Audio CD

Compact Disc Digital Audio (em português, Disco Compacto de Áudio Digital), também conhecido pelas siglas CDDA ou CD-DA é o formato padrão para discos compactos de áudio. O padrão é definido no Livro Vermelho, um da série dos Rainbow Books (assim chamados devido a suas cores) que contém especificações técnicas para todos os formatos de CD.

Compact Disc Digital Audio
Tipo de mídia
Disco óptico
CDDAlogo.svg

CD autolev crop.jpg
Uso em Armazenamento de áudio
Codificação 2 canais de LPCM, cada um com 16-bit a uma frequência de 44100 Hz
Capacidade até 74–80 minutos (até 24 minutos para mini CD de 8 cm )
Mecanismo de leitura Laser semicondutor (780 nm comprimento de onda)
Padrão IEC 60908
Desenvolvido por Sony & Philips
Disco de vinil
Super Audio CD
DVD-Audio

O primeiro leitor de CD disponível comercialmente, o Sony CDP-101, foi lançado em outubro de 1982 no Japão. O formato ganhou aceitação mundial em 1983-84, com mais de 1 milhão de vendas nesses dois anos para tocar 22.5 milhões de discos.[1]

A partir dos anos 2000, CDs começaram a ser substituídos por outras formas de armazenamento e distribuição digital. Como resultado, em 2010 o número de Audio CDs vendidos nos EUA foi metade do pico histórico. Entretanto, eles se mantiveram importantes na indústria da música.[2] Nos anos 2010, as vendas de serviços digitais de música, como o iTunes, Spotify, e YouTube, se igualaram aos formatos físicos pela primeira vez.[3] De acordo com o relatório do meio de 2020 da RIAA, vendas de discos fonográficos superaram as de CDs pela primeira vez desde os anos 80.[4]

HistóriaEditar

O ortofone, apresentado em 1931, era um aparelho que usava luz tanto para gravar quanto para reproduzir sinais de áudio em uma fotografias transparente.[5] Mais de 30 anos depois, o inventor estadunidense James Russell é tido como o criador do primeiro sistema de armazenamento de vídeo digital em uma lâmina transparente iluminada por uma lâmpada halógena de alta potência. A sua patente foi escrita em 1966 e aprovada em março de 1970.[6] Seguindo o processo, Sony e Phillips licenciaram a patente para gravação (já a empresa canadense Optical Recording Corp detinha os direitos de reprodução) nos anos 80.[7][8][9]

O CD é uma evolução do LaserDisc. Em contraste com o ortofone e o trabalho de James Russel, a informação no disco é lida de uma camada refletiva usando um laser como fonte luminosa através de um substrato protetivo. Protótipos foram desenvolvidos independentemente pela Philips e pela Sony no final dos anos 70. Apesar de originalmente tratado como um projeto trivial pelo gerenciamente da Philips Research, [10] o CD se tornou o principal objetivo da Phillips devido ao declínio do LaserDisc.[11] Em 1979, Sony e Philips iniciaram uma força tarefa conjunta de engenheiros para desenvolver o novo formato. Depois de um ano de experimentos e discussão, o Livro Vermelho contento o padrão CD-DA foi publicado em 1980. Depois do lançamento comercial em 1982, CDs e seus aparelhos se eram populares. Embora custassem até $1000, , mais de 400,000 CD players foram vendidos nos EUA entre 1983 e 1984.[12] Em 1988, vendas de CDs nos Estados Unidos ultrapassaram as de discos de vini, e em 1992 superaram as fitas cassetes com música pré-gravada.[13][14] O sucesso do CD é atribuído à cooperação entre Philips e Sony, que desenvolveram hardware compatível. O design unificado permitia que os usuários comprassem qualquer disco de qualquer fabricante e permitiu a dominação do mercado de música para uso pessoal.[15]

Protótipos de discos a laser com áudio digitalEditar

Em 1974, Lou Ottens, diretor da divisão de áudio da Philips, começou um pequeno grupo para desenvolver um disco óptico de áudio analógico [16] com um diâmetro de 20 cm (7.9 in) e qualidade de áudio superior à dos discos de vinil.[17] Contudo, devido à performance insatisfatória do formato, dois engenheiros de pesquisa da Philips recomendaram um formato digital em março de 1974.[16] Em 1977, Philips estabeleceu um laboratório com a missão de criar um disco de áudio digital. O diâmetro do protótipo era de 11.5 cm (4.5 in), a diagonal de uma fita cassete de áudio.[16][18]

