Abrir menu principal

A arquitectura religiosa, assenta essencialmente nos edifícios de funções sagradas, as igrejas. A sua aparência exterior ganhava importância alegórica, equivalendo ou ultrapassando a do interior. Constituindo os templos verdadeiros índices das comunidades que os patrocinam e em que se integram: a nível económico, dada a maior ou menor dimensão e riqueza decorativa do edifício; a nível cultural, em função da erudição dos programas iconográficos; a nível social e político, pela associação explícita de importantes personalidades, régias, nobres ou eclesiásticas, que escolheram o templo para seu panteão; ou mesmo nos planos mental e militar, dado o carácter de alguma da sua escultura marginal.

Locais de culto e oração, as igrejas românicas, particularmente em Portugal e Espanha, são também frequentemente os locais de reunião cívica das paróquias, pólos de festejo litúrgicos e profanos.

No Brasil, em termos de estilo, pode-se resumir a história da arquitetura religiosa na sucessão dos estilos chão e maneirista (séculos XVI a XVIII), barroco e rococó (meados do século XVIII), neoclassicismo (segunda metade do século XIX), neorrenascentismo (fins do XIX), e outros vários tipos do ecletismo, como o neogótico, neorromânico (fins do século XIX) e neocolonial (meados do século XX).[1][2][3]

Tipologias da arquitectura religiosaEditar

Ver tambémEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arquitetura religiosa

Referências

  1. FRADE, 2008.
  2. ROSADA, 2016.
  3. BENINCASA, 2008.

BibliografiaEditar

Geral

  • KIECKHEFER, R. Theology in Stone: Church Architecture from Byzantium to Berkeley. Oxford University Press, USA, 2004. link.

No Brasil

  • BAZIN, Germain. A Arquitetura Religiosa Barroca no Brasil. Rio de Janeiro, Editora Record, 1983. (2 Vols.)
  • BENINCASA, V. "Capelas". In: Fazendas paulistas: arquitetura rural no ciclo cafeeiro. Tese (Doutorado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2008. link.
  • FRADE, G. Arquitetura sagrada no Brasil: sua evolução até as vésperas do Concílio Vaticano II. São Paulo: Edições Loyola, 2007. 190 p. link.
  • ROSADA, M. Igrejas Paulistas da Colônia e do Império: Arquitetura e Ornamentação. Tese (Doutorado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) - Instituto de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2016. link.