Almutadi

Abu Ixaque Maomé ibne Aluatique (em árabe: أبو إسحاق محمد بن هارون الواثق; romaniz.: Abū Isḥāq Muḥammad ibn al-Wāthiq; 833 - 21 de junho de 870), mais conhecido por seu nome de reinado Almutadi Bilá (em árabe: المهتدي بالله; romaniz.: Al-Muhtadī bi-'llāh , lit. "Guiado por Deus") , foi o califa do Califado Abássida de julho de 869 a junho de 870, durante a "Anarquia em Samarra".

Almutadi
Miralmuminim
Dirrã de Almutadi cunhado em Uacite em 869
14.º califa do Califado Abássida
Reinado 21/22 de julho de 869 — 21 de junho de 870
Antecessor(a) Almutaz
Sucessor(a) Almutâmide
 
Nascimento c. 833
  Baguedade
Morte 21 de junho de 870
  Samarra
Sepultado em Samarra
Descendência
  • Ixaque
  • Abubacar
Dinastia abássida
Pai Aluatique
Mãe Curbe
Religião Islão sunita

VidaEditar

Almutadi nasceu em 833 e era filho do califa Aluatique (r. 842–847) e era Curbe, uma escrava grega.[1] Após a morte de seu pai em agosto de 847, alguns oficiais queriam eleger o jovem Almutadi como califa, mas no final, a escolha recaiu sobre seu tio Mutavaquil (r. 847–861).[2]

AntecedentesEditar

Apesar dos sucessos do califa Almutaz, ele não conseguiu superar o principal problema do período: a falta de receita para pagar as tropas. As dificuldades financeiras do califado tornaram-se evidentes já na sua ascensão - a costumeira doação de dez meses de pagamento das tropas teve que ser reduzida para dois por falta de fundos - e ajudou a derrubar o regime de Almostaim em Baguedade.[3] A guerra civil e a anarquia geral que se seguiu só piorou a situação, já que as receitas deixaram de vir até mesmo dos arredores de Baguedade, muito menos das províncias mais remotas.[4] Como resultado, Almutaz recusou-se a honrar seu acordo com Maomé ibne Abedalá ibne Tair em Baguedade, deixando-o para sustentar seus próprios partidários; isso levou à agitação na cidade e ao rápido declínio da família taírida.[5] A turbulência em Baguedade foi agravada por Almutaz, que em 869 demitiu o irmão e sucessor de ibne Tair, Ubaide Alá, e o substituiu por seu irmão muito menos capaz, Solimão.[6] No caso, isso só serviu para privar o califa de um contrapeso útil contra os soldados de Samarra, e permitiu que os turcos recuperassem seu antigo poder.[7]

Ascensão e califadoEditar

 
Árvore genealógica dos abássidas no século IX

Em 869, os líderes turcos Sale ibne Uacife (filho de Uacife, o Turco) e Baiaquebaque estavam novamente em ascensão e asseguraram a remoção de Amade ibne Israil. Finalmente, incapaz de atender às demandas financeiras das tropas turcas, em meados de julho um golpe palaciano depôs Almutaz. Foi preso e maltratado de tal forma que morreu depois de três dias, em 16 de julho. Após a deposição e assassinato de Almutaz em 15 de julho, os líderes da guarda turca escolheram Almutadi como o novo califa em 21/22 de julho. Como governante, procurou imitar o califa omíada Omar II (r. 717–720),[2] amplamente considerado um modelo de governante islâmico.[8] Ele, portanto, viveu uma vida austera e piedosa - notadamente removendo todos os instrumentos musicais da corte - e fez questão de presidir pessoalmente os tribunais de queixas (mazalim), ganhando assim o apoio do povo.[2][9] Combinando "força e habilidade", estava determinado a restaurar a autoridade e o poder do califa,[2] que havia sido erodido durante a "Anarquia em Samarra" em curso pelas disputas dos generais turcos.[10]

