Abrir menu principal
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2011)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
José dos Santos Cabral
Pseudónimo(s) Alexandre Cabral
Nascimento 17 de outubro de 1917
Lisboa, Portugal
Morte 21 de novembro de 1996 (79 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal Português
Cônjuge Fernanda Dornas Cabral
Ocupação Escritor
Prémios Prémio Jacinto do Prado Coelho (1989)
Magnum opus Correspondência de Camilo Castelo Branco

José dos Santos Cabral (Lisboa, 17 de Outubro de 1917 - Lisboa, 21 de Novembro de 1996) foi um escritor português.

Índice

BiografiaEditar

De seu verdadeiro nome José dos Santos Cabral, frequentou o Instituto Profissional dos Pupilos do Exército (actual Instituto Militar dos Pupilos do Exército), mas decidiu empregar-se aos quinze anos, exercendo várias profissões, chegando mesmo a emigrar para o ex-Congo Belga onde permaneceu três anos. Após o seu regresso a Portugal, foi redactor de uma agência noticiosa e esteve ligado à indústria farmacêutica como delegado de propaganda médica e chefe de escritório. Mais tarde empregou-se numa agência de publicidade ao mesmo tempo que frequentava a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde se licenciou em Ciências Histórico-Filosóficas.

Ligado à corrente literária neo-realista acabou por se especializar como grande e profundo conhecedor da obra de Camilo Castelo Branco, a quem dedicou, na anotação, fixação de textos e recolha de vastíssima correspondência e polémicas literárias, dezenas e dezenas de anos de permanente estudo e investigação. Esta atenta dedicação como estudioso e investigador da obra camiliana culminou na elaboração de um importante Dicionário de Camilo, que o impõe como dos maiores e mais competentes especialistas da vastíssima obra daquele autor português.

Além de regular colaboração em revistas e jornais, fez parte dos corpos directivos de importantes instituições ligadas à política ou à cultura, tendo sido elemento preponderante na formação da Sociedade Portuguesa de Escritores, a cuja primeira direcção pertenceu, presidida por Aquilino Ribeiro. Dedicou-se também à actividade de tradutor literário, sendo de destacar o trabalho feito na divulgação em português de obras, entre outros, de Roger Martin du Gard, Anatole France, Claude Roy, Jaroslav Hasek e Mikail Sadoveanu. Prefaciou ainda obras de vários escritores portugueses e tem colaboração dispersa em livros de homenagem ou de intervenção política e cultural, com depoimentos literários de relevante importância. Nos seus primeiros romances usou o pseudónimo Z. Larbak.

Viveu uma boa parte da sua vida no Bairro de São Miguel, mais propriamente na Rua Frei Tomé de Jesus, na freguesia de Alvalade, em Lisboa. Além de escritor e investigador foi também um homem empenhado na luta pela democracia em Portugal.

Foi agraciado com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, pelo Presidente da República Dr. Mário Soares.

Obras publicadasEditar

Contos e romancesEditar

  • 1937 - Cinzas da Nossa Alma
  • 1938 - Contos Sombrios
  • 1942 - O Sol Nascerá um Dia
  • 1947 - Contos da Europa e da África
  • 1949 - Fonte da Telha
  • 1953 - Terra Quente
  • 1955 - Malta Brava
  • 1956 - Histórias do Zaire
  • 1961 - Margem Norte
  • 1970 - Memórias de um Resistente

Peça de teatroEditar

  • 1959 - As Duas Faces

Obras camilianasEditar

  • 1962-1970 - As Polémicas de Camilo (reeditado em 1981-1982)
  • 1978 - Estudos Camilianos
  • 1980 - CCB Roteiro Dramático de um Profissional das Letras
  • 1984 - Correspondência (não concluída)
  • 1986 - Subsídio para uma Interpretação da Novelística Camiliana
  • 1989 - Dicionário de Camilo Castelo Branco

Literatura infantojuvenilEditar

  • 1981 - A Quinta do Meu Avô

Fontes bibliográficasEditar

  • Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, Vol. IV, Lisboa, 1997
  • Portugal Século XX - Portugueses Célebres, Lisboa: Círculo de Leitores, 2003, página 62