A Paixão das Santas Perpétua e Felicidade

A paixão de santos Perpétua e Felicidade (em em latim: Passio sanctarum Perpetuae et Felicitatis) é um diário da Vida de Perpétua descreve sua prisão como cristã em 203, completada após sua morte por um redator.[1] É um dos textos cristãos primitivos mais antigos e notáveis.

Página de abertura da Paixão de Santos Perpétua e Felicidade em St. Gallen, Stiftsbibliothek, Cod. Cantou. 577, p. 165 (séculos IX/X).

Juntamente com as experiências de Perpétua e Felicidade, o texto também parece conter, em suas próprias palavras, os relatos das visões de Saturus, outro cristão martirizado com Perpétua. Um editor que afirma ser testemunha ocular acrescentou relatos dos sofrimentos e mortes dos mártires. Ele sobrevive nas formas latina e grega.[2]

Texto e conteúdoEditar

A visão tradicional era de que Perpétua, Felicidade e os outros foram martirizados devido a um decreto do imperador romano Septímio Severo (193-211). Isso se baseia em uma referência a um decreto que Severo emitiu proibindo conversões ao Judaísmo e ao Cristianismo, mas esse decreto é conhecido apenas de uma fonte, a História Augusta.[3]:184 O historiador da igreja primitiva Eusébio descreve Severo como um perseguidor, mas o apologista cristão Tertuliano afirma que Severo estava bem disposto para com os cristãos, empregava um cristão como seu médico pessoal e havia intervindo pessoalmente para salvar vários cristãos de nascimento conhecido pela multidão.:184 A descrição de Eusébio de Severo como perseguidor provavelmente deriva apenas do fato de numerosas perseguições terem ocorrido durante seu reinado, incluindo aquelas conhecidas no Mártirológio Romano como mártires de Madaura, bem como Perpétua e Felicidade na província romana da África, mas estas foram provavelmente como resultado de perseguições locais, em vez de impor amplas ações ou decretos de Severo.:185

Os detalhes dos martírios sobrevivem nos textos em latim e em grego. O relato de Perpétua sobre os eventos que levaram à morte, aparentemente históricos, está escrito na primeira pessoa. Uma breve introdução do escritor (capítulos I-II) é seguida pela narrativa e visões de Perpétua (III-IX) e a visão de Saturno (XI-XIII). O relato de suas mortes, escrito pelo autor que afirma ser uma testemunha ocular, está incluído no final (XIV – XXI).

O relato de Perpétua começa com um conflito entre ela e o pai, que deseja que ela renuncie à sua crença.[4] Perpétua recusa e logo é batizado antes de ser transferido para a prisão (III). Depois que os guardas são subornados, ela pode se mudar para uma parte melhor da prisão, onde ela amamenta seu filho e encarrega sua mãe e irmão (III), e a criança pode ficar na prisão com ela pelo por enquanto (III).

Com o incentivo de seu irmão, Perpétua pede e recebe uma visão, na qual ela sobe uma escada perigosa à qual várias armas estão presas (IV). Ao pé de uma escada há uma serpente, a qual é encarada primeiro por Saturus e depois por Perpétua (IV). A serpente não a prejudica, e ela sobe a um jardim (IV). Na conclusão de seu sonho, Perpetua percebe que os mártires sofrerão (IV).

O pai de Perpétua a visita na prisão e implora por ela, mas Perpétua permanece firme em sua fé (V). Ela é levada a uma audiência perante o governador Hilário e os mártires confessam sua fé cristã (VI). Em uma segunda visão, Perpétua vê seu irmão Dinocrates, que havia morrido de câncer aos sete anos sem ser batizado (VII). Ela orou por ele e mais tarde teve uma visão dele feliz e saudável, sua desfiguração facial reduzida a uma cicatriz (VIII). O pai de Perpétua novamente visita a prisão, e Pudens (o diretor) mostra a honra dos mártires (IX).