Almutadi enfrentou os levantes alidas nas províncias, mas a principal ameaça ao seu poder eram os comandantes turcos.[2] A figura dominante dos primeiros meses de seu governo foi Sale ibne Uacife, mas ele também não conseguiu fornecer receita suficiente para pagar as tropas. Embora tenha executado o vizir anterior, Amade ibne Israil, e sua extorsão dos secretários (cutabe), seu poder continuou a diminuir.[9] Seu principal rival, Muça ibne Buga, aproveitou a oportunidade para retornar de seu semiexílio em Hamadã, chegando a Samarra em dezembro de 869. Lá obrigou Almutadi a fazer um juramento para punir Sale por ter roubado os tesouros de Cabia, o mãe de Almutaz. Sale se escondeu, após o que os turcos se amotinaram e quase depuseram Almutadi. Eles cederam apenas quando ele lhes prometeu perdoar Sale, mas quando Sale não apareceu, seus soldados começaram a saquear Samarra, até que Muça e suas tropas os dispersaram. Logo depois, Sale foi descoberto e executado pelos homens de Muça. Muça assim se estabeleceu como o principal funcionário do governo, com Solimão ibne Uabe como seu secretário-chefe.[2]

Quando Muça saiu para fazer campanha contra os carijitas, Almutadi aproveitou a oportunidade para incitar o povo contra ele e seu irmão, Maomé. Maomé foi levado a julgamento por acusações de peculato e foi condenado. Embora Almutadi tivesse prometido um perdão, Maomé foi executado. Isso cimentou a rixa com Muça: este marchou à capital com seu exército e derrotou as tropas leais ao califa. Ele se recusou a abdicar, mas tentou preservar sua vida e cargo recorrendo ao estatuto religioso do califa e ao apoio do povo. Mesmo assim, foi assassinado em 21 de junho de 870 e substituído por seu primo, Almutâmide (r. 870–892).[2] Jafar ibne Abde Alualide ibne Jafar liderou as orações no funeral do califa Almutadi.[11][12]

Referências

  1. Kennedy 2006, p. 173.
  2. a b c d e f g Zetterstéen 1993, p. 476–477.
  3. Kennedy 2001, p. 138–139.
  4. Kennedy 2001, p. 138.
  5. Kennedy 2001, p. 139.
  6. Bosworth 1993, p. 794.
  7. Kennedy 2004, p. 172.
  8. Cobb 2000, p. 821–822.
  9. a b Kennedy 2004, p. 173.
  10. Kennedy 2004, p. 169–173.
  11. Waines 1992, v. 36 pp. 99, 105.
  12. Melchert 1996, p. 331.

BibliografiaEditar

  • Bosworth, C. E. (1993). «al-Muʿtazz Bi'llāh». In: Bosworth, C. E.; van Donzel, E.; Heinrichs, W. P. & Pellat, Ch. The Encyclopaedia of Islam, New Edition, Volume VII: Mif–Naz. Leida: Brill. pp. 793–794. ISBN 978-90-04-09419-2 
  • Cobb, P. M. (2000). «ʿUmar (II) b. ʿAbd al-ʿAzīz». In: Bearman, P. J.; Bianquis, Th.; Bosworth, C. E.; van Donzel, E. & Heinrichs, W. P. The Encyclopaedia of Islam, New Edition, Volume X: T–U. Leida: Brill. pp. 821–822. ISBN 978-90-04-11211-7 
  • Kennedy, Hugh N. (2001). The armies of the caliphs: military and society in the early Islamic state. Abingdon-on-Thames: Routledge. ISBN 0-415-25093-5 
  • Kennedy, Hugh (2006). When Baghdad Ruled the Muslim World: The Rise and Fall of Islam's Greatest Dynasty. Cambrígia, Massachusetts: Imprensa De Capo. ISBN 0-306-81480-3 
  • Kennedy, Hugh N. (2004). The Prophet and the Age of the Caliphates: The Islamic Near East from the 6th to the 11th Century 2.ª ed. Harlow, RU: Pearson Education Ltd. ISBN 0-582-40525-4 
  • Melchert, Christopher (1996). «Religious Policies of the Caliphs from al-Mutawakkil to al-Muqtadir: AH 232-295/AD 847-908». Islamic Law and Society. 3 (3): 316–342. JSTOR 3399413. doi:10.1163/1568519962599069 
  • Waines, David (1992). The History of al-Ṭabarī, Volume XXXVI: The Revolt of the Zanj, A.D. 869–879/A.H. 255–265. Albany, Nova Iorque: State University of New York Press. ISBN 0-7914-0764-0 
  • Zetterstéen, K. V.; Bosworth, C. E. (1993). «al-Muhtadī». In: Bosworth, C. E.; van Donzel, E.; Heinrichs, W. P. & Pellat, Ch. The Encyclopaedia of Islam, New Edition, Volume VII: Mif–Naz. Leida: Brill. pp. 476–477. ISBN 978-90-04-09419-2