Adriana Janacópulos

escultora brasileira

Adriana Janacópulos (Petrópolis, 1897-Rio de Janeiro, 1978) foi uma escultora brasileira do século XX.[1]

BiografiaEditar

Adriana Janacopulos nasceu em Petrópolis, em 1897. De ascendência grega, era sobrinha do político Pandiá Calógeras. Após a morte da mãe, Adriana é levada para Paris com a irmã Vera, que se tornaria uma cantora lírica.[2]

Em Paris, Janacópulos estudou escultura com Laporte-Blairzy, Raoul Larche e Antoine Bourdelle.Estabeleceu-se no bairro de Montparnasse, reduto boêmio da cidade. Casou-se com o escultor russo, Alexandre Wolkowyski, com quem teve duas filhas.

Quando a Primeira Guerra Mundial estourou, as irmãs Janacopulos se mudam para a Bélgica e depois para Genebra, na Suíça. Após o fim da guerra, voltou a Paris, exibindo suas obras em diversos salões artísticos, como o Salão de Outono, do qual foi sócia, e o das Tulherias. Conviveu com os artistas brasileiros do modernismo, como Anita Malfatti, Victor Brecheret e Di Cavalcanti, participando da Exposição de Arte Latino-Americana de 1924.

Janacópulos divorciou-se de Wolkowyski em 1926. Continou expondo em Paris, até voltar ao Brasil em 1932. Com o apoio do tio Calógeras e da Associação dos Artistas Brasileiros, Janacópulos exibiu sua primeira e única mostra individual no Brasil, no Palace Hotel do Rio de Janeiro. A exposição foi frequentada por artistas e políticos.

Ela passou a receber encomendas de particulares e órgãos governamentais. Esculpiu o túmulo do poeta Felipe d'Oliveira em 1933 e em 1935 fez três monumentos em homenagem aos mortos da Revolução Constitucionalista de 1932 para as faculdades de direito, medicina e engenharia da Universidade de São Paulo.

Em 1938 Janacópulos recebeu a encomenda do Ministério da Educação e Saúde, chefiado por Gustavo Capanema para esculpir uma obra para o novo escritório do órgão. Ela entregou a escultura Mulher, ou Mulher Sentada. Participou da primeira Bienal de São Paulo, em 1951.

Após a morte de Vera Janacópulos, em 1955, Adriana homenageou sua irmã com um busto, inaugurado em 1958 na Praça Paris.[3]

MorteEditar

Janacópulos morreu por volta de 1978, no bairro carioca de Botafogo.[1]

Referências

  1. a b Batista, Marta Rossetti (31 de dezembro de 1989). «A escultora Adriana Janacópulos». Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. 0 (30): 71–93. ISSN 2316-901X. doi:10.11606/issn.2316-901X.v0i30p71-93 
  2. «Construções do feminino nos anos». www.labrys.net.br. Consultado em 19 de agosto de 2017 
  3. «Inventário dos Monumentos RJ». www.inventariodosmonumentosrj.com.br (em inglês). Consultado em 20 de agosto de 2017. Arquivado do original em 20 de agosto de 2017