Um dia antes de seu martírio, Perpétua se vê derrotando um egípcio selvagem e interpreta isso como significando que ela teria que lutar não apenas com bestas selvagens, mas com o próprio diabo (X).

Saturus, que também teria gravado sua própria visão, vê a si e a Perpétua transportados para o Leste por quatro anjos, para um belo jardim, onde encontram Jocundus, Saturninus, Artaxius e Quintus, outros quatro cristãos que são queimados vivos durante a mesma perseguição. (XI-XII). Ele também vê o bispo Optatus de Cartago e o padre Aspasius, que imploram aos mártires para reconciliar os conflitos entre eles (XIII).

Enquanto o escritorr recomeça a história, diz-se que Secundulus morreu na prisão (XIV). A escrava Felicidade dá à luz uma filha, apesar de sua preocupação inicial de que ela não teria permissão de sofrer o martírio com os outros, uma vez que a lei proibia a execução de mulheres grávidas (XV). No dia dos jogos, os mártires são levados ao anfiteatro (XVIII). A pedido da multidão, eles foram primeiro açoitados diante de uma fila de gladiadores; então um javali, um urso e um leopardo foram postos sobre os homens, e uma vaca selvagem sobre as mulheres (XIX). Feridos pelos animais selvagens, eles deram um ao outro o beijo da paz e foram então postos à espada (XIX). O texto descreve a morte de Perpétua da seguinte forma; "Mas Perpétua, para que ela pudesse sentir um pouco de dor, foi perfurada entre os ossos e gritou; e quando a mão do espadachim ficou imóvel (porque ele era um novato), ela mesma a colocou no próprio pescoço. Por acaso uma mulher tão grande não poderia mais ter sido morta (sendo temida pelo espírito imundo) se ela mesma não quisesse"(XIX). O texto termina quando o editor exalta os atos dos mártires.

Debate sobre o escritorEditar

Os estudiosos geralmente acreditam que a narrativa de Passio SS Perpetuae et Felicitatis foi, de fato, escrita por Perpétua.[5] Se isso for verdade, o texto é importante porque Perpétua é uma das primeiras escritoras cristãs antes do século IV cujas obras sobreviveram.[6] O relato pessoal de uma mártir também é raro, pois as histórias de outras mártires foram registradas coletivamente.[5] O estilo de Perpetua é descrito como "emocional", "pessoal", "fragmentado" e "coloquial", o que é adequado às circunstâncias em que ela estaria escrevendo. Ainda se deve reconhecer que o estilo poderia ter sido criado para dar a impressão de um diário de mártir.[7]

Embora alguns tenham sugerido que o escritor do texto seja Tertuliano, a identidade do editor permanece incerta.[8] O estilo de escrita e o conteúdo do material editado parecem sugerir que o editor é do sexo masculino.[9]

Muitos estudiosos examinaram a modificação e transmissão masculina de uma história de martírio feminino que desafiava a dinâmica do poder e as hierarquias de gênero dentro da igreja organizada.[10] Esta questão de gênero pode ter influenciado as tendências de redação do editor. Brent Shaw argumenta que o escritor da história reescreve a experiência de Perpétua de tal maneira que afirma o valor técnico de seu martírio, ao mesmo tempo em que apresenta suas ações como antinaturais.[11] Além disso, a visão onírica de Saturus é considerada o resultado da atividade editorial, improvável de ter sido escrita pelo próprio Saturus por causa de sua construção distinta e inclinação impessoal.[12] Se o escritor é homem, ele pode estar tentando mostrar que homens e mulheres, e não apenas mulheres, são responsáveis pelos sonhos e visões recebidas na narrativa. Outros argumentam que Felicidade pode ter sido a fonte inicial do sonho.

