Abrir menu principal

Agripina

Agrippina Maior (Atenas, 14 a.C. — Ventotene, 18 de outubro de 33), dita a Velha, foi filha de Marco Vipsânio Agripa pela sua terceira mulher Júlia, a Velha, e portanto neta de Augusto, primeiro imperador romano
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Agripina Menor.
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde Fevereiro de 2011). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Agripina
Nascimento 23 de outubro de 14 a.C.
Atenas
Morte 18 de outubro de 33 (45 anos)
Ventotene
Sepultamento Mausoléu de Augusto
Cidadania Roma Antiga
Progenitores Mãe:Júlia, a Velha
Pai:Marco Vipsânio Agripa
Cônjuge Germânico
Filho(s) Calígula, Agripina Minor, Druso César, Júlia Lívila, Drusila (irmã de Calígula), Nero
Irmão(s) Vipsânia Marcela, Caio César, Lúcio César, Agripa Póstumo, Júlia, a Jovem, Vipsânia Agripina
Ocupação política
Causa da morte inanição

Agrippina Maior (Atenas, 14 a.C.Ventotene, 18 de outubro de 33), dita a Velha, era filha de Marco Vipsânio Agripa pela sua terceira mulher Júlia, a Velha, e portanto neta de Augusto, primeiro imperador romano. Agripina casou com Germânico, e foi mãe de Agripina Menor e do imperador Calígula.

Agripina era uma das matronas mais populares do início do Império Romano, conhecida pela sua virtude e respeito das tradições, e estimada pelo avô. Através do seu marido Germânico, um dos membros mais populares da família imperial, detinha também o afecto da população. Apesar de ir contra os costumes que ditavam a permanência das senhoras em Roma, Agripina insistiu em acompanhar Germânico nas suas campanhas, levando consigo os filhos. Das nove crianças que deu à luz, duas nasceram na Gália e outros dois nos acampamentos militares da Germânia Inferior.

Agripina estava com Germânico no Egipto, quando este foi envenenado no ano 19, possivelmente pelo governador Cneu Calpúrnio Pisão, por ordem do imperador Tibério. Em vez de ficar calada, Agripina regressou a Roma com desejos de vingança, onde acusou publicamente Piso do assassinato e o imperador da autoria moral. Nos anos seguintes, Agripina manobrou para substituir o imperador por um dos seus filhos, que gozavam ainda da popularidade póstuma de Germânico. Esta corajosa acção valeu-lhe a desconfiança de Tibério e a queda em desgraça da sua família. Os seus dois filhos mais velhos Nero César e Druso César foram assassinados e ela própria exilada para uma ilha remota ao largo de Itália, onde foi acolhida por captores com ordens para não lhe facilitarem a vida. Humilhada, Agripina decidiu matar-se à fome. Morreu em 33 quer de fome, quer com intervenção de Tibério. Postumamente, o imperador retirou o seu nome das inscrições imperiais e declarou o dia do seu aniversário como dia nefasto, ou seja, de mau agoiro.

Depois da ascensão ao trono do seu filho Caio César (Calígula), a sua memória foi reabilitada e as suas cinzas trazidas para Roma.


Ver tambémEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Agripina
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.