Abrir menu principal

Partido Trabalhista (Noruega)

(Redirecionado de Arbeiderpartiet)
Partido Trabalhista
Arbeiderpartiet
Arbeidarpartiet
Líder Jonas Gahr Støre
Fundação 1887
Sede Oslo,  Noruega
Ideologia Social-democracia
Progressismo
Europeísmo
Espectro político Centro-esquerda
Ala jovem Liga da Juventude dos Trabalhadores
Membros  (2011) 55.869
Afiliação internacional Aliança Progressista
Afiliação europeia Partido Socialista Europeu
Storting
55 / 169
Cores Vermelho
Página oficial
www.dna.no

O Partido Trabalhista (em norueguês bokmål Arbeiderpartiet; em nynorsk Arbeidarpartiet; A/Ap), anteriormente conhecido como Partido Trabalhista Norueguês, é um partido político de ideologia social-democrata da Noruega.[1][2][3][4] Foi o parceiro-sênior da Coalizão Vermelha-Verde de 2005 a 2013, e seu líder, Jens Stoltenberg, foi primeiro-ministro da Noruega durante esse período. O partido é atualmente liderado por Jonas Gahr Støre.

O Partido Trabalhista está oficialmente comprometido com os ideais social-democratas. Seu slogan desde a década de 1930 é "todos devem participar", e o partido tradicionalmente busca um forte estado de bem-estar social, financiado por impostos e taxas.[5] Desde a década de 1980, o partido incluiu mais dos princípios de uma economia social de mercado em sua política, permitindo a privatização de ativos e serviços estatais e reduzindo a progressividade do imposto de renda, após a onda de liberalização econômica durante a década de 1980. Durante o primeiro governo de Stoltenberg, as políticas do partido foram inspiradas no New Labour de Tony Blair no Reino Unido e viram a privatização mais difundida por qualquer governo norueguês até aquela data.[6] O partido tem sido frequentemente descrito como cada vez mais neoliberal desde os anos 1980, tanto por cientistas políticos quanto por opositores à esquerda.[7]

O Partido Trabalhista se apresenta como um partido progressista que assina a cooperação em nível nacional e internacional. Sua ala jovem é a Liga da Juventude dos Trabalhadores (em bokmål: Arbeidernes ungdomsfylking; em nynorsk: Arbeidarane si ungdomsfylking). O partido é membro do Partido Socialista Europeu e da Aliança Progressista. O Partido Trabalhista sempre apoiou fortemente a adesão da Noruega à OTAN e apoiou a adesão da Noruega à União Europeia. Durante a Guerra Fria, quando o partido estava no governo na maior parte do tempo, a Noruega se tornou estreitamente alinhada com os Estados Unidos no nível internacional e seguiu uma política anticomunista no nível interno, fazendo com que a Noruega se tornasse um membro fundador da OTAN em 1949.[8]

Fundado em 1887, o partido aumentou constantemente de apoio até se tornar o maior partido da Noruega nas eleições de 1927; uma posição que ocupou desde então. Este ano também viu a consolidação de conflitos em torno do partido durante a década de 1920, após sua participação na Internacional Comunista de 1919 a 1923. Ele formou um governo pela primeira vez em 1928 e lidera o governo há quase dezesseis anos desde 1935. De 1945 a 1961, o partido teve uma maioria absoluta no parlamento norueguês, a única vez que isso aconteceu na história da Noruega. A dominação eleitoral pelo Partido Trabalhista, durante os anos 1960 e início dos anos 1970, foi inicialmente interrompida pela competição de pequenos partidos de esquerda; principalmente do Partido Popular Socialista. A partir do final da década de 1970, no entanto, o partido começou a perder os eleitores devido a um aumento nos partidos de direita, levando a uma oscilação da direita para o Partido Trabalhista no governo da premiê Gro Harlem Brundtland durante a década de 1980. Em 2001, o partido alcançou seus piores resultados desde as eleições de 1924. Entre 2005 e 2013, o Partido Trabalhista voltou ao poder depois de se comprometer com um acordo de coalizão com outros partidos para formar um governo majoritário.[5] Desde que perdeu nove cadeiras no Storting, o parlamento norueguês, nas eleições de 2013, o Partido Trabalhista faz parte da oposição. O partido perdeu mais seis cadeiras nas eleições de 2017, o segundo menor número de assentos que os trabalhistas ocuparam desde 1924.[carece de fontes?]