Problemas de namoroEditar

A data de seu martírio é tradicionalmente dada como 203. A associação do martírio com um festival de aniversário do imperador Geta, no entanto, pode parecer colocá-lo depois de 209, quando Geta foi nomeado "Augusto" (tendo assumido o título júnior de César desde 198, quando seu irmão mais velho foi nomeado "Augusto"), embora antes de 211, quando ele foi assassinado. A Acta observa que o martírio ocorreu no ano em que Minucius Timinianus foi procônsul na província romana da África, mas Timinianus não é atestado de outra forma na história. Werner Eck observa que a versão grega do Acta chama o procônsul Μινούκιος Ὀππιανός, ou Minucius Opimianus, que é registrado como procônsul para 202/203.[13] A Lenda Dourada, no entanto, coloca o martírio em 256, sob os imperadores Valeriano e Galiano.[14]

Cristãos desafiando as tradições da família dentro do textoEditar

Na paixão, a fé cristã motiva os mártires a rejeitar a lealdade da família e a reconhecer uma autoridade superior.[15] No texto, o relacionamento de Perpétua com o pai é o mais destacado de todos os seus laços familiares, e ela interage diretamente com ele quatro vezes (III, V, Vi e IX).[16] própria Perpétua pode ter considerado esse relacionamento o mais importante, dado o que se sabe sobre sua importância na sociedade romana.[17] pais esperavam que suas filhas os cuidassem, honrassem e aprimorassem a reputação de sua família através do casamento. Ao se tornar um mártir, Perpétua não conseguiu se adaptar às expectativas da sociedade.[18] Perpétua e Felicidade também adiam seus papéis como mães para permanecerem leais a Cristo, deixando para trás crianças pequenas no momento de sua morte.[11]

Embora o narrador descreva Perpétua como "honrosamente casada", nenhum marido aparece no texto.[19] Possíveis explicações incluem que o marido estava tentando se distanciar dos procedimentos como não cristão, que estava fora dos negócios ou que a menção dela a ele fora editada; porque Perpétua foi chamada a ser noiva de Cristo, a omissão do marido pode ter a intenção de reduzir quaisquer implicações sexuais (XVIII).[20] Independentemente, a ausência de um marido no texto leva Perpétua a assumir novas lealdades familiares e uma nova identidade em relação a Cristo.[17]

Perpétua pertencia a uma família aristocrática com cidadania romana, como indicado por seu nome Vibia Perpétua.[21] A execução de Perpétua ao lado de escravos demonstrou a capacidade do Cristianismo de transcender distinções sociais, em contraste com a desigualdade que permeava a religião e a sociedade romanas.[22] Como Perpétua e Felicidade eram iguais no martírio, apesar das diferenças de classe, eles fizeram a dramática declaração de que o Cristianismo transcendia a estrutura social.[23]

Evidências do montanismo no textoEditar

Alguns estudiosos acreditam que A Paixão das Santas Perpétua e Felicidade apresentam uma teologia montanista.[24][25] O montanismo era uma doutrina herética do cristianismo primitivo[26] que surgiu na Frígia, na Turquia moderna. O movimento foi fundado por Montano; um recém-convertido ao cristianismo, que o pai da igreja primitiva, São Jerônimo, era anteriormente sacerdote de Cibele, que havia compartilhado suas idéias com os seguidores. O grupo enfatizou a crença na presença contínua do Espírito Santo visível nas palavras proféticas dos cristãos.[27]

Perpétua e Saturus haviam recebido novos sonhos e profecias dentro do texto, de acordo com as crenças e princípios do montanismo.[28] Outra evidência para o montanismo é que Perpétua e Felicidade podem ter se separado de seus parceiros de acordo com os ensinamentos montanistas, que permitiam e às vezes até encorajavam as mulheres a deixar maridos não-cristãos em favor de vidas celibatárias dedicadas à pregação do Evangelho.[29] No entanto, nada no texto é explicitamente montanista. Os opositores da nova profecia acusaram seus membros de evitar o martírio, o que torna menos provável a identificação do texto da paixão como montanista.[30]

As adições do escritor podem ser uma tentativa de validar as crenças montanistas, elogiando a profecia e os dons visionários do espírito.[31] Na introdução, por exemplo, o escritor inclui uma referência bíblica aos filhos e filhas que profetizarão nos últimos dias (I). O editor também afirma a importância de reconhecer e honrar "novas profecias" e "novas visões" (I).

