Apeadeiro de Castelãos

apeadeiro em Portugal

O Apeadeiro de Castelãos é uma interface encerrada da Linha do Tua, que servia a localidade de Castelãos, no Concelho de Macedo de Cavaleiros, em Portugal.

Castelãos
Linha(s): Linha do Tua (PK 85,280)
Coordenadas: 41°31′32.99″N × 6°55′47.14″W

(≍+41.52583;−6.92976)

(mais mapas: 41° 31′ 32,99″ N, 6° 55′ 47,14″ O)
Concelho: bandeiraMacedo de Cavaleiros
Inauguração:
Encerramento: 15 de dezembro de 1991 (há 30 anos)
Disambig grey.svg Nota: Para outras interfaces ferroviárias com nomes semelhantes ou relacionados, veja Apeadeiro de Castelejo.

DescriçãoEditar

O abrigo de plataforma situava-se do lado sul da via (lado direito do sentido ascendente, a Bragança).[1] Castelãos é um de vários apeadeiros da Linha do Tua situados junto a passagens de nível, onde a própria casa do guarda desta fornecia um coberto para os passageiros (outros apeadeiros com esta caraterística eram Rebordãos, Remisquedo, e Salselas, todos no lanço entre Mirandela e Bragança)[carece de fontes?]. Esta passagem de nível em Castelãos cruza a EN216.[carece de fontes?]

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: Linha do Tua § História

Este apeadeiro situava-se na secção entre Macedo de Cavaleiros e Sendas, que foi aberto à exploração em 18 de Dezembro de 1905.[2] No entanto, não fazia parte originalmente deste troço, tendo em 25 de Janeiro de 1932 os comboios correios e mistos começado a parar na chamada Passagem de Nível de Castelões, ao quilómetro 85,300, apenas para embarque e desembarque de passageiros.[3] Em 1933, a Companhia Nacional de Caminhos de Ferro estabeleceu aqui uma paragem, tendo construído uma gare e um alpendre junto à casa do guarda da passagem de nível, para abrigar os passageiros.[4]

Em 1946, foi assinada a escritura da transferência da concessão da Companhia Nacional para a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, que iniciou a exploração da Linha do Tua em 1 de Janeiro do ano seguinte.[5]

O troço entre Mirandela e Bragança foi encerrado no dia 15 de Dezembro de 1991.[6]

Ver tambémEditar

Referências

  1. (anónimo): Mapa 20 : Diagrama das Linhas Férreas Portuguesas com as estações (Edição de 1985), CP: Departamento de Transportes: Serviço de Estudos: Sala de Desenho / Fergráfica — Artes Gráficas L.da: Lisboa, 1985
  2. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 6 de Janeiro de 2015 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  3. «Linhas portuguesas» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 45 (1059). 1 de Fevereiro de 1932. p. 66. Consultado em 6 de Janeiro de 2015 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  4. «O que se fez nos Caminhos de Ferro em Portugal no ano de 1933» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 47 (1106). 16 de Janeiro de 1934. p. 49-52. Consultado em 6 de Janeiro de 2015 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  5. REIS et al, 2006:62-63
  6. «CP retira automotoras de Bragança». Público. Ano 3 (955). 15 de Outubro de 1992. p. 56 

BibliografiaEditar

  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.