A Shot in the Dark

filme de 1964 dirigido por Blake Edwards

A Shot in the Dark (bra: Um Tiro no Escuro[1]; prt: Um Tiro às Escuras[2]) é um filme estadunidense de 1964, do gênero comédia, dirigido por Blake Edwards, com roteiro de William Peter Blatty e Blake Edwards baseado na peça teatral de Marcel Achard e Harry Kurnitz. A trilha sonora do filme é de Henry Mancini.

A Shot in the Dark
No Brasil Um Tiro no Escuro
Em Portugal Um Tiro às Escuras
 Estados Unidos
1964 •  cor •  102 min 
Direção Blake Edwards
Roteiro William Peter Blatty (roteiro)
Blake Edwards (roteiro)
Marcel Achard (peça)
Harry Kurnitz (peça)
Elenco Peter Sellers
Elke Sommer
George Sanders
Herbert Lom
Género comédia
Idioma inglês

SinopseEditar

O Inspetor Clouseau é chamado para ir a casa de um milionario, Benjamin Ballon, e investigar o assassinato de seu motorista. O motorista estava tendo um romance com a empregada, Maria Gambrelli, que alega que ele batia nela. Embora todos os indícios apontem para Gambrelli como a assassina, Clouseau teimosamente se recusa a admitir que ela é culpada, já que acabou se apaixonando loucamente por ela. Para que os verdadeiros culpados mantenham a verdade oculta do chefe de Clouseau, Comissário Charles Dreyfus, acabam cometendo mais assassinatos. Cada vez que há um homicídio, Maria está na cena do crime, e cada um ocorre quando Closeau a liberta. Clouseau está sempre no lugar errado na hora certa e acaba sendo detido por policiais quatro vezes de uma maneira rápida: primeiro, por vender balões sem uma licença e, em seguida, por vender pinturas sem uma licença e, mais uma vez, por caçar sem uma licença, e finalmente por nudez pública, após deixar uma colônia nudista sem suas roupas.

Como Clouseau continua a estragar o caso, o Comissário Dreyfus se torna cada vez mais agitado, resultando que ele acaba acidentalmente amputando o seu próprio dedo polegar e se cortando acidentalmente com uma faca. Uma misteriosa pessoa começa a perseguir Clouseau, tentando matá-lo, mas acidentalmente acaba matando um porteiro, assim como dois clientes e um cossaco dançarino. Clouseau reúne todos os suspeitos, e acaba descobrindo que todos eles são culpados de assassinato, exceto um, que foi um chantagista, e Maria, que é inocente de qualquer crime. Os culpados tentam fugir no carro de Closeau, que acaba explodindo, e o anônimo assassino é revelada como o Comissário Dreyfus, que acabou enlouquecendo pelos erros de Closeau e, na tentativa de matá-lo, acabou matando acidentalmente os verdadeiros assassinos.

ElencoEditar

  • Peter Sellers.... Jacques Clouseau
  • Elke Sommer.... Maria Gambrelli
  • George Sanders.... Benjamin Ballon
  • Herbert Lom.... Charles Dreyfuss
  • Tracy Reed.... Dominique Ballon
  • Graham Stark.... Hercule Lajoy
  • Moira Redmond.... Simone
  • Vanda Godsell.... Madame LaFarge
  • Maurice Kaufmann.... Pierre
  • Ann Lynn.... Dudu
  • David Lodge.... Georges
  • André Maranne.... François
  • Martin Benson.... Maurice
  • Burt Kwouk.... Kato
  • Douglas Wilmer.... Henri LaFarge

Principais prémios e nomeaçõesEditar

  • Recebeu uma nomeação ao BAFTA, na categoria de melhor guarda-roupa pt/figurino br - a cores (Margaret Furse).

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Um Tiro no Escuro - Filme 1964 -». AdoroCinema (Brasil). Consultado em 10 de novembro de 2015 
  2. «Um Tiro às Escuras». SAPO Mag (Portugal). Consultado em 10 de novembro de 2015 
  Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.