Timothy David Barnes, em sua obra "Tertuliano: um estudo histórico e literal" (1973, Oxford University Press), defendeu inicialmente o tom montanista da "paixão", bem como dos próprios mártires. Em sua segunda edição (1982), ele retirou essa opinião, concluindo que "[ele] tenta mostrar que os mártires, bem como a 'Paixão', são montanistas devem ser declarados não convincentes".[32] Cada uma das supostas características "Montanistas" da "Paixão" eram (e permanecem até hoje) totalmente compatíveis com o catolicismo ortodoxo.

Controvérsia sobre DinócratesEditar

O relato de Santa Perpétua confortando seu irmão morto tem sido um ponto de controvérsia. O texto diz especificamente que a criança não havia sido batizada. Renatus usou esse relato para reforçar sua afirmação de que bebês não batizados poderiam alcançar o paraíso, se não o reino dos céus. Agostinho, por sua vez, propôs uma explicação de como Dinócrates poderia ter sido batizado, mas depois se afastou de Cristo por seu pai pagão.[33]

Na cultura popularEditar

A rosa que divagava uma vez "Félicité et Perpétue" ( R. sempervirens x 'Old Blush' [34]) com botões de rosa pálido abrindo quase branco, foi introduzida por Robert Jacques[35] em 1828.[36]

Uma nova tradução de Walter H. Shewring em 1929 de A paixão de Perpetua e Felicidade foi impressa em um novo tipo de letra por Eric Gill, com o nome de Perpetua.

Três romances de ficção histórica foram escritos do ponto de vista de Perpétua. O primeiro foi Os Mártires de Cartago: um conto dos tempos antigos, publicado em 1868 por Annie Webb-Peploe (escrevendo como Sra. JB Webb). Outro é o Perpetua de Amy Peterson: uma noiva, um mártir, uma paixão ( ISBN 978-0972927642), publicado em 2004. O terceiro é The Bronze Ladder, de Malcolm Lyon (ISBN 978-1905237517), publicado em 2006.

O documentário da National Geographic, intitulado Jesus Rise to Power, contou a história de Perpétua em seu segundo episódio (Mártires), que foi ao ar em 2013.[37][38][39]

A série de documentários e o livro da BBC[40] História do mundo de Andrew Marr recria a morte de Perpetua[41] no episódio 3[42]

Heróis católicos da fé: A história de Saint Perpetua é um curta de animação que foi lançado em 2009.

The Perpetua Story é um curta-metragem de animação (37 minutos) da série Torchlighters: Heroes of the Faith, emparelhado com um documentário de 61 minutos apresentado por dois estudiosos da Bíblia que examinam o relato do martírio de Perpétua e de seus colegas cristãos. É publicado pela Vision Video e produzido pelo Christian History Institute.

Veja tambémEditar

  • Atos de Carpus, Papylus e Agathonice
  • Atos de Phileas
  • Martírio de Policarpo
  • Lista de mulheres cristãs da era patrística

