres Arquitetas da Finlândia, que ainda hoje segue ativa ainda que pouco visível.

Wivi Lönn faleceu em Helsínquia em 27 de dezembro de 1966.

Edifícios notáveisEditar

  • Uusi Ylioppilastalo, 1910
  • Korporatsioon Sakala, 1911
  • Teatro de Estónia, 1913
  • Observatório Geofísico de Sodankylä, 1945

ReconhecimentosEditar

Em 1956 foi a primeira mulher à que se outorgou o título honorário de "Professor" pela Associação Finlandesa de Arquitetos.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c «Biography of Wivi Lönn». www.uni-ulm.de. Consultado em 10 de março de 2018. Arquivado do original em 8 de agosto de 2007 
  2. a b Dainty, Andrew; Green, Stuart; Bagilhole, Barbara (2007). People and culture in construction: a reader. [S.l.]: Routledge. pp. 161–62. ISBN 0-415-34870-6 
  3. Arias Laurino, Daniela (28 de março de 2015). «Wivi Lönn 1872-1966». Un día | una arquitecta (em espanhol). Consultado em 24 de setembro de 2017 
  4. O'Connor, Kevin. Culture and customs of the Baltic states. [S.l.: s.n.] p. 220. ISBN 0-313-33125-1 
  5. Suomen Taideteollisuusyhdistys. Form function Finland. [S.l.: s.n.] 
  6. Sari Pommelin. «Wivi Lönn's Influence on Finnish Architecture» (PDF) (em inglês). Consultado em 10 de março de 2018. Arquivado do original (PDF) em 11 de março de 2016 

Ligações externasEditar

  Media relacionados com Wivi Lönn no Wikimedia Commons