Heitaro Nakajima, desenvolvedor de um gravador de áudio digital dentro da organização pública nacional de transmissão no Japão NHK em 1970, se tornou gerente do departamento de áudio da Sony em 1971. Sua equipe desenvolveu um gravador PCM para fitas de áudio digital usando um gravador de vídeo Betamax em 1973. Depois disso, o salto de armazenar áudio digital em um disco óptico foi facilmente conduzido em 1974.[19] [[Sony demonstrou publicamente um disco óptico de áudio digital pela primeira vez em setembro de 1976. Um ano depois, em setembro de 1977, Sony mostrou à imprensa um disco de 30 cm (12 in) que podia reproduzir uma hora de áudio digital (taxa de amostragem de 44,100 Hz e resolução de 16 bits) usando modulação MFM.[20] Em setembro de 1978, a companhia demonstrou um disco óptico de áudio digital com capacidade para 150 minutos (taxa de amostragem de 44,056 Hz e resolução linear de 16 bits), código de detecção e correção de erros CIRC- especificações similares àquelas posteriormente definidas no padrão do CD em 1980. Detalhes técnicos do disco de áudio digital da Sony foram apresentadas durante a 62ª convenção da AES, ocorrida de 13 a 16 de março de 1979, em Bruxelas.[20] O documento técnico da Sony da AES foi publicado em 1º de março de 1979. Uma semana depois, em 8 de março, Philips publicamente demonstrou seu protótipo em uma conferência de imprensa chamada "Philips Introduce Compact Disc" (Philips Introduz o Disco Compacto)[21] em Eindhoven, Holanda.[22] O executivo da Sony Norio Ohga, posteriormente CEO e presidente, e Heitaro Nakajima foram convencidos do potencial econômico do formato e levaram adiante seu desenvolvimento apesar do ceticismo recebido.[23]

Colaboração e padronizaçãoEditar

 
Inventor holandês e engenheiro chefe na Philips, Kees Schouhamer Immink era parte da equipe que produziu o disco compacto padrão em 1980

Em 1979, Sony e Philips inicaram uma força tarefa conjunta de engenheiros para desenvolver o novo disco de áudio digital. Liderada pelos engenheiros Kees Schouhamer Immink e Toshitada Doi, a pesquisa alavancou a tecnologia laser e de discos ópticos.[21] Depois de um ano de experimentação e discussão, a equipe produziu o Red Book com o padrão para o CD-DA. Publicado inicialmente em 1980, a norma foi formalmente adotada pela Comissão Eletrotécnica Internacional em 1987, com várias emendas ao texto em 1996. [carece de fontes?]

A Philips propôs o termo disco compacto em linha com outro produto de áudio, a Fita cassete compacta, [18] e comtribuiu para o processo de fabricação em geral, baseada na tecnologia LaserDisc. Philips também contribuiu com a modulação oito-para-quatorze (EFM), enquanto Sony adicionou a detecção e correção de erros, e a CIRC, que oferece alguma resiliência a defeitos como riscos e impressões digitais.

A História do Disco Compacto, [16] contada por um ex-membro da força tarefa, traz contexto para muitas das decisões técnicas tomadas, incluindo a escolha de taxa de amostragem, tempo de reprodução, e diâmetro. A força tarefa consistiu de cerca de 6 pessoas, [10][24] embora, de acordo com a Phillips, o CD foi "inventado por um grande grupo de pessoas trabalhando em equipe" (trecho traduzido).[25]

Lançamento inicial e adoçãoEditar

Philips estabeleceu a unidade Polydor Pressing Operations em Langenhagen perto de Hannover, Alemanha, e rapidamente atingiu uma série de marcos históricos. [carece de fontes?]

O lançamento japonês foi seguido em 14 de março de 1983 pela introdução de CD players e discos para a Europa[carece de fontes?][32] e a América do Norte (onde CBS Records publicou 16 títulos).[33] A crescente aceitação do CD em 1983 marca o início da revolução de áudio digital popular.[34] Ele foi entusiasticamente recebido, especialmente nas comunidades de música clássica e audiófilos, e sua qualidade de manuseio foi particularmente elogiada. Conforme os preços de leitores de CD gradualmente diminuíram, e com a introdução do Discman portátil, ele começou a ganhar popularidade no grandes mercados da música pop e do rock. Com o aumento das vendas, fitas cassete entraram em declínio no fim dos anos 80; vendas de CD ultrapassaram as de cassetes no início dos anos 90.[carece de fontes?]

Os primeiros artistas a vender um milhão de cópias em CD foram Dire Straits com seu álbum Brothers in Arms de 1985.[35] Um dos primeiros mercados do CD foi dedicado a relançar músicas populares cujo potencial comercial já estava provado. O primeiro artista de renome a ter todo seu catálogo convertido ao CD foi David Bowie, cujos primeiros 14 álbuns dos então 16 foram disponibilizados pela RCA Records em fevereiro de 1985, junto com 4 álbuns de seus maiores sucessos; O 15º e o 16º álbuns já haviam sido publicados em CD pela EMI Records en 1983 e 1984, respectivamente.[36] Em 26 de fevereiro de 1987, OS primeiros quatro álbuns dos Beatles no Reino Unido foram lançados em mono no CD.[37] Em 1988, 400 milhões de CDs foram fabricados por 50 plantas industriais ao redor do mundo.[38]

Desenvolvimento adicionalEditar

 
Sony Discman D-E307CK, um leitor de CD portátil com DAC de 1 bit.

