Albert Sarraut

político francês
(Redirecionado de Albert-Pierre Sarraut)

Albert Pierre Sarraut (28 de julho de 1872, Bordéus - 26 de novembro de 1962, Paris ) foi um político radical francês, duas vezes primeiro-ministro durante a Terceira República.[1][2][3]

Albert Sarraut
Albert Sarraut
Primeiro-ministro da França
Período 1º - 26 de outubro de 1933
até 26 de novembro de 1933

2º - 24 de janeiro de 1936
até 4 de junho de 1936

Antecessor(a) 1º - Édouard Daladier

2º - Pierre Laval

Sucessor(a) 1º - Camille Chautemps

2º - Léon Blum

Dados pessoais
Nascimento 28 de julho de 1872
Bordéus
Morte 26 de novembro de 1962 (90 anos)
Paris
linkWP:PPO#França

BiografiaEditar

Sarraut nasceu em 28 de julho de 1872 em Bordeaux, Gironde, França.

Em 14 de março de 1907, Sarraut, senador de Aude e subsecretário de Estado do Interior, foi ridicularizado por Clemenceau por tentar defender o caso de seu eleitorado durante a revolta dos viticultores de Languedoc. Clemenceau disse a Sarraut: "Eu conheço o Sul, tudo terminará com um banquete".[4] Após grandes manifestações na região vinícola em junho de 1907, Clemenceau pediu a Sarraut que trouxesse o líder Ernest Ferroul para a mesa de negociações.[5] Ferroul lhe disse: "Quando temos três milhões de homens atrás de nós, não negociamos".  A partir de 17 de junho de 1907, o Midi foi ocupado por 22 regimentos de infantaria e 12 regimentos de cavalaria.[6] A gendarmaria foi condenada a prender os líderes das manifestações. Sarraut recusou-se a endossar esta política e renunciou ao governo.[4]

Foi governador-geral da Indochina Francesa, de 1912 a 1914 e de 1917 a 1919. Embora Sarraut fosse celebrado pela reforma da educação nativa, sua motivação era um exemplo de paternalismo. Ele acreditava que os vietnamitas não poderiam ser civilizados até que seu pensamento, costumes e instituições espelhassem os dos franceses. De acordo com Hue Tam Ho Tai, se o argumento de Sarraut fosse levado à sua conclusão lógica, os vietnamitas, ela escreve, "mereceriam independência do domínio francês apenas quando não desejassem mais ser vietnamitas, mas franceses de pele amarela".[7] Albert Sarraut apoiou ativamente a preservação e o desenvolvimento das artes nativas, por exemplo, apoiando o estudioso de arte francês George Groslier na preservação das artes e tradições culturais do Camboja e no financiamento do projeto e construção do Museu Nacional do Camboja. Em 18 de janeiro de 1920, ele substituiu Henry Simon como Ministro das Colônias.

Em 10 de julho de 1940, Sarraut votou a favor de conceder ao Gabinete presidido pelo marechal Philippe Pétain autoridade para elaborar uma nova constituição, efetivamente encerrando a Terceira República Francesa e estabelecendo a França de Vichy. Depois disso Sarraut se aposentou da política. Ele assumiu o controle do jornal da família, La Dépêche de Toulouse, depois que o editor, seu irmão Maurice Sarraut, foi morto pela Milice em 1943.

Sarraut morreu em Paris em 26 de novembro de 1962. O Lycée Albert Sarraut em Hanói recebeu seu nome.

Primeiro Ministério de Sarraut, 26 de outubro – 26 de novembro de 1933Editar

  • Albert Sarraut - Presidente do Conselho e Ministro da Marinha
  • Albert Dalimier - Vice-Presidente do Conselho e Ministro da Justiça
  • Joseph Paul-Boncour - Ministro das Relações Exteriores
  • Édouard Daladier - Ministro da Guerra
  • Camille Chautemps - Ministro do Interior
  • Georges Bonnet - Ministro das Finanças
  • Abel Gardey – Ministro do Orçamento
  • Eugène Frot – Ministro do Trabalho e Previdência Social
  • Jacques Stern - Ministro da Marinha Mercante
  • Pierre Cot - Ministro do Ar
  • Anatole de Monzie – Ministro da Educação Nacional
  • Hippolyte Ducos – Ministro das Pensões
  • Henri Queuille - Ministro da Agricultura
  • François Piétri - Ministro das Colônias
  • Joseph Paganon – Ministro das Obras Públicas
  • Émile Lisbonne – Ministro da Saúde Pública
  • Jean Mistler - Ministro dos Correios, Telégrafos e Telefones
  • Laurent Eynac - Ministro do Comércio e Indústria

Segundo Ministério de Sarraut, 24 de janeiro – 4 de junho de 1936Editar

  • Albert Sarraut - Presidente do Conselho e Ministro do Interior
  • Pierre Étienne Flandin - Ministro das Relações Exteriores
  • Louis Maurin - Ministro da Guerra
  • Marcel Régnier – Ministro das Finanças
  • Ludovic-Oscar Frossard – Ministro do Trabalho
  • Léon Bérard – Ministro da Justiça
  • François Piétri - Ministro da Marinha
  • Louis de Chappedelaine - Ministro da Marinha Mercante
  • Marcel Déat – Ministro do Ar
  • Henri Guernut - Ministro da Educação Nacional
  • René Besse – Ministro das Pensões
  • Paul Thellier - Ministro da Agricultura
  • Jacques Stern - Ministro das Colônias
  • Camille Chautemps – Ministro das Obras Públicas
  • Louis Nicolle - Ministro da Saúde Pública e Educação Física
  • Georges Mandel - Ministro dos Correios, Telégrafos e Telefones
  • Georges Bonnet - Ministro do Comércio e Indústria
  • Joseph Paul-Boncour - Ministro de Estado e Delegado Permanente da Liga das Nações

Ver tambémEditar

Leitura adicionalEditar

  • Thomas, Martin (2005), «Albert Sarraut, French Colonial Development, and the Communist Threat, 1919–1930», The Journal of Modern History, 77 (4): 917–955, doi:10.1086/499830 .

Referências

  1. Cole, Robert (1995). A Traveller's History of France (em inglês). Northampton: Interlink Publishing Group, Incorporated. p. 192 
  2. Graca, John V. Da (1985). Heads of State and Government (em inglês). Berlim: Springer. p. 73 
  3. Hadden, Briton (1933). Time (em inglês). 22. Nova Iorque: Time Incorporated. p. 23 
  4. a b Bon.
  5. Ferré 2007.
  6. Castillon 2007.
  7. Hue Tam Ho Tai, Radicalism and the Origins of the Vietnamese Revolution, Harvard University Press, 1992, page 30.

FontesEditar

Precedido por
Édouard Daladier
Primeiro-ministro da França
1933
Sucedido por
Camille Chautemps
Precedido por
Pierre Laval
Primeiro-ministro da França
1936
Sucedido por
Léon Blum