Anicet-Georges Dologuélé

político centro-africano
Anicet-Georges Dologuélé
Anicet Georges Dologuele, como candidato nas eleições presidenciais de 2015
Primeiro-Ministro
Período 1999 a 2001
Alma mater Universidade de Bordeux
Partido URCA

Anicet-Georges Dologuélé (17 de abril de 1957) é um político da África Central que foi Primeiro Ministro da República Centro-Africana, de 4 de janeiro de 1999 a 1 de abril de 2001. Posteriormente, ele foi Presidente do Banco de Desenvolvimento dos Estados da África Central (BDEAC), de 2001 a 2010.

CarreiraEditar

Dologuélé foi Ministro das Finanças e do Orçamento no governo do Primeiro Ministro Michel Gbezera-Bria e, posteriormente, atuou como Primeiro Ministrom, de 1999 a 2001.[1] Como Primeiro Ministro, Dologuélé, que não era membro do Movimento Governante de Libertação do Povo da África Central (MLPC), enfrentou hostilidade por parte do partido; em 1 de abril de 2001, foi demitido pelo presidente Ange-Félix Patassé e substituído por Martin Ziguélé . Dologuélé criticou essa decisão por colocar considerações políticas à frente da "boa administração". [2]

Dologuélé foi nomeado chefe do BDEAC, permanecendo nesse cargo por mais de oito anos; ele foi substituído por Mickaël Adandé do Gabão em janeiro de 2010. [3]

Em outubro de 2013, Dologuélé fundou um partido político, a União para a Renovação Centro-Africana (URCA). Ele também planejava se candidatar na próxima eleição presidencial.[4] Quando a campanha começou, para a eleição prevista de 27 de dezembro de 2015, Dologuélé se apresentou como candidato à paz e à inclusão. Ele declarou que "nunca segurou uma arma" e disse que o ex-presidente François Bozizé, expatriado e exilado, impedido de participar das eleições, seria capaz de desempenhar um papel não especificado nos assuntos nacionais. O partido Kwa Na Kwa de Bozizé apoiou Dologuélé. [5] Enquanto, cerca de trinta candidatos concorreram, apenas Dologuélé e Faustin-Archange Touadéra se classificaram para o segundo turno, em 14 de fevereiro de 2016. Ele foi derrotado por Touadéra no segundo turno, de 62% a 37%. [6] Embora Dologuélé tenha alegado fraude, ele afirmou que "por uma questão de paz" ele aceitou os resultados oficiais, não apelou e "reconheceu Faustin-Archange Touadéra como líder de todos os africanos centrais". [7]

Na eleição parlamentar de fevereiro-março de 2016, Dologuélé foi eleito para a Assembleia Nacional, como o candidato URCA, no primeiro círculo eleitoral de Bocaranga, vencendo no segundo turno com 75,33% dos votos. [8]

Referências

  1. «Le gouvernement de Centrafrique du 18 février 1997». Afrique Express (em French). Consultado em 2 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2007 
  2. «Que va faire Dologuélé ?». Jeune Afrique (em French). 10 de abril de 2001. Consultado em 2 de novembro de 2016 
  3. Meyer, Jean-Michel (1 de fevereiro de 2010). «BDEAC : Anicet-Georges Dologuéle, victime collatérale». Jeune Afrique (em French). Consultado em 2 de novembro de 2015 
  4. «RCA : naissance d'un nouveau parti de l'opposition». Radio France Internationale (em French). 26 de outubro de 2013. Consultado em 2 de Novembro de 2016 
  5. «Campaign takes off in C. Africa as 30 vie for president». Yahoo! News. 22 de dezembro de 2015. Consultado em 2 de novembro de 2016 
  6. Bradshaw & Fandos-Rius 2016, p. 49.
  7. Dembassa-Kette, Crispin (20 de fevereiro 2016). «Ex-PM Touadera wins Central African Republic presidential vote». Yahoo! News. Consultado em 2 de novembro 2016 
  8. «Législatives 2eme tour - Résultats provisoires circonscription(s)» (em French). National Elections Authority. 5 de abril 2016. p. 9. Consultado em 2 de novembro 2016 .