Anel de Giges

(Redirecionado de Anel de Gyges)

O "Anel de Giges" /ˈˌz/ (em grego antigo: Γύγου Δακτύλιος, Gýgou Daktýlios, Pronúncia grega: [ˈɡyːˌɡoː dakˈtylios] é um artefato mítico e mágico mencionado pelo filósofo Platão no segundo livro de A República (2:359a–2:360d).[1] O objeto concede ao possuidor o poder de tornar-se invisível à vontade. Por intermédio da metáfora do anel, A República considera se uma pessoa inteligente seria justa se não temesse qualquer reputação por cometer injustiças.

MitologiaEditar

Giges da Lídia foi um rei histórico, fundador da dinastia mermnada de reis lídios. Variadas obras clássicas — a mais conhecida sendo Histórias de Heródoto[2] — proveram diferentes relatos das circunstâncias que propiciaram sua ascensão ao poder.[3] Na narrativa do mito por Glaucon, é um ancestral anônimo de Giges que o protagoniza.[4]

A RepúblicaEditar

Glaucon postula a Sócrates:

Suponha agora que sejam dois tais anéis mágicos, e o justo põe um deles e o injusto o outro; nenhum homem pode ser imaginado como sendo de tal natureza ferrenha que ele permaneceria sustentado na justiça. Nenhum homem poderia manter suas mãos longe do que não fosse seu quando ele pudesse, com segurança, tomar o que quisesse do mercado, ou entrar em casas e deitar-se com qualquer um a seu bel-prazer, ou matar ou libertar da prisão os que ele quis, e em todos os aspectos ser como um deus dentre homens.

Então as ações do justo seriam como as ações do injusto; eles chegariam finalmente ao mesmo ponto. E isto nós podemos verdadeiramente afirmar ser uma grande prova de que um homem é justo, não por sua vontade ou porque ele acha que a justiça é algum bem para ele individualmente, mas por necessidade, pois onde quer que qualquer um pense que se pode ser injusto com segurança, lá ele é injusto.

Para todos os homens que creem em seus corações que a injustiça é deveras mais proveitosa ao indivíduo que a justiça, aquele que argumenta como eu fui supondo, dirá que eles estão certos. Se tu puderes imaginar alguém obtendo este poder de se tornar invisível, e nunca fazer nada errado ou tocar o que era de outrem, ele seria considerado pelos observadores como o mais miserável idiota, ainda que eles o elogiassem um para o outro, e mantivessem as aparências uns com os outros pelo medo de que eles também possam sofrer injustiça.
Original (em inglês): A República, 360
— Platão (em inglês)

Influência culturalEditar

Cícero recorda a história de Giges em De Officiis para ilustrar sua tese de que um sábio ou bom indivíduo baseia suas decisões no medo da degradação moral ao invés do medo da punição ou consequências negativas. Cícero segue com uma discussão a respeito do papel dos experimentos mentais na filosofia. A situação hipotética em questão é a completa imunidade à punição para o conseguido por Giges através de seu anel.[5]

O Um Anel — presente em O Hobbit e O Senhor dos Anéis, de John Tolkien — concede invisibilidade ao usuário ao mesmo tempo em que o corrompe. Embora haja especulação[6] de que Tolkien foi influenciado pela história de Platão, uma pesquisa por "Giges" e "Platão" em suas cartas e biografia não provê evidência para tal. Ao contrário do anel de Platão, o de Tolkien exerce uma ativa força malévola que necessariamente destrói a moralidade do portador.[7]

O Homem Invisível de Herbert Wells tem como base uma releitura do conto do anel de Giges.[8]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Laird, Andrew (2001). «Ringing the Changes on Gyges: Philosophy and the Formation of Fiction in Plato's Republic». The Journal of Hellenic Studies (em inglês). 121: 12–29. JSTOR 631825. doi:10.2307/631825 
  2. Heródoto. Histórias. [S.l.: s.n.] 1.7–13 
  3. Smith, Kirby F. (1902). «The Tale of Gyges and the King of Lydia» 4 ed. Jornal Americano de Filologia (em inglês). 23: 361–387. JSTOR 288700 
  4. A República 359d: τῷ [Γύγου] τοῦ Λυδοῦ προγόνῳ. Na República, décimo livro (A República 612b), Sócrates refere-se ao anel como "o anel de Giges" (τὸν Γύγου δακτύλιος/δακτύλιον). Por esta razão, a história é simplesmente intitulada "O Anel de Giges".
  5. Cícero. De Officiis (em latim). [S.l.: s.n.] 3.38–39 
  6. Dorbolo, Jon (2002). «Plato: Ethics - Ring of Gyges» (em inglês). Universidade do Estado do Oregon. Consultado em 31 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 6 de maio de 2019 
  7. Tolkien, John. «The Shadow of the Past». O Senhor dos Anéis. Col: livro I (em inglês). [S.l.: s.n.] capítulo II 
  8. Holt, Philip (julho de 1992). «H.G. Wells and the Ring of Gyges» 57 ed. Science Fiction Studies (em inglês). 19. parte II. JSTOR 4240153. Consultado em 31 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2019 

Ligações externasEditar


  Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.