António Marques Esparteiro


António Marques Esparteiro
Nascimento 21 de outubro de 1898
Abrantes
Morte 1976 (78 anos)
Cidadania Portugal
Ocupação escritor, historiador
Prêmios Grande-Oficial da Ordem Militar de Avis, Comendador da Ordem Militar de Avis, Oficial da Ordem Militar de Avis

António Marques Esparteiro OAComAGOAMPMMMOCE (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 21 de Outubro de 1898 - 1976), Oficial da Marinha, dicionarista e historiador. Passou à reserva como capitão-de-mar-e-guerra em 21 de Outubro de 1958.

FamíliaEditar

Filho de Luís Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, 1868 - ?), Comerciante, e de sua mulher Engrácia Lopes (1867 - ?). Era irmão de Jesovina Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 1891), Manuel Marques Esparteiro, Joaquim Marques Esparteiro, também um notável oficial da Marinha e governador de Macau, Eduardo Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 1896), Vitorino Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 1900), Jacinta Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 1902) e Exaltina Marques Esparteiro (Abrantes, Mouriscas, Engarnais Cimeiros, 1905), os quais todos estudaram e foram pessoas de relevo.[1]

BiografiaEditar

Frequentou o Curso da Escola Naval, tirou o Curso de Artilharia no Royal Naval College de Greenwich e na Gunnery School de Portsmouth e o Curso Naval de Guerra.[2]

Foi diretor da Escola de Alunos Marinheiros em 1927, e dos Serviços Marítimos. Comandou o torpedeiro Lis, o vapor Lidador e o aviso Afonso de Albuquerque. Pertenceu à Missão Naval da Fiscalização dos Avisos de 1.ª Classe construídos na Grã-Bretanha e Irlanda. Comandou também a Defesa Marítima do Porto de Leixões e Barra do Douro em 1943, com o posto de Capitão-Tenente, e ainda, interinamente, as Forças Navais do Estado da Índia.[2]

Condecorações[2][3]Editar

PublicaçõesEditar

No âmbito da sua profissão publicou diversos estudos e manuais técnico-navais, destacando-se também pela investigação histórica que levou a cabo e sobretudo pelo admirável Dicionário Ilustrado de Marinha (1936).

Publicou as seguintes obras[4]:

  • Questionário de Marinharia, Lisboa, 1928 (tem 5 edições);
  • Manual de Embarcações Miúdas (edição do Ministério da Marinha), Lisboa, 1931;
  • Peça Skoda de 67,5 m/m (edição do Ministério da Marinha), Lisboa, 1931;
  • A B C do Aluno Marinheiro, Lisboa, 1932;
  • Dicionário Ilustrado de Marinharia, Livraria Clássica Editora, Lisboa, 1936 (Lisboa, 1943 - 2.ª edição);
  • Quartos (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 1 a 2), Lisboa, 1940;
  • Panoramas Navais (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 4 a 6), Lisboa, 1940;
  • Subsídios para a História da Marinha de Guerra: Fragata D. Fernando e Glória (separata de Petrus Nonius, Vol. III, f. 2), Lisboa, 1940;
  • Causas da Decadência e do Ressurgimento da Marinha. Séculos XVI e XVIII (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 9 a 10), Lisboa, 1940;
  • Comandos e Manobras de Vela (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 11 a 12), Lisboa, 1940;
  • Paramina - Tipo B.V. (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 1 a 2), Lisboa, 1941;
  • Os Desvios no tiro anti-aéreo (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 3 a 4), Lisboa, 1941;
  • Corveta «Mindelo» (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 5 a 8), Lisboa, 1941;
  • A Tecnologia Naval nos Lusíadas (separata de Etnos, Vol. II), Lisboa, 1941;
  • O último cruzeiro do «Graf Spee», Lisboa, 1941;
  • A Acção do Oficial imediato a bordo (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 1 a 2), Lisboa, 1942;
  • Corveta «Rainha de Portugal» (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 5 a 10), Lisboa, 1942;
  • O Desembarque na Terceira em 1829 (separata de Defesa Nacional, n.ºs 102 a 104), Lisboa, 1942;
  • Navio-escola «Sagres» (separata de Petrus Nonius, Vol. V, f. 1-2), Lisboa, 1942;
  • Amarrações fixas (separata dos Anais do Club Militar Naval, n.ºs 3 a 4), Lisboa, 1943;
  • Fragata «Rainha de Portugal», Lisboa, 1943;
  • O Almirante Marquês de Nisa, com a colaboração de António Maria Pereira, Edições Culturais da Marinha, Lisboa, 1944;
  • Arte de Velejar, Editora Marítimo-Colonial, Lisboa, 1945.

Foi colaborador da Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira.[5]

Referências

  1. «Cópia arquivada». Consultado em 14 de dezembro de 2012. Arquivado do original em 5 de janeiro de 2013 
  2. a b c "Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira", Editorial Enciclopédia, Volume Dez ESCAR - FEBRA, p. 213
  3. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "António Marques Esparteiro". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 16 de maio de 2014 
  4. "Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira", Editorial Enciclopédia, Volume Dez ESCAR - FEBRA, pp. 213 e 214
  5. "Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira", Editorial Enciclopédia, Volume Dez ESCAR - FEBRA, p. 214

FontesEditar

  • TEIXEIRA, Manuel. Marinheiros Ilustres Relacionados com Macau, Macau, Centro de Estudos Marítimos, 1988, pp. 208–209.