Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para o campo de estudos sobre o continente africano, veja Estudos da África.
O substantivo "cachimbo" é um africanismo. Sua origem etimológica remonta ao termo quimbundo kixima.

Africanismo, em linguística, é o uso de palavras de origem africana em línguas de outros continentes, como o português[1][2][3] e o espanhol[4].

Em PortuguêsEditar

Os levantamentos de palavras de origem africana no português brasileiro começaram no fim do século XIX, ligados à construção de uma identidade da língua nacional[5]. A falta de estudos sobre as línguas africanas, porém, levou a maioria dos autores a registrar esses vocábulos apenas sob o nome genérico de "africanismos", sem atentar para a origem específica de cada um[6] e por vezes menosprezando essas contribuições[7]. A maioria das contribuições africanas veio das línguas bantus. Há também palavras vindas da língua iorubá[1].

De origem bantuEditar

De origem kwaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b LOPES, Nei. Enciclopédia da Diáspora Africana. Selo negro, 2014. Verbete "Africanismo"
  2. SERRA, Flávia Pereira; BEZERRA, José de Ribamar Mendes. A dicionarização de africanismos presentes no Português maranhense: a contribuição do Atlas Linguístico do Maranhão. In: Anais do II Congresso Nacional de Literatura - II CONALI. Mídia Gráfica e Editora Ltda., 2015. P. 406
  3. COUTO, Hildo Honório do. Resquícios de africanismos no Português do Brasil. PAPIA - Revista Brasileira de Estudos do Contato Linguístico. V. 13 n. 11. e-ISSN: 2316-2767
  4. JOHNEN, Thomas.Bomba, kanga, makamba e outros africanismos lexicais no papiamentu: comparações com o português do Brasil e o espanhol uruguaio
  5. Petter, Margarida Maria Taddoni. Palavras de origem africana nos dicionários Houaiss e Novo Aurélio Século XXI. PAPIA - Revista Brasileira de Estudos do Contato Linguístico. V. 13 n. 11. e-ISSN: 2316-2767
  6. OLIVEIRA, Eloisa Elena Barbara; AGUILERA, Vanderci de Andrade. Africanismo, geolingüística e lexicografia: um estudo de convergências e divergências. Afroatitudeanas - revista de disseminação de artigos de alunos produzida pelo projeto UEL Afroatitude. N. 2, jan-dez, 2007. P. 15
  7. FRANÇA, Angela. Tupinismos e africanismos na visão de Mattoso Câmara. III Encontro da Associação Brasileira de Estudos Crioulos e Similares USPoficina, de 13 a 15 de outubro de 2004
  8. OLIVEIRA, Roberta Pires de. Contribuições africanas na formação do Português Brasileiro: elementos linguísticos e culturais. Monografia em Linguística apresentada ao Instituto de Letras da Universidade de Brasília, como requisito parcial para a obtenção do título de Licenciada em Letras Português e Respectivas Literaturas, 2017. P. 36-37
  Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.