ReferênciasEditar

Referências

  1. Heffernan, Thomas J. (2012). The passion of Perpetua and Felicity. Oxford University Press. Oxford: [s.n.] ISBN 9780199777570. doi:10.1093/acprof:osobl/9780199777570.001.0001 
  2. BHL 6633–6636; BHG 1482.
  3. Tabbernee, William (2007). Fake Prophecy and Polluted Sacraments: Ecclesiastical and Imperial Reactions to Montanism (Supplements to Vigiliae Christianae). Brill. [S.l.: s.n.] ISBN 978-9004158191 
  4. Foley O.F.M., Leonard. Saint of the Day, (revised by Pat McCloskey O.F.M.), Franciscan Media ISBN 978-0-86716-887-7
  5. a b Shaw, p. 14.
  6. Ross, p. 1048.
  7. Ross, p. 1055.
  8. Shaw, p. 30.
  9. Shaw, pp. 30–31.
  10. Shaw, pp. 33, 36.
  11. a b Shaw, p. 36.
  12. Shaw, p. 32.
  13. Eck, "Ergänzungen zu den Fasti Consulares des 1. und 2. Jh.n.Chr.", Historia, 24 (1975), p. 326
  14. de Voragine, Jacobus (1995). William Granger Ryan, ed. The golden legend: readings on the saints. Volume II. Princeton UP. [S.l.: s.n.] pp. 342–43. ISBN 978-0-691-00154-8 
  15. Farina, pp. 48–49.
  16. Farina, p. 51.
  17. a b Salisbury, p. 8.
  18. Shaw, p. 25.
  19. Farina, p. 52.
  20. Shaw, p. 31.
  21. Shaw, pp. 10–11.
  22. Farina, p. 49.
  23. Salisbury, p. 13.
  24. Litfin, Bryan (2007), «Perpetua», Getting to Know the Church Fathers, ISBN 978-1-58743-196-8, Grand Rapids: Brazos Press, p. 128, consultado em 5 January 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  25. Butler, Rex D. (2014). The New Prophecy and 'New Visions': Evidence of Montanism in 'The Passion of Perpetua and Felicitas. BorderStone Press, LLC 1st ed. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1936670963 
  26. «Catholic Encyclopedia: Montanists». newadvent.org 
  27. Salisbury, p. 156.
  28. Farina, p. 76.
  29. Farina, pp. 52–53.
  30. Ross, p. 1061.
  31. Salisbury, p. 158.
  32. p. 329, citing L. Robert, 'Une vision de Perpétue martyre à Carthage en 203.' CRAI 1982. 228–76.; J.R. Matthews, JTS, N.S. XXIV (1973), 248/9: "What matters for Barnes's argument [in the first edition of 'Tertullian'] is that the martyrs themselves should be shown up as Montanists. According to Barnes, they are. But the grounds do not seem adequate. Two features are isolated as 'suspect': the eagerness of Perpetua and her companions for martyrdom, and the spiritual ascendancy, implicit in two passages of the 'Passio,' of confessors over the established clergy. Yet elsewhere, zeal for martyrdom is explained as a central feature of African Christianity from its known beginnings. Montanism in itself, according to Barnes, helped Tertullian resolve an ambiguity in his own attitude to martyrdom – but can it be argued to have acquired the monopoly? As for the ascendancy of martyrs over the clergy, this was an issue of spiritual authority by no means confined to Montanists. According to Barnes, Tertullian derided the Catholics (in later works) for attributing authority to their martyrs and confessors."
  33. «Church Fathers Volume 14 Augustin». catholicfirst.com 
  34. Its French equivalent name is R. 'Noisette'.
  35. Robert Jacques was director of horticulture for King Louis-Philippe.
  36. Marie-Thérèse Haudebourg, Roses et jardins Hachette, ISBN 2-01-236947-2, p. 177
  37. «About Jesus: Rise To Power Show – National Geographic Channel – Sub-Saharan Africa». National Geographic Channel – Videos, TV Shows & Photos – Sub-Saharan Africa 
  38. «Perpetua: The Ultimate Christian Martyr». National Geographic Channel 
  39. Ghazwan Mattoka. «Jesus Rise to Power: Season 1 Episode 2 – Martyrs – National Geographic – Video Dailymotion». Dailymotion 
  40. A History of the World, Andrew Marr, Pan Macmillan, 2014. ISBN 978-1447236825.
  41. 'Cavalier' Marr is accused of ignoring Jesus while honouring Buddhism in his BBC history of the world, Chris Hastings and Jonathan Petre, 30 September 2012, The Mail on Sunday.
  42. The Word and the Sword, Andrew Marr's History of the World, BBC One.

