Calistão

Bandeira proposta para o Calistão.

Calistão[1][2] ou Khalistan é um movimento separatista sikh, que procura criar um país independente chamado Khalistān ("A Terra dos Khalsa") na região do Punjab para servir como uma pátria para os sikhs. [3] A definição territorial do país proposto consiste em Haryana, Himachal Pradesh, Jammu e Caxemira e Rajastão. [4][5][6]

O movimento Calistão começou como um empreendimento dos expatriados. [7] Em 1971, a primeira reivindicação explícita para um Calistão foi feita em um anúncio publicado no The New York Times por um expatriado Jagjit Singh Chohan. [8] Com apoio financeiro e político da diáspora sikh, o movimento floresceu no estado indiano de Punjab, que tem uma população de maioria sikh e atingiu seu apogeu no final da década de 1970 e na década de 1980, quando o movimento secessionista causou violência em grande escala entre a população local, incluindo o assassinato da primeira-ministra Indira Gandhi e o ataque bombista ao avião da Air India matando 328 passageiros. [9] Várias organizações pró-Calistão estiveram envolvidas em um movimento separatista contra o governo da Índia desde então. Na década de 1990, a insurgência se esgotou,[10] e o movimento fracassou em alcançar seu objetivo devido a múltiplas razões, incluindo uma forte repressão policial contra os separatistas, divisões entre os sikhs e perda de apoio da população sikh.[11] A violência extremista começou visando os Nirankaris e seguido por ataques à máquina do governo e aos hindus. Em última análise, os terroristas sikh também atacaram outros sikhs com pontos de vista opostos. Isto levou a uma maior perda de apoio público e os militantes foram finalmente colocados sob o controle das forças de segurança em 1993. [12]

No início de 2018, alguns grupos militantes foram presos pela polícia em Punjab.[11] O ministro-chefe do Punjab, Amarinder Singh, afirmou que o recente extremismo é apoiado pelo ISI do Paquistão e "simpatizantes do Calistão" no Canadá, na Itália e no Reino Unido. [13] Há algum apoio de grupos marginais [14][15] no exterior, especialmente no Canadá, mas o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, declarou que seu país não apoiaria o ressurgimento do movimento separatista. [10][16][17][18][19]


Referências

  1. «Indira Gandhi é assassinada em 1984». Acervo O Globo. 10 de setembro de 2013 
  2. «Sikhs querem que Londres pressione Portugal para libertar "tigre do Calistão"». Rádio Renascença. 31 de dezembro de 2015 
  3. Kinnvall, Catarina (24 de janeiro de 2007), «Globalization and Religious Nationalism in India», ISBN 9781134135707, books.google.com 
  4. Crenshaw, Martha (1995), Terrorism in Context, ISBN 978-0-271-01015-1, Pennsylvania State University, p. 364 
  5. Mehtab Ali Shah, The Foreign Policy of Pakistan 1997, pp. 24–25: "Such is the political, psychological and religious attachment of the Sikhs to that city that a Khalistan without Lahore would be like a Germany without Berlin."
  6. Stephen Alter, Amritsar to Lahore: A Journey Across the India-Pakistan Border, ISBN 0-8122-1743-8: "Ever since the separatist movement gathered force in the 1980s, Pakistan has sided with the Sikhs, the territorial ambitions of Khalistan have at times included Chandigarh, sections of the Indian Punjab, including whole North India and some parts of western states of India."
  7. Pruthi, Raj (2004), Sikhism and Indian Civilization, ISBN 9788171418794, Discovery Publishing House, p. 169 
  8. Van Dyke, The Khalistan Movement (2009), p. 976.
  9. «Jagmeet Singh now rejects glorification of Air India bombing mastermind». CBC News. 15 de março de 2018. The 18-month long Air India inquiry, led by former Supreme Court justice John Major, pointed to Parmar as the chief terrorist behind the bombing. A separate inquiry, carried out by former Ontario NDP premier and Liberal MP Bob Rae, also fingered Parmar as the architect of the 1985 bombing that left 329 people dead 268 of them Canadians. 
  10. a b «India gives Trudeau list of suspected Sikh separatists in Canada». Reuters. The Sikh insurgency petered out in the 1990s. He told state leaders his country would not support anyone trying to reignite the movement for an independent Sikh homeland called Khalistan. 
  11. a b «New brand of Sikh militancy: Suave, tech-savvy pro-Khalistan youth radicalised on social media». Hindustan Times 
  12. «Why Osama resembles Bhindranwale». Rediff News. 9 de Junho de 2004 
  13. Majumdar, Ushinor. «Sikh Extremists In Canada, The UK And Italy Are Working With ISI Or Independently». Outlook India. Q. Is there a resurgence of Khalistani extremism, considering the number of recent incidents and killings? A. There has been no resurgence. (Amarinder Singh Indian Punjab Chief Minister) 
  14. «Khalistanis in Canada try to stoke the embers of a dying fire». 7 de Junho de 2017. despite its name, has links to the fringe, militant radicalism of the Khalistan movement. 
  15. Richard J. Leitner; Peter M. Leitner, Unheeded Warnings: The Lost Reports of the Congressional Task Force on Terrorism and Unconventional Warfare, Volume 1: Islamic Terrorism and the West, ISBN 9780615252445, p. 157 
  16. Mike Rana (2011), A Citizen's Manifesto: A Ray of Hope, ISBN 9781465381835, Xlibris Corporation, p. 60 
  17. Lewis, James R. (2011), Violence and New Religious Movements, ISBN 9780199735631, Oxford University Press, USA, p. 331, The movement petered out in 1990s and lost the "Mass Appeal". 
  18. «'Thrusting Khalistan on the Sikhs?'». Hindustan Times. 9 de março de 2018. the radical Khalistani fringe wanted it do. Anyone who knows something about the Sikhs will tell you that 99% of them are proud of both their community and country 
  19. «Most Punjabis in Canada don't support Khalistan: Expert». 8 de Abril de 2018. An impression created by fringe groups in Canada — virtually a second Punjab for the Sikh community — that the country is a “bastion for Khalistanis” is incorrect, a Canadian expert