Ábaco mental

Ábaco mental é um sistema de cálculo em que os usuários visualizam mentalmente um ábaco para fazer cálculos matemáticos.[1]

Nenhum ábaco físico é usado; apenas as respostas são escritas.

Os cálculos podem ser feitos com grande velocidade dessa maneira.

Por exemplo, no evento Flash Anzan no All Japan Soroban Championship, o campeão Takeo Sasano conseguiu adicionar quinze números de três dígitos em apenas 1,7 segundos.[2][3]

O ábaco usado para desenvolvimento da versão mental são as versões orientais que se parecem com o ábaco usado no Império Romano, em especial o soroban, por serem capazes de representar números gigantescos, equivalendo cada coluna, da direita para a esquerda, a uma casa decimal, começando nas unidades, dezenas, centenas, milhares, dezenas de milhares, etc, além da linha acima das colunas normais que, no caso do soroban, da direita para a esquerda, representa o número 5, 50, 500, 5000 e assim por diante.[4][5]

O uso diário por 2 ou 3 anos do ábaco físico costuma dar a seus usuários a capacidade de fazer cálculos usando o ábaco mental.[6]

Esta habilidade é muito parecida com a de pessoas que fizeram curso de datilografia em máquinas de escrever ou em teclados de computador, uma vez que se domina a posição das teclas não é necessário ficar olhando para saber onde estão as mesmas, ou até mesmo o não uso de tais equipamentos não impede de alguém utilizar os dedos corretamente ao simular digitar um texto, por exemplo.[7][8]

Muitos usuários veteranos e prolíficos de ábaco na China, Japão, Coreia do Sul e outros que usam o ábaco diariamente, naturalmente tendem a não usar mais o ábaco físico, mas realizam cálculos visualizando o ábaco mentalmente.[4]

Isso foi verificado quando se mediu a atividade aumentada por meio de EEG no hemisfério cerebral direito ao calcular e comparou com cérebros de não veteranos que estavam usando o ábaco físico para realizar cálculos.[9][10][11]

Este sistema está sendo propagado na China,[12] Índia, Cingapura, Coréia do Sul, Tailândia, Malásia e Japão.

Por lá são usados ábacos orientais como o suanpan, soroban ou derivados.

Diz-se que o cálculo mental melhora a capacidade mental, aumenta a velocidade de resposta, o poder da memória e o poder de concentração.[13][14]

Estes ábacos podem ser usados para realizar adição, subtração, divisão e multiplicação; também podem ser usados para extrair raízes quadradas e raízes cúbicas.

Orientais que utilizam o ábaco oriental são muito mais rápidos que ocidentais mesmo que usem calculadoras para chegar aos mesmos resultados matemáticos.[15][16]

No Ocidente, o ábaco é conhecido há muito tempo, há relatos de seu uso entre os gregos em 300 a.C. e era uma ferramenta de cálculo muito comum no Império Romano, porém atualmente é um instrumento bastante negligenciado como ferramenta de ensino da matemática no ocidente.[17]

Por conta da chegada ao ocidente de informações a respeito de orientais altamente habilidosos com matemática, movimentando as próprias mãos de maneira "estranha",[4] dado ao fato da grande habilidade deles em fazer cálculos matemáticos extremamente precisos e rápidos usando a versão mental do ábaco, este instrumento vem se tornando novamente interessante para o ensino da matemática nas escolas ocidentais, despertando cada vez mais adeptos e defensores do seu uso no Ocidente.[18]

Tem sido cada vez mais comuns em escolas ocidentais (principalmente as particulares) o uso de ábaco para desenvolvimento das habilidades matemáticas dos alunos.[19]

Veja tambémEditar

Referências

  1. «Research on the benefits of mental abacus for development» 
  2. Soroban All in the mind - Legendado - Supera, consultado em 6 de fevereiro de 2020 
  3. Alex Bellos (2012), «World's fastest number game wows spectators and scientists», The Guardian 
  4. a b c Chinese students swing left hands to compete in fast calculation, consultado em 6 de fevereiro de 2020 
  5. «Os benefícios para o cérebro com a prática do ábaco». SUPERA - Ginástica Cerebral. 29 de setembro de 2011. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  6. Júlia, Ana (23 de setembro de 2010). «Ensine seu filho: Cálculo Mental Super Rápido é Possível!!!». Ensine seu filho. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  7. Reis, Diogo (22 de maio de 2017). «Profissão esquecida? Conheça a Datilografia, especialistas em escrita». Folha de Valinhos. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  8. «Como Aprender a Digitar sem Olhar». wikiHow. Consultado em 6 de fevereiro de 2020 
  9. Ku, Yixuan; Hong, Bo; Zhou, Wenjing; Bodner, Mark; Zhou, Yong-Di (4 de maio de 2012). «Sequential Neural Processes in Abacus Mental Addition: An EEG and fMRI Case Study». PLoS ONE. 7 (5). ISSN 1932-6203. PMC 3344852 . PMID 22574155. doi:10.1371/journal.pone.0036410 
  10. Huang, Jian; Du, Feng-lei; Yao, Yuan; Wan, Qun; Wang, Xiao-song; Chen, Fei-yan (Agosto de 2015). «Numerical magnitude processing in abacus-trained children with superior mathematical ability: an EEG study». Journal of Zhejiang University. Science. B. 16 (8): 661–671. ISSN 1673-1581. PMC 4534543 . PMID 26238541. doi:10.1631/jzus.B1400287 
  11. «Sequential Neural Processes in Abacus Mental Addition: An EEG and fMRI Case Study». PLOS ONE (em inglês). 7 (5): e36410. Maio de 2012. ISSN 1932-6203. doi:10.1371/journal.pone.0036410 
  12. «(Chinese)Teaching Kids Visit to use abacus for mental calculation» 
  13. Kardoudi, Omar (9 de janeiro de 2015). «Estas crianças fazem cálculos balançando os dedos no ar». Gizmodo Brasil. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  14. Introduction of Abacus and Mental Arithmetic Programme part 1, consultado em 6 de fevereiro de 2020 
  15. «Desvendando o Soroban - Tradição - Made in Japan». web.archive.org. 12 de fevereiro de 2009. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  16. Fantástico: Soroban, a "calculadora" japonesa - 05/1994, consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  17. «Origem do ábaco». escola.britannica.com.br. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  18. «Crianças resolvem cálculos matemáticos usando ábacos imaginários». www.tecmundo.com.br. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  19. «Ganhe agilidade mental com o ábaco». SUPERA - Ginástica Cerebral. 2 de julho de 2014. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 

Ligações externasEditar