Á lus do candil, subtitulada Contos a carón do lume, é a primeira obra narrativa do escritor galego Ánxel Fole, editada por Editorial Galaxia em 1953.

ArgumentoEditar

Quatro fidalgos ilhados pela neve numa torre da Serra do Courel passam as noites contando contos a luz do candil. Os contos falam de lobos, de premonições e de aparecidos.

"Terra de Caurel, aspra e forte, de inxente beleza... Terra brava de lobos e águias; terra outa de fragas e devesas."

EstruturaEditar

Depois do limiar, de Salvador Lorenzana,[1] esta é a lista dos quinze relatos que compõem o livro:

  • Terra do Caurel.
  • ¡Viña do alén!
  • Os Lordanas.
  • A caixa de morto.
  • Arxemiro.
  • ¡Aleluia!
  • O documento.[2]
  • O espello.
  • Antón de Cidrán.
  • Os difuntos falaban castelao.
  • A cabana do carboeiro.
  • O traxe de meu tío.
  • As meigas atinan sempre.
  • O tesouro.

Referências

  1. Pseudónimo de Francisco Fernández del Riego
  2.   Voluntarios lendo fragmentos [1] [2] na páxina da AELG.

Ligações externasEditar


  Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.