HistóriaEditar

O partido foi fundado em 1887[9] em Arendal e disputou pela primeira vez as eleições para o Parlamento da Noruega em 1894. Entrou no Parlamento em 1904 após as eleições de 1903 e aumentou seu voto até 1927, quando se tornou o maior partido da Noruega. O partido foi membro da Internacional Comunista entre 1918 e 1923.[10]

Desde a criação do jornal Vort Arbeide em 1884, o partido teve uma organização crescente e notável de jornais e outros meios de comunicação. O sistema de imprensa do partido acabou resultando em Norsk Arbeiderpresse ("Imprensa Trabalhista Norueguesa", atual A-pressen). Em janeiro de 1913, o partido possuía 24 jornais e mais 6 foram fundados em 1913. O partido também possuía o periódico Det 20de Aarhundre.[11] Em 1920, o partido possuía 33 jornais e 6 jornais semi-afiliados.[12] O partido tinha sua própria editora, a Det norske Arbeiderpartis forlag, sucedida pela Tiden Norsk Forlag. Além de livros e panfletos, a Det norske Arbeiderpartis forlag publicou Maidagen (publicação anual do Dia do Trabalhador), Arbeidets Jul (publicação anual de Natal) e Arbeiderkalenderen (um calendário).[12]

Desde suas raízes como uma alternativa radical ao establishment político, o partido cresceu a sua dominação atual por várias épocas:

DissidênciasEditar

O partido sofreu uma cisão em 1921, causada por uma decisão tomada dois anos antes de ingressar na Internacional Comunista, e o Partido Social-Democrata Trabalhista da Noruega foi formado. Em 1923, o partido deixou a Internacional Comunista, enquanto uma minoria significativa de seus membros deixou o partido para formar o Partido Comunista da Noruega. Em 1927, os social-democratas foram reunidos ao trabalho. Alguns comunistas também se uniram ao Partido Trabalhista, enquanto outros tentaram um fracassado esforço de fusão que culminou na formação do Partido Unificado da Classe Trabalhadora.

Décadas de 1930 e 1940Editar

Em 1928, Christopher Hornsrud formou o primeiro governo do Partido Trabalhista; durou apenas duas semanas. Durante o início dos anos 1930, o Partido Trabalhista abandonou seu perfil revolucionário e estabeleceu um caminho reformista. Os trabalhistas voltaram ao governo em 1935 e permaneceram no poder até 1965 (exceto no período de exílio durante a Segunda Guerra Mundial entre 1940-1945 e durante um mês em 1963). Durante a maior parte dos primeiros vinte anos após a Segunda Guerra Mundial, Einar Gerhardsen liderou o partido e o país. Ele é freqüentemente chamado de "Landsfaderen" (pai da nação) e é geralmente considerado um dos principais arquitetos da reconstrução da Noruega após a Segunda Guerra Mundial. Essa é frequentemente considerada como a "era de ouro" do Partido Trabalhista Norueguês. O partido foi membro da Internacional Operária e Socialista entre 1938 e 1940.[13]

Revolta de PáscoaEditar

Em 1958, dois membros da Liga da Juventude dos Trabalhadores (Berge Furre e Kåre Sollund) entraram em contato com os deputados do Partido Trabalhista, para que os deputados assinassem uma petição, como parte do que é conhecido como a Revolta de Páscoa do Partido Trabalhista. Todos os deputados que assinaram, exceto um, mais tarde retiraram suas assinaturas.[14]

Outros períodos de liderança do Partido Trabalhista no governo nacional foram 1971-1972, 1973-1981, 1986-1989, 1990-1997 e 2000-2001.[carece de fontes?]

Século XXIEditar

Nas eleições de 2001, o partido alcançou um ponto baixo de 24,3% do voto popular, mas ainda era o maior partido no Parlamento. Nas eleições de 2005, o partido recuperou o apoio e recebeu 32,7% do voto popular. Foi o principal parceiro da Coalizão Vermelha-Verde, de centro-esquerda, que conquistou a maioria nas eleições de 2005. O líder trabalhista Jens Stoltenberg se tornou primeiro-ministro e liderou um governo de coalizão, o primeiro do qual o Partido Trabalhista fez parte. Stoltenberg foi anteriormente primeiro-ministro de 2000 a 2001.

Em 2011, o partido mudou seu nome oficial de Partido Trabalhista Norueguês (Det norske arbeiderparti) para Partido Trabalhista (Arbeiderpartiet). A mudança de nome foi feita devido a alegação de que houve confusão entre os eleitores nas mesas de votação devido à diferença entre o nome oficial, Partido Trabalhista da Noruega e o nome de uso comum "Partido Trabalhista".[15]

Em 22 de julho de 2011, um terrorista abriu fogo no acampamento de jovens do Partido Trabalhista (13 a 25 anos), matando 69 pessoas e matando mais 8 em Oslo ao explodir uma bomba na direção de um prédio do governo (liderado pelo Partido Trabalhista).

