10.000 a.C.

10,000 BC (bra/prt: 10.000 a.C.)[2][3][4] é um filme neozelando-estadunidense de 2008, dos gêneros drama e aventura, dirigido por Roland Emmerich, com roteiro dele e Harald Kloser.[3]

10.000 a.C.
'10,000 BC'
Cartaz promocional
 Estados Unidos
 Nova Zelândia
cor •  109 min 
Direção Roland Emmerich
Produção
Roteiro
Gênero
Música
  • Harald Kloser
  • Thomas Wanker
Cinematografia Ueli Steiger
Direção de arte
  • Robin Auld
  • Michael Berg
  • Jules Cook
  • Hayley Easton
  • Fleur Whitlock
  • Marc Homes
Figurino
Edição Alexander Berner
Companhia(s) produtora(s) Centropolis Entertainment
Legendary Pictures
Distribuição Warner Bros. Pictures
Idioma fictício
Orçamento US$ 105 milhões[1]
Receita US$ 269.784.201[1]

A trama se passa entre o período entre o Paleolítico e o Neolítico e descreve as jornadas de uma tribo de caçadores de mamutes.

SinopseEditar

Numa era em que o poderoso mamute vagava pelas terras da Europa, um caçador lidera um grupo através de um imenso deserto, enfrentando grandes predadores, como o tigres-de-dentes-de-sabre, para encontrar o esconderijo de outra tribo, cujo líder raptou a mulher que ele ama.[4]

ElencoEditar

DesenvolvimentoEditar

Sons e efeitos visuaisEditar

Os mamutes do filme foram baseados em elefantes e fósseis de mamutes, enquanto o gato de dentes de sabre era baseado em tigres e ligres (um híbrido de leão / tigre).[5]

Os sons produzidos pelo tigre-dentes-de-sabre no filme são baseados na vocalização de tigres e leões.[6]

Escolha do elencoEditar

Emmerich abriu audições no final de outubro de 2005. Em fevereiro de 2006, Camilla Belle e Steven Strait foram anunciados para estrelar o filme, com Strait como o caçador de mamutes e Belle como seu par romântico. Emmerich decidiu que a seleção de atores bem conhecidos distrairia a sensação realista do cenário pré-histórico. "Se assim fosse, Jake Gyllenhaal apareceu em um filme como esse, todo mundo diria 'O que é isso?'", Explicou: A seleção de atores desconhecidos também ajudou a manter um pequeno orçamento.[7]

ProduçãoEditar

Na Wondercon de 2008, Emmerich mencionou a ficção de Robert E. Howard como principal influência para o cenário do filme, bem como seu amor pelo filme A Guerra do Fogo e pelo livro Fingerprints of the Gods.[8]

O diretor Roland Emmerich e o compositor Harald Kloser escreveram originalmente um roteiro para 10.000 B. C. Quando o projeto recebeu o sinal verde da Columbia Pictures, o roteirista John Orloff começou a trabalhar em um novo rascunho do roteiro original. A Columbia Pictures, da Sony Pictures Entertainment, abandonou o projeto devido a um calendário de lançamentos movimentado, e a Warner Bros. pegou o projeto deixado pela Sony.[9] O roteiro passou por uma segunda revisão com Matthew Sand e uma revisão final com Robert Rodat.[10]

A produção começou no início de 2006 na África do Sul e Namíbia.[10] As filmagens do local também ocorreram no sul da Nova Zelândia[11] e na Tailândia. Antes do início das filmagens, a produção havia passado dezoito meses em pesquisa e desenvolvimento de imagens geradas por computador. Duas empresas recriaram animais pré-históricos. Para reduzir o tempo (levava dezesseis horas para renderizar um único quadro), 50% do pslo dos modelos CGI foi removido, pois "o resultado era metade do pelo parecido com o mesmo" para o diretor.

LinguagemEditar

Emmerich rejeitou fazer o filme em um idioma antigo (semelhante a A Paixão de Cristo ou Apocalypto), decidindo que não seria tão emocionalmente envolvente. [12]

O coach de dialeto Brendan Gunn foi contratado por Emmerich e Kloser para criar "meia dúzia" de idiomas para o filme.[13] Gunn afirmou que colaborou informalmente com Steven Strait para improvisar como seriam os idiomas.[14]

Equívocos históricosEditar

Uma pirâmide, mamutes e um tigre-dentes-de-sabre: elementos de épocas e lugares distintos aparecem no filme.


A história deveria ocorrer no final do Pleistoceno, mas deve ter lugar no Dryas recente, de acordo com bases na história. No entanto, é um Pleistoceno fictício, de acordo com a admissão do próprio Kloser: "Nem Roland nem eu jamais imaginamos que o filme poderia ser um documentário".[15] Assim, o filme apresenta muitos anacronismos e outras falsidades históricas.

