Alma Nova (revista)

Alma nova
Formato (28 cm)
Sede Lisboa, Portugal Portugal
Fundação 1915
Director Mateus Martins Moreno
Idioma Português europeu
Término de publicação 1930


Alma Nova: revista ilustrada (Serão abordadas no texto seguinte as II, III e V séries).

A II série nasceu em 1915 por impulso de Mateus Martins Moreno (seu proprietário, editor e diretor) ajudado, pouco depois, por Saavedra Machado. Faro foi a sua cidade de origem, tratando-se inicialmente de um projeto regionalista para o qual Mateus Moreno apelou à colaboração de eruditos conterrâneos algarvios, nomeadamente: Ataíde Oliveira, José Joaquim Nunes, Agostinho Júnior, Bernardo de Passos, Carlos Augusto Lyster Franco, José Guerreiro de Murta, Julião Quintinha e Samora Barros.

Contudo, a abrangência da sua revista foi ganhando projeção nacional, sobretudo após a criação dos “Amigos do Algarve”, em cuja constituição M. Moreno se evidenciou, o que abriu a porta para que a Alma Nova passasse a órgão de informação estatutariamente assumido desta sociedade. Assim sendo, a promoção dos valores regionais ganhou contornos nacionais, lendo-se a partir do 4.º numero, como subtítulo: Revista Mensal Ilustrada pelo Ressurgimento das Artes, Letras, Ciências e da Pátria.

Na colaboração da revista aparecem agora nomes de gabarito nacional (nomeadamente na área literária, alguns ligados ao modernismo e à revista Orpheu), a saber: Albino Forjaz de Sampaio, Afonso Lopes Vieira, Alfredo Pedro Guisado, Alberto Osório de Castro, Amílcar Ramada Curto, António Alves Martins, António Ferro, Aquilino Ribeiro, Augusto Santa-Rita, Cruz Magalhães, Francisco Xavier Cândido Guerreiro, Mário de Sá Carneiro e o brasileiro Ronald de Carvalho. Como colaboradores artísticos, monitorizados por Saavedra Machado, encontram-se os nomes dos pintores: Carlos Augusto Lister Franco, Dórdio Gomes, Eduardo Gil Romero, Maria Alexandrina Pires Chaves Berger, Martinho da Fonseca e Mário Navarro da Costa e dos escultores Diogo de Macedo e Raul Xavier.[1]

Em 1922 entra em cena a III série com o título Alma nova: Revista do Ressurgimento Nacional que se prolonga até 1925 num total de 36 números. Mantêm-se os nomes de Mateus Martins Moreno e Saavedra Machado como “cabecilhas” da publicação. Caracteriza-se por ser uma revista eclética, dir-se-ia apolítica, onde não se vislumbram partidarismos. Explora, sim, o valor do patriotismo e a presença de Portugal a nível económico e cultural no Brasil e países latino americanos. Não é à toa que, mais uma vez o seu subtítulo é alterado, passando a ler-se a partir do nº 31: Contribuir para o Ressurgimento Nacional e Desenvolvimento do Intercâmbio Luso-Brasileiro.

Já a V série, iniciada em Junho de 1927, é marcada por uma grande transformação: agora a Alma Nova deve pautar-se pelas premissas do Estado Novo e perde muito do seu interesse cultural, enchendo-se de fotografias sociais, reflexo dos novos tempos que se viviam. Acaba definitivamente em 1930.[2]

Referências

  1. Rita Correia (19 de julho de 2011). «Ficha histórica:Alma nova: revista ilustrada (II Série) (1915-1918)» (PDF). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 13 de março de 2015 
  2. Helena Bruto da Costa (maio de 2006). «Ficha histórica:Alma nova: revista do ressurgimento nacional (1922-1925; 1927-1930))» (PDF). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 13 de março de 2015 

Ligações externasEditar

Ver tambémEditar

Lista de publicações disponíveis na Hemeroteca Municipal de Lisboa em formato digital

  Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.