Na eleição de 2013, a coalizão liderada pelo partido perdeu a eleição, mas o Partido Trabalhista continua ainda sendo um dos maiores partidos do parlamento. Esta eleição terminou o governo de quase dez anos de Stoltenberg. Stoltenberg permaneceu como líder do partido, mas deixou o cargo quando foi nomeado Secretário Geral da OTAN. Jonas Gahr Støre foi escolhido como novo líder do partido em 14 de junho de 2014.[16] Em 2017, o partido foi alvo de hackers suspeitos de serem da Rússia.[17]

OrganizaçãoEditar

Segundo dados de 2015, o partido possui cerca de 56.000 membros.[18] Eles são organizados em nível de condados, municípios e em cerca de 2.500 associações locais.[19]

O órgão supremo do partido é o Congresso do Partido, que é realizado a cada dois anos. O órgão mais alto entre os congressos é a Reunião dos Delegados Nacionais, composta pelo Conselho Executivo e dois delegados de cada um dos 19 municípios.[19]

O conselho executivo é composto por 16 membros eleitos, além da liderança do partido.[19] Desde 2015, a liderança é composta pelo líder do partido Jonas Gahr Støre, os vice-líderes Hadia Tajik e Trond Giske e a secretária-geral Kjersti Stenseng. O partido variou entre ter um dos dois vice-líderes.[carece de fontes?]

Desde 2005, o partido tem uma política que exige paridade de gênero total em cada nível da organização acima da filiação comum.[20]

A ala jovem do partido é a Liga da Juventude dos Trabalhadores e há uma rede de mulheres dentro do partido.[20] O partido participa das eleições para o Parlamento Lapão da Noruega e o trabalho relacionado a isso tem sua própria estrutura organizacional com sete grupos locais, um congresso semestral, um conselho nacional e o grupo trabalhista no Parlamento Lapão.[21]

Resultados eleitoraisEditar

Eleições legislativasEditar

Data CI. Votos % +/- Deputados +/- Status
1894 3.º 520
0,3 / 100,0
0 / 114
Extra-parlamentar
1897 3.º 947
0,6 / 100,0
 0,3
0 / 114
  Extra-parlamentar
1900 3.º 7 013
3,0 / 100,0
 2,4
0 / 114
  Extra-parlamentar
1903 3.º 22 948
9,7 / 100,0
 6,7
5 / 117
 5 Oposição
1906 3.º 43 134
15,9 / 100,0
 6,2
10 / 123
 5 Oposição
1909 3.º 91 268
21,5 / 100,0
 5,6
11 / 123
 1 Oposição
1912 3.º 128 455
26,3 / 100,0
 4,8
23 / 123
 12 Oposição
1915 2.º 198 111
32,1 / 100,0
 5,8
19 / 123
 4 Oposição
1918 1.º 209 560
31,6 / 100,0
 0,5
18 / 126
 1 Oposição
1921 2.º 192 616
21,3 / 100,0
 10,3
29 / 150
 11 Oposição
1924 3.º 179 567
18,4 / 100,0
 2,9
24 / 150
 5 Oposição
1927 1.º 368 106
36,8 / 100,0
 18,4
59 / 150
 35 Oposição
1930 1.º 374 854
31,4 / 100,0
 5,4
47 / 150
 12 Oposição
1933 1.º 500 526
40,1 / 100,0
 8,7
69 / 150
 22 Oposição
1936 1.º 618 616
42,5 / 100,0
 2,4
70 / 150
 1 Governo
1945 1.º 609 348
41,0 / 100,0
 1,5
76 / 150
 6 Governo
1949 1.º 803 471
45,7 / 100,0
 4,7
85 / 150
 9 Governo
1953 1.º 830 448
46,7 / 100,0
 1,0
77 / 150
 8 Governo
1957 1.º 865 675
48,3 / 100,0
 1,6
78 / 150
 1 Governo
1961 1.º 860 526
46,8 / 100,0
 1,5
74 / 150
 4 Governo
1965 1.º 883 320
43,1 / 100,0
 3,7
68 / 150
 6 Oposição
1969 1.º 1 004 348
46,5 / 100,0
 3,4
74 / 150
 6 Oposição
1973 1.º 759 499
35,3 / 100,0
 11,2
62 / 155
 12 Governo
1977 1.º 972 434
42,3 / 100,0
 7,0
76 / 155
 14 Governo
1981 1.º 914 749
37,1 / 100,0
 5,2
65 / 155
 11 Oposição
1985 1.º 1 061 712
40,8 / 100,0
 3,7
71 / 157
 6 Oposição
1989 1.º 907 393
34,3 / 100,0
 6,5
63 / 165
 8 Oposição
1993 1.º 908 724
36,9 / 100,0
 2,6
67 / 165
 4 Governo
1997 1.º 904 362
35,0 / 100,0
 1,9
65 / 165
 2 Oposição
2001 1.º 612 632
24,3 / 100,0
 10,7
43 / 165
 22 Oposição
2005 1.º 862 456
32,7 / 100,0
 8,4
61 / 169
 18 Governo
2009 1.º 949 060
35,4 / 100,0
 2,7
64 / 169
 3 Governo
2013 1.º 874 769
30,8 / 100,0
 4,6
55 / 169
 9 Oposição
2017 1.º 800 285
27,4 / 100,0
 3,4
49 / 169
 6 Oposição