A evocação dos egípcios também não é fiel à realidade histórica, embora essa civilização não seja citada como tal no filme. Os pseudo-egípcios do filme, que poderiam facilmente evocar a mítica civilização atlante, construíram altas pirâmides levando em consideração a constelação de Órion: o faraó mencionado pode ser comparado a Quéops. No entanto, com base nessa hipótese, a pirâmide de Quéops foi construída apenas entre 2551 e 2472 a.C., aproximadamente e de modo algum em 10.000 a.C.[16]

Os mamutes desapareceram apenas durante a última Era do Gelo, como o filme não mostra, eles são representados lá, no entanto, apenas com um tamanho muito grande (aproximadamente 6 m) e assustados com a homem em um grupo de caça. Havia espécies gigantescas, como o mamute-imperial e o mamute da América do Norte, mas o mamute comum era pouco maior que o atual elefante-asiático, com uma altura na cernelha de apenas 3,50 m. Não há evidências concretas de que os mamutes tenham vivido no vale do Nilo ou que tenham sido domesticados;[17] no entanto, há uma suposta representação de mamutes em uma tumba egípcia.[18]

O milho é uma espécie importada da América pelos europeus no século XVI, mas no final do filme, os homens cultivam essa planta. A horda belicosa monta cavalos aproveitados. A domesticação do cavalo data apenas de 7000 a.C. (3000 anos depois), na Península arábica, mas possivelmente 2.000 anos antes dos eventos relatados (ou 12000 a.C.), tornando plausível a ascensão dos cavaleiros para 1600 a.C., pelos assírios, mas o sistema de guia (rédeas e bocados) e sela não foi comprovado antes da Antiguidade,[19] o cavalo sendo apenas uma fonte de carne ou pele.

TemáticasEditar

 
O autointitulado "Todo-Poderoso" pode ter vindo do continente hipotético de Atlântida.

O filme é inspirado nas teorias do jornalista britânico Graham Hancock, desenvolvidas em seu ensaio Fingerprint of God. Segundo esse autor, uma civilização de alto nível científico e cultural teria sido destruída milhares de anos antes da construção das pirâmides do Egito.[8]

No filme, essa civilização seria Atlântida. Este continente também é evocado no filme quando um escravo diz que seus deuses chegaram pelas estrelas ou pelas águas, depois que suas terras foram tragadas pelas águas. O filme também se refere às pirâmides do Egito, em particular a grande pirâmide de Quéops, em Gizé, mas também à Esfinge ou ao mistério da constelação de Órion, cujo desenho é retomado pelas cicatrizes de Evolet.

Encontramos o tema do deus místico que escraviza os povos do deserto em Stargate, outro filme de Roland Emmerich.[20] Stargate se baseia na teoria dos astronautas antigos, que acredita que essas civilizações da Antiguidade se desenvolveram por causa de alienígenas,[21] a teoria se popularizou com o livro Eram os Deuses Astronautas? de Erich von Däniken.[22]

RecepçãoEditar

Com um orçamento de 105 milhões de dólares, o filme arrecadou US$269.784.201 mundialmente em bilheterias.[1] Foi recebido de forma negativa pela crítica especializada, obtendo uma média de 8% de aprovação no Rotten Tomatoes, que se baseou em 142 resenhas.[23]

Referências

  1. a b c «10,000 B.C.». Box Office Mojo. Consultado em 14 de julho de 2012 
  2. «10.000 a.C.». Brasil: AdoroCinema. Consultado em 1 de março de 2021 
  3. a b «10.000 a.C.». Brasil: CinePlayers. Consultado em 1 de março de 2021 
  4. a b «10.000 a.C.». RTP. Consultado em 1 de março de 2021 
  5. «Inside '10,000 BC'» (em inglês). 6 de março de 2008 
  6. «10,000 B.C. – Exclusive Interview with Supervising Sound Editors Simon Gershon and Jeremy Price» (em inglês) 
  7. Adam Smith (January 2008). "News Etc". Empire. p. 16.
  8. a b «WonderCon 2008: Day 2 - Part 1!» (em inglês). 24 de fevereiro de 2008 
  9. «Warners goes on time trek - Entertainment News, Los Angeles, Media - Variety». 26 de novembro de 2010 
  10. a b Borys Kit (27 de fevereiro de 2006). "Strait, Belle fight for mankind". The Hollywood Reporter.
  11. «Principal Photography Commences on the Epic Adventure ``10,000 B.C., Directed by Roland Emmerich for Warner Bros. Pictures» (em inglês). 9 de maio de 2006 
  12. «Exclusive CS Featurette: 10,000 BC». ComingSoon.net. 5 de março de 2008 
  13. «Steven – Online II Press Archive». 21 de janeiro de 2010 
  14. Gunn, Brendan (13 de janeiro de 2008). «How I told Brad Pitt to mind his language» (em inglês). ISSN 0307-1235 
  15. «Way out of the past» (em inglês). 7 de março de 2008 
  16. Shostak, Seth (20 de outubro de 2011). «Can our heroes survive the carnivorous ostriches?». SETI 
  17. «Yahoo! Movies Presents: The 10 Most Historically Inaccurate Movies Yahoo! Movies». Movies.yahoo.com. Consultado em 26 de abril de 2009 
  18. Rosen, Baruch (junho de 1994). «Mammoths in ancient Egypt?». Nature. 369 (6479): 364–364. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/369364b0 
  19. «Cheval et équitation dans l'Antiquité ; Les débuts» (PDF). 26 de março de 2012 
  20. «Versione Stampabile | Blu-ray: 10.000 AC | AV Magazine» 
  21. «Egípcios Astronautas?» 
  22. Spry, Jeff (6 de dezembro de 2017). «Legendary UFO expert Erich Von Daniken on his Chariots of the Gods at 50» (em inglês) 
  23. «10,000 B.C.». Rotten Tomatoes. Consultado em 14 de julho de 2012