Emile Verhaeren (Saint-Amand, 21 de Maio de 1855 - Ruão, 27 de Novembro de 1916) foi um poeta belga de expressão francesa.

Émile Verhaeren
Émile Verhaeren
Portrait d'Émile Verhaeren par Théo Van Rysselberghe (1915).
Nascimento Émile Adolphe Gustave Verhaeren
21 de maio de 1855
Sint-Amands
Morte 27 de novembro de 1916 (61 anos)
Ruão (França)
Sepultamento tomb of Emile Verhaeren and Marthe Verhaeren
Cidadania Bélgica
Cônjuge Marthe Massin
Alma mater
  • Universidade Católica de Lovaina
  • Antiga Universidade de Lovaina
  • Sint-Barbaracollege
Ocupação escritor, poeta, dramaturga
Prêmios
  • Taylorian Lecture
Causa da morte acidente ferroviário
Assinatura

Foi autor de contos, peças de teatro e crítica literária, além de poesia, evoluiu do naturalismo (As Flamengas, 1883) para um misticismo que o levou a uma crise espiritual (Tochas Negras, 1890).

  • Les Flamandes (1883)
  • Les moines (1886)
  • Les soirs (1888)
  • Les débâcles (1888)
  • Les flambeaux noirs (1891)
  • Les campagnes hallucinées (1893)
  • Les villes tentaculaires (1895)
  • Les visages de la vie (1899)
  • Les forces tumultueuses (1902)
  • La multiple splendeur (1906)
  • Les rythmes souverains (1910)
  • Les ailes rouges de la guerre (1916)
  • Toute la Flandre (1904 - 1911)
  • Les heures (trilogia) (1896, 1905, 1911)
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.