Yavanna Kementári

Yavanna
Descrição ficcional
Nascimento Antes da criação de Arda
Morte Imortal
Família Irmã de Vána, mulher de Aulë

Yavanna Kementári é uma personagem fictícia da obra O Silmarillion, de J. R. R. Tolkien. Yavanna — a Rainha da Terra — é uma Valië, um espirito divino criado pela vontade de Eru Ilúvatar e, consequentemente, irmã mais velha de Vána e esposa de Aulë. No panteão de Tolkien, é a deusa de Kelvar (Fauna) e Olvar (Flora).[1][2] Criou todas as árvores e todos os animais. Suas mais belas obras foram as árvores que posteriormente dão origem ao Sol e à Lua. Destas árvores veio a luz das Silmarils. Em uma das línguas criadas por Tolkien, seu nome significa "Doadora de Frutos".

EtimologiaEditar

O nome Yavanna em quenya, uma das línguas criadas pelo autor, significa "Doadora de Frutos". O nome é um composto das palavras élficas (Quenya) "Yavé", que significa 'Fruta' e "anna", que significa 'Presente'.[1] Seu sobrenome Kementári é traduzido como "Rainha da Terra". O nome de Yavanna em sindarin seria Ivan.[3] Outra versão para seu nome seria Palúrien, que aparece somente em The Book of Lost Tales, de 1990.[4]

LiteraturaEditar

"[...] Yavanna, a Provedora de Frutos. Ela ama todas as coisas que crescem na terra; e guarda na mente todas as suas incontáveis formas, das árvores semelhantes a torres nas florestas primitivas ao musgo sobre as pedras ou aos seres pequenos e secretos que vivem no solo. Em reverência, Yavanna vem logo após Varda entre as Rainhas dos Valar. Na forma de mulher, ela é alta e se traja de verde; mas às vezes assume outras formas. [...] Kementári, Rainha da Terra, é seu sobrenome na língua eldarin."

O Silmarillion, Capítulo 2, "Valaquenta"

Criação e desenvolvimentoEditar

J. R. R. Tolkien mencionou Yavanna pela primeira vez na "Música dos Ainur", versão original de "Ainulindalë",[5] que foi incluída em The Book of Lost Tales após sua composição entre novembro de 1918 e a primavera de 1920. A história contada, além da criação de Arda por Ilúvatar e os Ainur, uma descrição destes últimos, e sua descida para o mundo inclui dar-lhe forma e se preparar para a chegada dos elfos e homens, que estava a tornar-se "Valaquenta" e os primeiros capítulos de "Quenta Silmarillion".[6]

Dentro da passagem dedicada à entrada dos Valar no mundo e não mantida posteriormente, Tolkien diz que Yavanna veio ao mundo para acompanhar o marido Aulë e que eles eram os espíritos das árvores, dos vales, das encostas das florestas e montanhas, que recebem outros nomes como goblins, fadas ou leprechauns. Esta série de espíritos menores mais tarde se tornariam os Maiar, eliminando o elemento de fadas. Seu nome original aqui é Palúrien, em vez de Kementári. Outra diferença notável é o aparecimento de Oromë como seu filho.[4]

Referências

  1. a b Fauskanger, Helge K. «English - Quenya» (PDF) (em inglês). ambar-eldaron.com. Consultado em 9 de janeiro de 2015 
  2. Tolkien, J. R. R. (1977). «"Valaquenta: Of the Valar"». In: Tolkien, Christopher. The Silmarillion (em inglês). Boston: Houghton Mifflin. ISBN 0-395-25730-1 
  3. Tolkien, J. R. R. (1996). Tolkien, Christopher, ed. The People of Middle Earth (em inglês). Boston: Houghton Mifflin. p. 404 
  4. a b Tolkien, J. R. R. (1990). Tolkien, Christopher, ed. The Book of Lost Tales (em inglês). 1. Boston: Houghton Mifflin 
  5. Lee Eden, Bradford (2014). The Hobbit and Tolkien's Mythology: Essays on Revisions and Influences. Jefferson, NC: McFarland. p. 115. ISBN 0786479604 
  6. Harvey, Greg (2011). The Origins of Tolkien's Middle-earth For Dummies (em inglês). Hoboken, NJ: John Wiley & Sons. ISBN 111806898X