Referências

  1. Bergqvist, Christina. (1999). Equal democracies? : gender and politics in the Nordic countries. Oslo: Scandinavian University Press. ISBN 8200127990. OCLC 43857823 
  2. Arter, David. (1999). Scandinavian politics today. Manchester: Manchester University Press. ISBN 0719051339. OCLC 41594407 
  3. Anttiroiko, Ari-Veikko.; Mälkiä, Matti. (2007). Encyclopedia of digital government. Hershey, PA: Idea Group Reference. ISBN 1591407893. OCLC 65400243 
  4. Collin, Richard. (2013). An introduction to world politics : conflict and consensus on a small planet. Lanham, Md.: Rowman & Littlefield Publishers. ISBN 9781442218048. OCLC 806040076 
  5. a b Bakken, Laila Ø (24 de julho de 2009). «Arbeiderpartiet - Ørnen i Norge». NRK (em norueguês). Consultado em 31 de outubro de 2019 
  6. «Avskjed mellom linjene». Aftenposten (em norueguês). Consultado em 31 de outubro de 2019 
  7. «Myten om Gros nyliberalisme». Dagbladet (em norueguês). 13 de junho de 2008. Consultado em 31 de outubro de 2019 
  8. Bjørlo, Stein (28 de setembro de 2014). «Haakon Lie». Norsk biografisk leksikon (em norueguês) 
  9. Hoyer, Svenikk (26 de janeiro de 2016). «The Political Economy of the Norwegian Press» (PDF). Biblioteca Real da Dinamarca. Scandinavian Political Studies. Consultado em 31 de outubro de 2019 
  10. «Hva historien forteller...». Arbeiderpartiet. Consultado em 31 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2011 
  11. Bull, Edv. (1985–90). Arbeiderbevegelsens historie i Norge. På klassekampens grunn (1900-1920). Oslo: Tiden. ISBN 8210027506. OCLC 929210746 
  12. a b Maurseth, Per (1987). Gjennom kriser til makt (1920-1935). Oslo: Tiden. ISBN 8210027506. OCLC 466457924 
  13. Kowalski, Werner. (1985). Geschichte der sozialistischen arbeiter-internationale : 1923-19. Berlim: Dt. Verl. d. Wissenschaften. OCLC 257455682 
  14. «Påskeopprøret i 1958». NRK (em norueguês). 12 de abril de 2004. Consultado em 31 de outubro de 2019 
  15. Barstad, Stine (9 de abril de 2011). «Slutt på Det norske Arbeiderparti». Aftenposten (em norueguês). Consultado em 31 de outubro de 2019. Arquivado do original em 12 de abril de 2011 
  16. Salvesen, June Westerveld Geir. «- Jeg har følt et intenst vemod». Aftenposten (em norueguês). Consultado em 31 de outubro de 2019 
  17. Standish, Reid (3 de outubro de 2018). «The New Cold Front in Russia's Information War». Foreign Policy. Consultado em 31 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2018 
  18. «Høyre har mistet hvert tiende medlem». E24 (em norueguês). Consultado em 31 de outubro de 2019 
  19. a b c «Information in english». Arbeiderpartiet (em norueguês). Consultado em 31 de outubro de 2019 
  20. a b «Kvinnebevegelsen». Arbeiderpartiet (em norueguês). Consultado em 31 de outubro de 2019 
  21. «Samepolitisk arbeid». Arbeiderpartiet (em norueguês). Consultado em 31 de outubro de 2019 

Ver tambémEditar