Abrir menu principal
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAcanthodii
Ocorrência: Siluriano - Permiano: 438–258 Ma
Concepção artística de um Acanthodes bronni.
Concepção artística de um Acanthodes bronni.
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Infrafilo: Gnathostomata
Classe: Acanthodii
Ordens
Ver texto

Acanthodii é uma classe de peixes extintos, com características encontradas em peixes ósseos e cartilaginosos. O grupo surgiu no Siluriano inferior (~430 milhões de anos) e desapareceu na extinção permo-triássica no fim do Permiano (~250 milhões de anos). Os Acanthodii também são chamados de tubarões espinhados.[1]

O grupo surgiu em ambientes marinhos e depressa se espalhou a todos os meios aquáticos. No Devoniano, a maioria das espécies de acantódeos vivia em água doce.[carece de fontes?] São particularmente importantes no estudo da evolução dos vertebrados uma vez que estão incluídos no primeiro grupo a desenvolver mandíbulas móveis e funcionais.[2]

A maioria das espécies era de pequeno a médio porte, medindo no máximo vinte centímetros, com globos oculares relativamente grandes, que demonstram que deviam viver em águas profundas, e corpo alongado. A nadadeira caudal era heterocerca e suportada, no lobo superior, pelas vértebras caudais, à semelhança dos tubarões atuais. Muitas espécies pertencentes a este grupo não possuíam dentes, o que sugere que elas eram filtradoras e se alimentavam de pequenas partículas de comida.[3]

As escamas soltas dos Acanthodii são importantes em estratigrafia como indicativo de idade uma vez que permitem a datação relativa das várias formações geológicas.[carece de fontes?]

OrdensEditar

Referências

  1. «Spiny shark» (em inglês). Encyclopaedia Britannica. Consultado em 31 de agosto de 2019 
  2. «Acanthodii: Ptomacanthus» (em inglês). Palaeois. Consultado em 31 de agosto de 2019 
  3. Larson, Dennis. «Acanthodii The Spiny Skins» (em inglês). Fossil Hunters. Consultado em 31 de agosto de 2019 
  4. «Acanthodii» (em inglês). Fossilid. Consultado em 31 de agosto de 2019