Assassinato de Indira Gandhi

Indira Gandhi sendo velada após ser assassinada

O assassinato de Indira Gandhi, a primeira-ministra da Índia, ocorreu às 9h30 de 31 de outubro de 1984 em sua residência em Safdarjung Road, Nova Delhi.[1][2] Gandhi foi morta por dois de seus seguranças, integrantes da seita sikh, durante o rescaldo da Operação Estrela Azul, o ataque realizado pelo Exército indiano contra o Templo Dourado, deixando o templo fortemente danificado e resultando na morte de centenas de militantes sikhs.[3][4][5]

Gandhi foi assassinada por Satwant Singh e Beant Sing.[4] Beant, que trabalhava há dez anos como segurança da primeira-ministra, foi morto no mesmo dia por outros seguranças, enquanto que Satwant foi condenado à pena de morte, sendo executado em janeiro de 1989.[4][6] Após o assassinato de Gandhi, sikhs foram perseguidos e mortos pela população revoltada, principalmente pelos hindus, e o filho de Gandhi, Rajiv Gandhi, assumiu a chefia do governo.[4][7]

Operação Estrela AzulEditar

 
Gandhi, em data não identificada

A Operação Estrela Azul teve um grande impacto na política da Índia, já que muitos jovens sikhs se juntaram ao movimento separatista Khalistan. Indira Gandhi era impopular entre os sikhs devido ao seu papel na operação, que destruiu e danificou partes do Akal Takht e causou várias baixas entre os militantes sikhs. O grupo também ficou ofendido com a suposta entrada de membros do exército usando botas no complexo do templo e a suposta destruição de escrituras e manuscritos sikhs na biblioteca do templo, que pegou fogo devido a explosivos usados durante a operação. Tais alegações e outros rumores levaram a uma atmosfera de desconfiança em relação ao governo e terminaram em uma conspiração para assassinar Gandhi, ocorrido cerca de quatro meses após a conclusão da operação.[4][8]

A percepção de ameaça à vida de Gandhi aumentou após a operação. Assim, os sikhs foram removidos de sua guarda pessoal pelo Intelligence Bureau devido ao medo de assassinarem-a. No entanto, Gandhi tinha a opinião de que isso reforçaria sua imagem anti-sikh entre o público e fortaleceria seus oponentes políticos, ordenando ao Grupo de Proteção Especial que restabelecesse seus seguranças sikhs, incluindo Beant Singh, considerado seu guarda-costas de maior confiança.[4][8] O outro segurança sikh, Satwant Singh, tinha 22 anos de idade ao assassinar Gandhi, trabalhando como seu segurança apenas cinco meses antes do assassinato.[9]

AssassinatoEditar

 
Na imagem acima, o local onde Gandhi foi assassinada está marcado por uma abertura de vidro

Por volta das 9h20 de 31 de outubro de 1984, Gandhi estava saindo de casa para ser entrevistada pelo ator britânico Peter Ustinov, que estava filmando um documentário para a televisão irlandesa. Gandhi estava caminhando pelo jardim da Residência Oficial da Primeira-Ministra, em Nova Delhi.[4][10]

Ao passar por um portão em que estavam Satwant Singh e Beant Singh, os dois homens abriram fogo contra Gandhi. Bean disparou três rodadas contra o abdômen de Gandhi com seu revólver .38, e então Satwant disparou 30 rodadas de sua submetralhadora Sten depois que a primeira-ministra caiu no chão.[9] Os dois homens então largaram as armas e Beant disse: "Eu fiz o que tinha que fazer. Você faz o que você quer fazer."[11]

Nos seis minutos seguintes aos disparos contra Gandhi, os policiais Tarsem Singh Jamwal e Ram Saran capturaram e mataram Beant Singh. Satwant Singh foi preso pelos outros guarda-costas de Gandhi junto com um cúmplice que tentava escapar; Satwant foi enforcado em 1989 com o cúmplice Kehar Singh.[11][12]

MorteEditar

 
A roupa usada por Gandhi no momento de seu assassinato, preservadas no Museu Memorial Indira Gandhi, em Nova Delhi

Gandhi foi levada dentro de um veículo militar ao Instituto de Ciências Médicas da Índia, em Nova Delhi, às 9h32. Ela sangrava em profusão, chegando ao hospital sem respiração, pulso e com as pupilas dilatadas. Ainda assim, os médicos a operaram, ligando seu coração e um pulmão artificiais enquanto a equipe, composta por 12 médicos, buscou durante três horas restabelecer seus sinais e retirar as cerca de 15 balas alojadas em seu tórax.[4] Tais tentativas foram infrutíferas e Gandhi foi declarada morta às 14h23.[13]

