Anã laranja

Uma anã laranja, também conhecida como anã K ou estrela de classe K da sequência principal, é uma estrela de sequência principal (queima de hidrogênio) de tipo espectral K e classe de luminosidade V. Essas estrelas são intermediárias em tamanho entre as anãs vermelhas da sequência principal de classe M e anãs amarelas da sequência principal de classe G. Têm massas entre 0.5 e 0.8 vezes a massa do Sol[1] e temperaturas de superfície entre 3.900 e 5.200 K.[2] Essas estrelas são de particular interesse na busca por vida extraterrestre. Exemplos bem conhecidos incluem Alpha Centauri B (K1 V) e Epsilon Indi (K5 V).[3]

Padrão espectral de estrelasEditar

Propriedades de estrelas típicas da sequência principal de classe K[4][5]
Tipo
espectral
Massa
(M)
Luminosidade
(L)
Temperatura
efetiva

(K)
Índice
de cor

(B − V)
K0V 0.88 0.46 5.270 0.82
K1V 0.86 0.41 5.170 0.86
K2V 0.82 0.37 5.100 0.88
K3V 0.78 0.28 4.830 0.99
K4V 0.73 0.20 4.600 1.09
K5V 0.70 0.17 4.440 1.15
K6V 0.69 0.14 4.300 1.24
K7V 0.64 0.10 4.100 1.34
K8V 0.62 0.087 3.990 1.36
K9V 0.59 0.079 3.930 1.40

O sistema Yerkes Atlas revisado (Johnson & Morgan 1953)[6] listou 12 estrelas padrão espectrais anãs de classe K, no entanto, nem todas sobreviveram até hoje como padrões. Os "pontos de ancoragem" do sistema de classificação MK entre as estrelas anãs da sequência principal de classe K, ou seja, aquelas estrelas padrão que permaneceram inalteradas ao longo dos anos, são:[7]

Outras estrelas principais do padrão MK incluem:[8]

Com base no exemplo definido em algumas referências (por exemplo, Johnson & Morgan 1953,[9] Keenan & McNeil 1989),[8] muitos autores consideram o passo entre K7 V e M0 V como uma única subdivisão, e as classificações K8 e K9 raramente são vistos. Alguns exemplos, como HIP 111288 (K8V) e HIP 3261 (K9V), foram definidos e usados.[10]

ExoplanetasEditar

Essas estrelas são de particular interesse na busca por vida extraterrestre[11] porque são estáveis na sequência principal por um longo tempo (18 a 34 bilhões de anos, em comparação com 10 bilhões para o Sol).[11] Como estrelas de classe M, elas tendem a ter uma massa muito pequena, levando a sua longevidade extremamente longa, que oferece muito tempo para que a vida se desenvolva em planetas terrestres em órbita semelhantes à Terra. Além disso, estrelas de classe K emitem menos radiação ultravioleta (que pode danificar o DNA e, portanto, dificultar o surgimento de vida baseada em ácido nucléico) do que estrelas de classe G como o Sol. Na verdade, muitos atingem o pico no vermelho.[12] As estrelas da sequência principal de classe K também são cerca de três a quatro vezes mais abundantes do que as estrelas da sequência principal de classe G, tornando a busca de planetas mais fácil.[13] Embora estrelas de classe M também sejam muito abundantes, é mais provável que tenham planetas bloqueados por maré em órbita e sejam mais propensas a produzir erupções solares que atingiriam mais facilmente planetas rochosos próximos, tornando muito mais difícil o desenvolvimento de vida. Devido ao seu maior calor, as zonas habitáveis das estrelas de classe K também são muito mais largas do que as das estrelas de classe M. Por todas essas razões, podem ser as estrelas mais favoráveis para se focar na busca por exoplanetas e vida extraterrestre.

Algumas das estrelas de classe K mais próximas conhecidas por terem planetas incluem Epsilon Eridani, HD 192310, Gliese 86 e 54 Piscium.

Veja tambémEditar

Referências

  1. E. Mamajek (2011). «A Modern Mean Stellar Color and Effective Temperatures (Teff) # Sequence for O9V-Y0V Dwarf Stars». Consultado em 5 de junho de 2019 
  2. Habets, G. M. H. J.; Heintze, J. R. W. (1981). «Empirical bolometric corrections for the main-sequence». Astronomy and Astrophysics Supplement Series. 46. 193 páginas. Bibcode:1981A&AS...46..193H Tables VII, VIII
  3. [http://simbad.u-strasbg.fr/simbad/sim-basic?Ident=Alpha+Centauri+B «Alpha Centauri B»] Verifique valor |url= (ajuda). SIMBAD. Centre de données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 5 de junho de 2019 
  4. Pecaut, Mark J.; Mamajek, Eric E. (1 de setembro de 2013). «Intrinsic Colors, Temperatures, and Bolometric Corrections of Pre-main-sequence Stars». The Astrophysical Journal Supplement Series. 208. 9 páginas. ISSN 0067-0049. arXiv:1307.2657 . doi:10.1088/0067-0049/208/1/9 
  5. Mamajek, Eric (2 de março de 2021). «A Modern Mean Dwarf Stellar Color and Effective Temperature Sequence». University of Rochester, Department of Physics and Astronomy. Consultado em 5 de julho de 2021 
  6. Johnson, H. L.; Morgan, W. W. (1953). «Fundamental stellar photometry for standards of spectral type on the Revised System of the Yerkes Spectral Atlas». The Astrophysical Journal. 117. 313 páginas. Bibcode:1953ApJ...117..313J. doi:10.1086/145697 
  7. Robert F. Garrison. «MK ANCHOR POINTS». Consultado em 5 de junho de 2019 
  8. a b Keenan, Philip C.; McNeil, Raymond C. (1989). «The Perkins Catalog of Revised MK Types for the Cooler Stars». The Astrophysical Journal Supplement Series. 71. 245 páginas. Bibcode:1989ApJS...71..245K. doi:10.1086/191373 
  9. Johnson, H. L.; Morgan, W. W. (1953). «Fundamental stellar photometry for standards of spectral type on the Revised System of the Yerkes Spectral Atlas». The Astrophysical Journal. 117. 313 páginas. Bibcode:1953ApJ...117..313J. doi:10.1086/145697 
  10. Pecaut, Mark J.; Mamajek, Eric E. (2013). «Intrinsic Colors, Temperatures, and Bolometric Corrections of Pre-main-sequence Stars». The Astrophysical Journal Supplement Series. 208 (1). 9 páginas. Bibcode:2013ApJS..208....9P. arXiv:1307.2657 . doi:10.1088/0067-0049/208/1/9  Parâmetro desconhecido |s2cid= ignorado (ajuda)
  11. a b David Shiga (6 de maio de 2009). «Orange stars are just right for life» (em inglês). New Scientist. Consultado em 5 de junho de 2019 
  12. Charles Q. Choi (14 de março de 2014). «Super-Habitable World May Exist Near Earth». Consultado em 5 de junho de 2019 
  13. «Orange stars are just right for life». 6 de maio de 2009. Consultado em 5 de junho de 2019