FontesEditar

  • Calendarium Romanum, (Libreria Editrice Vaticana, 1969)
  • Farina, William. Perpetua de Cartago: Retrato de um Mártir do Terceiro Século, Jefferson, NC: McFarland & Company, Inc, Publishers, 2009.
  • Ross e Shira Lander, "Perpetua e Felicitas" no vol. 2 do The Early Christian World, ed. Philip Esler, Nova Iorque: Routledge, 2000.
  • Salisbury, Joyce. A paixão de Perpetua: a morte e a memória de uma jovem romana, Nova York: Routledge, 1997
  • Schiavo, Anthony P.Eu sou cristão: relatos autênticos do martírio e da perseguição cristãos das fontes antigas , Merchantville, NJ: Arx Publishing, 2018. [Inclui a tradução completa em inglês da antiga paixão de Perpetua e Felicitas]: ISBN 978-1-935228-18-9
  • Thomas J. Heffernan, A Paixão de Perpetua e Felicity. Oxford University Press, 2012. 557 pp. Uma nova edição crítica do texto latino, com uma impressão do texto grego e um extenso comentário histórico e filológico. A única edição que fornece um relato detalhado de todos os manuscritos existentes.
  • Shaw, Brent. “A Paixão de Perpétua”, Passado e Presente 139, (maio de 1993), JSTOR 30

BibliografiaEditar

  • Butler, Rex: A Nova Profecia e "Novas Visões": Evidências do Montanismo na Paixão de Santos Perpetua e Felicitas : Washington DC: Universidade Católica da América Imprensa: 2006: ISBN 0-8132-1455-6
  • Dronke, Peter . Escritoras da Idade Média . Cambridge, 1984.
  • Kitzler, Petr. De 'Passio Perpetuae' a 'Acta Perpetuae' Recontextualizando uma história de mártir na literatura da igreja primitiva : Berlim: de Gruyter: 2015: ISBN 978-3-11-041867-5
  • Logan, Barbara Ellen (2002). Askesis da abjeção: a ética do sofrimento cotidiano nos primeiros martírios cristãos (tese de doutorado, Universidade da Califórnia, Santa Cruz).
  • Maitland, Sara (introdução): O Martírio de Perpetua : Evesham: Arthur James: 1996: ISBN 0-85305-352-9
  • Moss, Candida, O Mito da Perseguição, Nova York: HarperCollins, 2013.
  • Nolan, Edward: Clame e Escreva: Uma Poética Feminina da Revelação : Nova York: Continuum: 1994: ISBN 0-8264-0684-X
  • Robeck, Cecil: Profecia em Cartago: Perpetua, Tertuliano e Cipriano : Cleveland: Imprensa de Peregrino: 1992: ISBN 0-8298-0924-4
  • Ronsse, Erin Ann: Retórica dos mártires: Histórico de transmissão e recepção da "Paixão de Santos Perpétua e Felicitas" . Ph.D. diss., University of Victoria (Canadá), 2008, 438 páginas; AAT NR40485
  • Salisbury, Joyce: Paixão de Perpetua : Nova York: Routledge: 1997: ISBN 0-415-91837-5
  • von Franz, Marie-Louise : A paixão de Perpetua: uma interpretação psicológica de suas visões: Toronto: Inner City Books: 2004: ISBN 1-894574-11-7

VideografiaEditar

  • Perpetua: Mártir da Igreja Primitiva (2009) - documentário.
  • Torchlighters: The Perpetua Story (2009) - DVD animado para crianças de 8 a 12 anos.
  • Lost Legacy Reclaimed, Temporada 1: Episódio 3. Perpetua (2019) - documentário.

links externosEditar