Abrir menu principal
Ascônio Pediano
Nascimento c. 9 a.C.
Pádua
Morte c. 76 (84 anos)
Roma
Nacionalidade romano
Ocupação gramático, historiador

Quinto Ascônio Pediano (em latim: Quintus Asconius Pedianus; Pádua, c. 9 a.C.[1]Roma, ca. 76) foi um gramático e historiador romano.[2]

Índice

BiografiaEditar

Em seus últimos anos de vida Ascônio residiu em Roma, onde morreu, depois de ter ficado cego por mais de doze anos.[2] Durante os reinados de Cláudio e Nero ele compilou para seus filhos, a partir de várias fontes, — por exemplo, dos anúncios oficiais (Acta Publica), dos relatórios ou esboços (Commentarii) de discursos inéditos de Cícero, da vida de Cícero escrita por Marco Túlio Tirão, dos discursos e cartas dos contemporâneos de Cícero, de vários escritores históricos, por exemplo, Varrão, Ático, Antias, Tuditano e Fenestela (um contemporâneo de Tito Lívio, a quem muitas vezes ele critica) — comentários históricos sobre os discursos de Cícero, dos quais apenas cinco: in Pisonem, pro Scauro, pro Milone, pro Cornelio e In Toga Candida, em condições muito precárias, estão preservados sob o título atual de Q. Asconii Pediani Orationvm Ciceronis qvinqve enarratio.[2][3]

Em uma nota sobre o discurso pro Scauro, ele fala de Longo Cecina (morto em 57), como se ainda estando vivo, e Cláudio (morto em 54) já tendo morrido. Esta afirmação, portanto, deve ter sido escrita entre os anos 54 e 57. Estas notas valiosas, escritas em bom latim, se relacionam principalmente a assuntos jurídicos e históricos. Um comentário, da latinidade inferior e, principalmente, de caráter gramatical, sobre o discurso de Cícero, In Verrem (Contra Verres), é universalmente considerado como falso.[2]

Os trabalhos foram encontrados por Poggio em um manuscrito em São Galo em 1416. Este manuscrito está perdido, mas três transcrições foram feitas por Poggio, Zomini (Sozomeno) de Pistoia e Bartolomeu Aragazzi de Montepulciano. A cópia feita por Poggio está agora em Madri (Matritensis x. 81), e a de Zomini, na biblioteca Forteguerri em Pistoia (No. 37). Uma cópia da transcrição feita por Bartolomeu existe em Florença (Laur. liv. 5). Esses manuscritos são derivados da cópia de Poggio.[2]

Outros trabalhosEditar

Outras obras atribuídas a Ascônio são:[2]

  • A vida de Salústio;
  • A defesa de Virgílio contra seus detratores;
  • O tratado (talvez um simpósio imitando o estilo de Platão) sobre saúde e vida longa.

Notas

  1. Enciclopedia Treccani, «Ascònio Pediano, Quinto» 
  2. a b c d e f Encyclopædia Britannica (1911) entrada para Asconius Pedianus, Quintus, volume 2, página 723
  3. Asconius Pedianus, Quintus; Clark, Albert Curtis. «Q. Asconii Pediani Orationvm Ciceronis qvinqve enarratio; recognovit brevique adnotatione critica instrvxit Albertvs Cvrtis Clark (1907)» (em latim). Oxonii e Typographeo Clarendoniano 

Referências

  • Este artigo incorpora texto (em inglês) da Encyclopædia Britannica (11.ª edição), publicação em domínio público.
  •   Vários autores (1911). «Asconius Pedianus, Quintus». In: Chisholm, Hugh. Encyclopædia Britannica. A Dictionary of Arts, Sciences, Literature, and General information (em inglês) 11.ª ed. Encyclopædia Britannica, Inc. (atualmente em domínio público) 
  • Adolf Kiessling e Adolf Schöll (1875)
  • Albert Curtis Clark (Oxford, 1907), contém uma verificação inédita da transcrição de Poggio
  • Johan Nicolai Madvig, De Asconio Pediano (1828)
  • B. A. Marshall, A historical commentary on Asconius. Columbia: Univ. of Missouri Press, 1985.
  • Ascônio Pediano: Commentaries on Five Speeches of Cicero, Simon Squires (1990)

Ligações externasEditar