A26 (autoestrada)


A 26 - Autoestradas de Portugal
Nome: Autoestrada do Baixo Alentejo
Traçado actual: Sines - Relvas Verdes
Traçado previsto: Sines - Beja
Tráfego médio diário: {{{TMD}}} Ano: {{{TMD_ano}}}
A 26
9 (28)
Cruza com: Concessionário: Regime:
 A 2  ,  A 26-1  ,  IC 1  ,  IC 33 , N 2 , N 121, N 259, N 261 , N 261-3 Estradas da Planície
Gratuito (9 km)
Portagens físicas (19 km)[1]
Mapa do traçado actual da auto-estrada A 26.

A A 26  – Autoestrada do Baixo Alentejo é um projeto de construção de uma autoestrada. Quando construída, estará integrada no itinerário IP 8  em toda a sua extensão, e no IC 33 no troço entre Santiago do Cacém e Roncão.

Quando concluída, esta autoestrada fará a ligação entre as cidades de Sines e Beja, passando por Santiago do Cacém e Ferreira do Alentejo. Era suposto desempenhar um duplo papel: por um lado, no escoamento de produtos do porto e da refinaria de Sines, e por outro na aproximação da cidade de Beja e do seu aeroporto à autoestrada  A 2  e, por conseguinte, à capital Lisboa.

Os únicos troços construídos desta autoestrada localizam-se entre Sines e Relvas Verdes e entre a saída de Grândola Sul da autoestrada  A 2  e Figueira de Cavaleiros.

A  A 26  será, num futuro indeterminado, expandida até Beja, através de um troço com portagens que iria cruzar as paisagens do Baixo Alentejo. O final das obras estava previsto inicialmente para Setembro de 2012, mas o aparecimento de problemas relativos ao financiamento das mesmas no final de 2011 [2] atrasou os prazos previstos, tendo a conclusão da empreitada sido adiada pelo menos até 2016. Tal coisa não aconteceu, e atualmente as obras estão canceladas. Está prevista a abertura da  A 26  no PNI2030.

HistóriaEditar

  • Em 2009-07-31, foi lançada a empreitada do lanço A, a ligação Nó de Roncão (IC33)/Nó de Grândola Sul (IP1).[3]
  • A 2010-08-31, foi anunciado que a construção do IP 8, uma ligação rodoviária entre Sines e Beja com perfil de auto-estrada e portagens, já teria começado.[3] A obra representava um investimento de 257 milhões de euros, e a sua abertura ao tráfego estava prevista para 2012.[3]
  • A 2011-12-19, o secretário de Estado das Obras Públicas Sérgio Silva Monteiro reconheceu que à data havia trabalhos suspensos nas obras da subconcessão Baixo Alentejo, devido à “dificuldade” da concessionária, o consórcio Estradas da Planície, em obter financiamento junto dos bancos, um problema ao qual Estado seria “completamente alheio”.[2]
  • A 2012-09-18, a Estradas de Portugal anunciou que chegou a acordo com o consórcio Estradas da Planície relativamente à subconcessão do Baixo Alentejo. Este acordo traduziu-se na retirada da subconcessão e suspensão dos trabalhos de construção dos lanços entre Relvas Verdes e Grândola, e entre Santa Maria do Sado e Beja.[4]
  • A 2012-12-16, a Estradas de Portugal (EP) descreveu a decisão de construir a autoestrada A26 como "um equívoco técnico", porque "o tráfego previsto não justificava a criação de uma autoestrada dispendiosa para ficar literalmente sem trânsito".[5] A EP também referiu os 35 milhões de euros gastos até à data não foram "dinheiro investido", "mas sim fundos mal aplicados, que nunca trariam qualquer benefício significativo à economia".[5] Sobre o cancelamento das obras, a EP referiu que permitiu poupar "cerca de 60 milhões de euros" aos contribuintes.[5]
  • A 2019-02-13, a Infraestruturas de Portugal anunciou um prazo até 14 de março para o começo da realização das obras na praça de portagem de Grândola, para a inauguração do troço Grândola sul - Figueira de Cavaleiros, por parte da concessionária Brisa. Se a obra não avançasse até 14 de março, o Governo tomaria posse desta.[6]