A autópsia foi conduzida por uma equipe de médicos liderada por Tirath Das Dogra, que afirmou que 30 balas de uma submetralhadora Sterling e de um revólver haviam atingido Gandhi. Os assassinos dispararam 33 balas contra ela, dos quais 30 haviam atingido; 23 passaram pelo seu corpo, enquanto sete permaneciam no interior.[14]

O corpo de Gandhi foi levado em uma carruagem de artilharia pelas estradas de Delhi na manhã de 1 de novembro para Teen Murti Bhavan, a residência oficial do chefe de governo, onde seu pai estava sepultado. Ela foi cremada em 3 de novembro perto do Raj Ghat, um memorial para Mahatma Gandhi, em uma área chamada Shakti Sthal. Seu filho mais velho e sucessor Rajiv Gandhi acendeu a pira.[14]

RescaldoEditar

Nos quatro dias seguintes, milhares de sikhs foram mortos em violência retaliatória.[15]

A Comissão de Justiça Thakkar (chefiada pelo juiz Manharlal Pranlal Thakkar) foi criada para investigar o assassinato de Gandhi, recomendando uma investigação separada envolvendo as acusações de conspiração por trás do assassinato. O relatório produzido pela comissão afirmou que havia a possibilidade de R. K. Dhawan ter sido cúmplice na conspiração.[16]

O filme Kaum De Heere destacou o papel e as vidas dos dois seguranças que assassinaram Gandhi. Previsto para ser lançado em 22 de agosto de 2014, o filme acabou sendo proibido pelo governo indiano.[17][18]

Referências

  1. «India and Indira: 25 years after a PM's assassination». New18. 29 de outubro de 2009. Consultado em 9 de março de 2019 
  2. Linda Charlton (1 de novembro de 1984). «Assassination in India: A Leader of Will and Force; Indira Gandhi, Born to Politics, Left Her Own Imprint on India». The New York Times. Consultado em 9 de março de 2019 
  3. «1984: Indian prime minister shot dead». BBC. 31 de outubro de 1984. Consultado em 9 de março de 2019 
  4. a b c d e f g h «ASSASSINATO DE INDIRA AGITA A ÍNDIA». Folha de S. Paulo. 1º de novembro de 1984. Consultado em 9 de março de 2019 
  5. «Indira Gandhi é assassinada em 1984». O Globo. 10 de setembro de 2013. Consultado em 9 de março de 2019 
  6. Barbara Crossette (6 de janeiro de 1989). «India Hangs Two Sikhs Convicted In Assassination of Indira Gandhi». The New York Times. Consultado em 9 de março de 2019 
  7. «Morte de Indira Gandhi». Fantástico. 1984. Consultado em 9 de março de 2019 
  8. a b Mahesh A. Kalra (5 de novembro de 2016). «Operation Blue Star: India's first tryst with militant extremism». DNA. Consultado em 9 de março de 2019 
  9. a b William E. Smith (12 de novembro de 1984). «Indira Gandhi's assassination sparks a fearful round of sectarian violence». Time. Consultado em 9 de março de 2019 
  10. Reynold D'sa (31 de outubro de 2017). «Indira Gandhi's assassination: Shocking story behind why Iron Lady's trusted bodyguards turned assailants». The Free Press. Consultado em 9 de março de 2019 
  11. a b «Questions still surround Gandhi assassination». Associated Press. Times Daily. 24 de novembro de 1984. Consultado em 9 de março de 2019 
  12. Vipul Mudgal e David Devadas (31 de janeiro de 1989). «Indira Gandhi assassination trial: Satwant Singh and Kehar Singh hanged». From The Magazine. Consultado em 9 de março de 2019 
  13. Prabhash K Dutta (31 de outubro de 2018). «The last day of Indira Gandhi». India Today. Consultado em 9 de março de 2019 
  14. a b «25 years after Indira Gandhi's assassination». CNN-IBN. 30 de outubro de 2009. Consultado em 9 de março de 2019 
  15. Dean Nelson (30 de janeiro de 2014). «Delhi to reopen inquiry in to massacre of Sikhs in 1984 riots». The Telegraph. Consultado em 9 de março de 2019 
  16. Prabhu Chawla (15 de abril de 1989). «Thakkar Commission report leak: Govt try to accuse Arun Nehru of being the main culprit». India Today. Consultado em 9 de março de 2019 
  17. Prabhu Chawla (21 de agosto de 2014). «Centre blocks release of controversial film on Indira Gandhi's assassins 'Kaum de Heere'». The Times of India. Consultado em 9 de março de 2019 
  18. «Film on Indira Gandhi's assassins barred from release». The Tribune. 21 de agosto de 2014. Consultado em 9 de março de 2019