Abrir menu principal

A Grande Família (1972)

Seriado Clássico Brasileiro
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de A Grande Família, veja A Grande Família (desambiguação).
A Grande Família 
Informação geral
Formato Série
Gênero Comédia de costumes
Duração 40 minutos
Criador(es) Oduvaldo Vianna Filho
Armando Costa
País de origem  Brasil
Idioma original (português brasileiro)
Produção
Diretor(es) Milton Gonçalves (1972)
Paulo Afonso Grisolli
Produtor(es) Daniel Filho
Câmera José Alcântara
Hélio Pol
Jorge Luiz
Ricardo Gonzaga
Ailton Roberto
Orlando Carvalho
Roteirista(s) Max Nunes
Roberto Freire
Paulo Pontes
Elenco Eloísa Mafalda
Brandão Filho
Jorge Dória
Paulo Araújo
Osmar Prado
Luiz Armando Queiroz
Djenane Machado (1972)
Maria Cristina (1973-1975)
Tema de abertura "A Grande Família"
Tom e Dito
Exibição
Emissora de televisão original Rede Globo
Formato de exibição PAL-M
Transmissão original 26 de outubro de 1972 - 27 de março de 1975
N.º de temporadas 4
N.º de episódios 112
Cronologia
A Grande Família (2001-2014)
Programas relacionados All in the Family

A Grande Família é uma série de televisão brasileira produzida pela Rede Globo e exibida entre 26 de outubro de 1972 a 27 de março de 1975, às 21h00, tendo totalizado 112 episódios. riginalmente os primeiros episódios foram baseados no seriado estadunidense All in the Family, porém logo na primeira temporada viu-se a necessidade de transforma-lo em algo que retratasse a rotina do subúrbio tipicamente brasileiro. Foi criado por Oduvaldo Vianna Filho e Armando Costa, com roteiros de Max Nunes, Roberto Freire e Paulo Pontes, dirigida na primeira temporada por Milton Gonçalves e depois por Paulo Afonso Grisolli.

A narrativa dos episódios se concentrava numa família sempre muito unida, que tentava, à sua maneira, sobreviver às dificuldades financeiras e de relacionamento. As críticas sociais eram feitas de forma muito criativa, na tentativa de driblar a censura da época, embora nem sempre fosse possível fugir dos cortes implacáveis dos censores.

EnredoEditar

Lineu é casado com Irene, que é mais conhecida como Dona Nenê. Eles tem três filhos, Júnior, um estudante com visões revolucionárias do mundo; Tuco, um hippie que aproveita ao máximo sua liberdade, o que o leva a ter dificuldades de manter um emprego; e Bebel, uma moça mimada, casada com o malandro Agostinho, que é garçom de um motel. Com eles também vive o Vovô, um homem aposentado que passa o dia todo dormindo e às turras com os netos.

ProduçãoEditar

Em 1972 a direção da Rede Globo decidiu criar uma versão do seriado estadunidense All in the Family, que retratasse a vida de uma família comum cheia de humorados conflitos. A série estreou no mesmo dia que Shazan, Xerife e Cia.. Após primeira temporada de 6 episódios foi duramente criticada pelo público, que não se via retratada nas situações adaptadas do programa estrangeiro. A emissora notou a necessidade de promover uma maior identificação do público com os personagens e toda a história foi reformulada para retratar o subúrbio brasileiro, sendo que Oduvaldo Vianna Filho e Armando Costa passaram a criar textos originais baseados na vivencia nacional, sob direção agora de Paulo Afonso Grisolli e tendo ainda roteiros de Roberto Freire e Max Nunes.

Para além disso, a família se mudou para um conjunto habitacional do subúrbio, onde eram abordados assuntos como o alto custo de vida, o desemprego e a falta de perspectivas para os jovens. O objetivo era aumentar os índices de audiência, que não estavam agradando à Rede Globo, e as mudanças surtiram efeito: em apenas dois meses a audiência do humorístico disparou,vindo finalmente o sucesso popular e a total adesão da crítica ao programa.[1] O programa foi ao ar todas as quintas - feiras e foram produzidos 112 episódios.

Mudanças na equipeEditar

Djenane Machado se negou a continuar no segundo ano da série, tendo se desagradado com a mudança de uma família de classe média para uma de subúrbio. A atriz foi substituída por Maria Cristina Nunes sem maiores explicações.[2] Em julho de 1974 Oduvaldo Vianna Filho faleceu de câncer e Paulo Pontes assumiu o cargo de redator principal ao lado de Armando. Porém, sem conseguirem continuar o trabalho de Oduvaldo, que retratava fielmente o povo brasileiro da classe operária, a série chegou ao fim no ano seguinte.[3] A série foi exibida a cores em seu último dia, que foi em 27 de março de 1975.

Especial de NatalEditar

Em 22 de dezembro de 1987, a Rede Globo exibiu um especial de Natal com A Grande Família, reunindo todo o elenco original e convidados especiais. O programa mostrava como estava a família doze anos depois, com o nascimento dos netos de Lineu e Nenê. Foi escrito por Marcílio Moraes e dirigido por Paulo Afonso Grisolli. O especial contou com a participação de Pedro Cardoso interpretando "Surrão", um namorado de Bebel. Ironicamente, Pedro Cardoso viveria 14 anos mais tarde o personagem Agostinho Carrara (marido de Bebel) na nova versão do seriado.

ElencoEditar

Referências

  1. «Memória Globo - Rede Globo». Consultado em 29 de Dezembro de 2010 
  2. «A Grande Família: Um lar unido e ouriçado». Memória no ar. 19 de julho de 2016. Consultado em 9 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 10 de dezembro de 2017 
  3. «A primeira versão de 'A Grande Família». Veja. 1 de outubro de 2016. Consultado em 9 de dezembro de 2017