Estado dos troçosEditar

Troço Situação (2020) km[7] Inauguração Concessão
Sines - Relvas Verdes Em serviço. 
9
Década de 1970/1980?
Baixo Alentejo
Relvas Verdes - Roncão Construção cancelada por alegado equívoco técnico. Abertura no PNI2030.
14,6
--
--
Roncão - Grândola sul ( A 2  ) Construção cancelada por alegado equívoco técnico. Abertura no PNI2030.
22,4
--
--
Grândola sul ( A 2  ) - Figueira dos Cavaleiros Construção do troço completa; pendente da conclusão das obras na praça de portagens da A2.
18,7
Previsão: Abril 2020
Baixo Alentejo
Figueira dos Cavaleiros - São Brissos Construção cancelada por alegado equívoco técnico. Abertura no PNI2030.  
27,1
--
--
São Brissos - Beja Construção cancelada por alegado equívoco técnico. Abertura no PNI2030.  
~ 4,3
--
--

PerfilEditar

Troço Perfil Extensão
Sines - Santiago do Cacém (oeste)
 
9 km
Santiago do Cacém (oeste) - São Brissos (Beja)
 
X 83 km

Nós de ligaçãoEditar

Sines - BejaEditar

Número da Saída km Destinos Estrada que liga
  0 Sines
  1 0 Sines (centro)
  2 3 Sines (sul)
Vila Nova de Santo André
N 120-4
 A 26-1 
  3 5 Barbuda N 261-3
  4 10 Monte da Boavista
  10 direcção
Grândola
 IC 33 
Santiago do Cacém / Grândola
  X 12 Santiago do Cacém (oeste)
Relvas Verdes
N 261-3
  X 17 Santiago do Cacém (norte)
Santo André
N 261
  X 20 Santa Cruz
Ademas
  X 26 Roncão
Grândola
 IC 33 
 Grândola/Figueira de Cavaleiros
  48 Grândola / Ourique
Lisboa / ALGARVE
 IC 1 
 A 2 
  9 48 Grândola / Ourique
Lisboa / ALGARVE
 IC 1 
 A 2 
  10 55 Santa Margarida do Sado N 259
    60 direcção
Beja
IP8 / N 259
Figueira de Cavaleiros/Beja
  X 67 Figueira dos Cavaleiros N 259
  X 75 Ferreira do Alentejo
Odivelas
N 2
  X 89 Beringel N 121
  X 94 São Brissos
Beja
aeroporto
N 121

Áreas de ServiçoEditar

  •   X Área de Serviço de Santiago do Cacém (construção cancelada, km 22)
  •   X Área de Serviço de Ferreira do Alentejo (construção cancelada)

Ligações externasEditar

  1. Relatório de Conformidade Ambiental (RECAPE) da A 26 - Sines / Santiago do Cacém (Nó de Relvas Verdes) - [1][ligação inativa]
  2. Relatório de Conformidade Ambiental (RECAPE) da A 26 - Santiago do Cacém (Nó de Relvas Verdes) / Nó de Roncão - [2]
  3. Relatório de Conformidade Ambiental (RECAPE) da A 26 - Nó do Roncão / Grândola Sul - [3]
  4. Relatório de Conformidade Ambiental (RECAPE) da A 26 - Grândola Sul / Figueira dos Cavaleiros - [4]
  5. Relatório de Conformidade Ambiental (RECAPE) da A 26 - Figueira dos Cavaleiros / São Brissos (Beja) - [5]
  6. Resumo Não-Técnico do Estudo de Impacto Ambiental da A 26 - São Brissos / Beja e do IP 8 - Beja / Baleizão - [6][ligação inativa]

ReferênciasEditar

  1. O troço entre Figueira de Cavaleiros e Grândola terá portagens físicas.
  2. a b «Obras suspensas na A26 e no IP2 no Baixo Alentejo por "dificuldade" da concessionária em obter financiamento». Público. 19 de dezembro de 2011. Consultado em 31 de março de 2014 
  3. a b c «Auto-estrada entre Sines e Beja abre em 2012». Oje. 31 de agosto de 2010. Consultado em 31 de março de 2014 
  4. «Governo abandona autoestrada entre Sines e Beja». Diário do Alentejo. 21 de setembro de 2012. Consultado em 31 de março de 2014 
  5. a b c «Construção da A26 entre Sines e Beja foi equívoco técnico». Diário de Notícias. 16 de dezembro de 2012. Consultado em 28 de fevereiro de 2018 
  6. «Obra da portagem da A26 em Ferreira do Alentejo deverá começar até 14 de março - Rádio Campanário». www.radiocampanario.com. Consultado em 17 de março de 2019 
  7. Diagrama da Subconcessão Baixo Alentejo (PDF) (Relatório). MOPTC - Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações. Abril de 2008. Consultado em 13 de março de 2020