Americano (coquetel)

Coquetel composto de Campari, vermute doce e água gaseificada
Americano
Um copo de americano com uma fatia de laranja
Tipo Coquetel
Origem  Itália
Relacionada(s) Vermute, Campari

O americano é um coquetel cuja receita oficial, segundo a International Bartenders Association,[1] é composta por Campari, vermute doce, e água gaseificada. O coquetel é de origem italiana e foi servido inicialmente no bar Caffè Campari, do fabricante de bebidas Gaspare Campari, nos anos 1860.[2] Originalmente, a bebida era conhecida como "Milano-Torino" por causa da origem dos seus ingredientes principais: o bíter Campari, de Milão e o vermute doce Punt e Mes, de Turim.[2]

HistóriaEditar

Embora o nome da bebida faça referência ao continente americano, a bebida é de origem italiana.[2] O coquetel foi criado em 1861, pelo fabricante de bebidas Gaspare Campari, no seu bar Caffè Campari, em Milão. Inicialmente, o coquetel era servido no bar com o nome de "Milano-Torino", por causa da origen dos dois principais ingredientes: o Campari vem de Milão ("Milano") e o Punt e Mes, um vermute doce também conhecido como "Vermouth di Torino", vem de Turim ("Torino").[2] O nome do coquetel foi modificado para Americano, porque se tornou muito popular entre turistas norte-americanos durante os anos 1910, ainda na Itália.[3] Posteriormente, a bebida tornou-se popular nos Estados Unidos mesmo durante a lei seca, pois o Campari era classificado pelo governo como um produto medicinal, não como bebida alcoólica.[4] Na década de 1920, a receita de americano deu origem a um outro coquetel, o negroni, de origem também italiana.[2][5] Este coquetel, assim como o americano, tornou-se popular nos Estados Unidos e, atualmente, é consumido em todo o mundo, sendo considerada um dos "inesquecíveis".[5]

ReceitaEditar

 
Um copo de Americano com gelo

Segundo a IBA, o coquetel é servido antes da refeição principal e é composto de[6]

  • 30 ml de Campari,
  • 30 ml de Red Vermouth,
  • Uma pequena porção ("splash") de água gaseificada.

Para preparar o coquetel, deve-se misturar os ingredientes diretamente num copo do tipo "old-fashioned" cheio de cubos de gelo, adicionar uma pequena porção de água gaseificada e enfeitar com meia fatia de laranja.

Cultura popularEditar

O coquetel foi a primeira bebida pedida por James Bond no romance de estreia Casino Royale da série de Ian Fleming. No conto From a View to a Kill do livro For Your Eyes Only, Bond escolhe um Americano como uma bebida apropriada para um mero café; sugerindo que "em um café você deve tomar o drinque menos ofensivo que uma comédia musical carrega com ela."[7][8] Bond sempre exigia Perrier, pois em sua opinião, soda cara era o meio mais barato de melhorar uma bebida ruim.

Ver tambémEditar

O wikilivro Bartending tem uma página sobre Americano

Ligações ExternasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Americano (coquetel)

Referências

  1. «The Unforgettables». International Bartenders Association. Consultado em 26 de janeiro de 2016 
  2. a b c d e Colleen Graham (9 de julho de 2017). «The Americano: A Classic Campari Drink With a Great Story». The Spruce. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  3. «Evolution 101: The Negroni». Cocktaildudes. 24 de julho de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  4. «Americano». DrinkBoy. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  5. a b Jeffrey Morgenthaler (11 de março de 2015). «The Curious Evolution Of The Americano - Food Republic». Food Republic. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  6. «AMERICANO | International Bartenders Association». International Bartenders Association. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  7. Fleming, Ian (2004). From a View to a Kill. The Complete James Bond Short Stories. Nova York: [s.n.] 279 páginas. ISBN 0143114581 
  8. «Mundialmente Americano». Barman School. Consultado em 8 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 8 de janeiro de 2018