Yasser Arafat

Ex-presidente palestino do século 20 e ganhador do Prêmio Nobel da Paz

Yasser Arafat (em árabe: ياسر عرفات; Cairo, 24 de agosto de 1929Clamart, 11 de novembro de 2004) foi o líder da Autoridade Palestiniana, presidente (de 1969 até 2004) da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), líder da Fatah e co-detentor do Nobel da Paz.

Yasser Arafat
Arafat no Fórum Econômico Mundial, em 2001
Presidente da Autoridade Nacional Palestina Estado da Palestina
Período 5 de julho de 1994
até 11 de novembro de 2004
Primeiro-ministro Mahmoud Abbas
Ahmed Qurei
Sucessor(a) Rawhi Fattuh
Líder da Organização para a Libertação da Palestina Estado da Palestina
Período 4 de fevereiro de 1969
até 29 de outubro de 2004
Antecessor(a) Yahya Hammuda
Sucessor(a) Mahmoud Abbas
Dados pessoais
Nome completo Mohammed Abdel Rahman Abdel Raouf Arafat al-Qudwa al-Husseini (em árabe محمد عبد الرحمن عبد الرؤوف عرفات القدوة الحسيني)
Nascimento 24 de agosto de 1929
Cairo, Província do Cairo
Egito
Morte 11 de novembro de 2004 (75 anos)
Clamart, França
Nacionalidade Estado da Palestina Palestiniano/Palestino
Prêmio(s) Nobel prize medal.svg Nobel da Paz (1994)
Cônjuge Suha Arafat (1990-2004)
Partido Fatah
Religião Sunita
Profissão Engenheiro
Assinatura Assinatura de Yasser Arafat

BiografiaEditar

Arafat nasceu de pais palestinos no Cairo, Egito, onde passou a maior parte de sua juventude e estudou na Universidade do Rei Fuad I. Enquanto estudante, abraçou as ideias árabes nacionalistas e antissionistas. Contrário à criação do Estado de Israel em 1948, lutou ao lado da Irmandade Muçulmana durante a Guerra Árabe-Israelense de 1948. Retornando ao Cairo, ele serviu como presidente da União Geral dos Estudantes Palestinos de 1952 a 1956. Na última parte da década de 1950 ele co-fundou a Fatah, uma organização paramilitar que buscava a remoção de Israel e sua substituição por um estado palestino. O Fatah operou em vários países árabes, de onde lançou ataques contra alvos israelenses. Na última parte da década de 1960, o perfil de Arafat cresceu; em 1967 ingressou na OLP e em 1969 foi eleito presidente do Conselho Nacional Palestino (CNP). A crescente presença do Fatah na Jordânia resultou em confrontos militares com o governo jordaniano do rei Hussein e, no início da década de 1970, mudou-se para o Líbano. Lá, o Fatah ajudou o Movimento Nacional Libanês durante a Guerra Civil Libanesa e continuou seus ataques a Israel, resultando em se tornar um dos principais alvos das invasões de Israel em 1978 e 1982.[1][2][3][4]

De 1983 a 1993, Arafat se estabeleceu na Tunísia e começou a mudar sua abordagem do conflito aberto com os israelenses para a negociação. Em 1988, ele reconheceu o direito de existência de Israel e buscou uma solução de dois estados para o conflito israelense-palestino. Em 1994 ele retornou à Palestina, estabelecendo-se na Cidade de Gaza e promovendo o autogoverno dos territórios palestinos. Ele se envolveu em uma série de negociações com o governo israelense para acabar com o conflito entre ele e a OLP. Estes incluíram a Conferência de Madrid de 1991, os Acordos de Oslo de 1993 e a reunião de Camp David de 2000. Em 1994, Arafat recebeu o Prêmio Nobel da Paz, juntamente com Yitzhak Rabin e Shimon Peres, pelas negociações em Oslo. Na época, o apoio do Fatah entre os palestinos diminuiu com o crescimento do Hamas e de outros rivais militantes. No final de 2004, depois de ser efetivamente confinado em seu complexo de Ramallah por mais de dois anos pelo exército israelense, Arafat entrou em coma e morreu. Embora a causa da morte de Arafat tenha permanecido objeto de especulação, investigações de equipes russas e francesas determinaram que nenhum crime estava envolvido.[5][6][7]

Arafat continua a ser uma figura controversa. Os palestinos geralmente o veem como um mártir que simbolizava as aspirações nacionais de seu povo. Os israelenses o consideravam um terrorista. Rivais palestinos, incluindo islâmicos e vários esquerdistas da OLP, frequentemente o denunciaram como corrupto ou muito submisso em suas concessões ao governo israelense.[8][9][10][11]

Referências

  1. Encyclopedia of the Modern Middle East & North Africa: A-C, Philip Mattar, page 269, quote: Arafat and his family have always insisted that he was born 4 August 1929. in his mother's family home in Jerusalem. Nevertheless, an Egyptian birth registration exists, suggesting that he was born in Egypt on 24 August 1929– His father had ...
  2. Gowers, André ; Tony Walker (2005). Arafat: A Biografia . Livros Virgens. ISBN 978-1-85227-924-0
  3. Rubin, Barry M.; Rubin, Judith Colp (2003). Yasir Arafat : a political biography. Internet Archive. [S.l.]: New York : Oxford University Press 
  4. Sela, Avraham . "Arafat, Yasser." A Enciclopédia Política Continuum do Oriente Médio . Ed. Sela. Nova York: Continuum , 2002. pp. 166-171
  5. «Yasser Arafat: French rule out foul play in former Palestinian leader's death». The Guardian. 16 de março de 2015 
  6. «France drops investigation into Arafat's death». The Jerusalem Post. 2 de setembro de 2015 
  7. «Yasser Arafat investigation: Russian probe finds death not caused by radiation». CBS News. 26 de dezembro de 2013 
  8. Major Richard D. Creed Jr., Eighteen Years In Lebanon And Two Intifadas: The Israeli Defense Force And The U.S. Army Operational Environment, Pickle Partners Publishing, 2014 p.53.
  9. As'ad Ghanem Palestinian Politics after Arafat: A Failed National Movement:Palestinian Politics after Arafat, Indiana University Press, 2010 p.259.
  10. Kershner, Isabel (4 de julho de 2012). «Palestinians May Exhume Arafat After Report of Poisoning». The New York Times. Consultado em 5 de agosto de 2012 
  11. Hockstader, Lee (11 de novembro de 2004). «A Dreamer Who Forced His Cause Onto World Stage». The Washington Post 

Ligações externasEditar

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Yasser Arafat
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Yasser Arafat

Precedido por
Nelson Mandela e Frederik Willem de Klerk
Nobel da Paz
1994
com Shimon Peres e Yitzhak Rabin
Sucedido por
Joseph Rotblat e Conferências Pugwash sobre Ciência e Negócios Mundiais