Os primeiros leitores de CD utilizavam conversores digitais-analógicos (DACs) ponderados bit a bit e com componentes elétricos individuais para cada bit.[39] Mesmo usando componentes de alta-precisão, esse método estava sujeito a erros de decodificação, exacerbados pelo "problema de cruzamento do zero"[necessário esclarecer][39] Outro problema era o jitter, um problema não de amplitude, mas de tempo. Confrontados com a instabilidade dos DACs, a indústria inicialmente aumentou o número de bits no DAC e usou vários DACs por canal de áudio, usando a média de suas saídas.[39] Isso aumentava o custo dos leitores sem resolver a origem do problema.

Um avanço no fim dos anos 80 culminou no desenvolvimento da modulação delta-sigma, que converte uma entrada digital de alta resoluçãoe baixa frequência em um sinal de alta frequência e menor resolução que é mapeado a voltagens e suavizado com um filtro analógico. O uso temporário de um sinal de menor resolução simplificou o design do circuito e melhorou a eficiência, razão pela qual se tornou dominante nos leitores de CD a partir do início dos anos 90. Philips usou uma variação dessa técnica chamada modulação por densidade de pulso(PDM),[40] enquanto Matsushita (hoje Panasonic) escolheu a modulação por largura de pulso, promovendo-a como "MAH", que é uma sigla derivada da sua topologia patenteada Multi-stAge noise-sHaping PWN.[39]

O CD foi planejado principalmente como sucessor ao disco de vinil para reproduzir música, ao invés de uma mídia de armazenamento. Mesmo assim, ele englobou outras aplicações. Em 1983, seguindo a introdução do CD, Immink e Joseph Braat apresentaram os primeiros experimentos como discos apagáveis durante a 73ª Convenção da Audio Engineering Society.[41] Em junho de 1985, o CD-ROM (memória somente de leitura) para leitura em computadores e ,em 1990, o CD-R (gravável) foram introduzidos.[42] CD-Rs se tornaram uma alternativa à fita magnética para gravação e distribuição de música e podiam ser duplicados sem degradação à qualidade sonora. Outros formatos mais novos como DVD e Blu-ray usam a mesma geometria física do CD, e a maioria dos leitores têm compatibilidade reversa com o Audio CD.

Vendas de CDs nos EUA atingiram seu máximo em 2000.[43] No início dos anos 2000, o leitor de CD havia largamente substituído a fita cassete como equipamento padrão em novos automóveis. 2010 foi o último ano quando um carro novo incluiu um leitor de fita cassete como padrão de fábrica nos EUA.[44]

DeclínioEditar

Com o advento e popularidade da distribuição digital de arquivos e formatos de áudio comprimidos com perdas como o MP3, vendas de CDs começaram a diminuir nos anos 2000. Por exemplo, entre 2000 e 2008, apesar do crescimento em geral das vendas de música e um ano de crescimento anômalo, vendas de CDs mais populares caíram 20%,[45], enquanto artistas independentes receberam um aumento de acordo com relatórios em 30 de março de 2009, e CDs ainda continuam a vender bastante.[46] Em 2012, CDs e DVDs representaram só 34% das vendas de música nos EUA.[47] Em 2015, somente 24% da música nos EUA foi comprada em formatos físicos, dos quais 2/3 foram CDs;[48] entretanto, no mesmo ano no Japão mais de 80% da música foi comprada em formatos físicos.[49] Em 2018, vendas de CDs nos EUA foram de 52 milhões de unidades - menos de 6% do pico em 2000.[43] No Reino Unido, 32 milhões de unidades foram vendidas, quase 100 milhões a menos que em 2008.[50]

A crescente popularidade de mídia de estado sólido e serviços de streaming causou a substituição de leitores de CD automotivos por entradas auxiliares, conexão cabeada a dispositivos USB e conexão sem fio via Bluetooth.[51]

Apesar das vendas rapidamente caindo ano a ano, a penetração da tecnologia remanesceu por um tempo, com empresas disponibilizando-a em farmácias, supermercados, e postos de gasolina para alcançar um público alvo com menos acesso à distribuição via Inernet.[11] Em 2018, Best Buy anunciou planos de descontinuar o foco em vendas de CDs, mas mantendo os discos de vinil, que estão voltando a crescer.[52][53][54]

Prêmios e honrariasEditar

Sony e Philips receberam homenagens de organizações profissionais pelo desenvolvimento do disco compacto. Esses prêmios incluem

  • Grammy Award técnico para Sony e Philips, 1998.[55]
  • IEEE Milestone award, 2009, para a Philips com a citação: "Em 8 de março de 1979, Gloeilampenfabrieken da N.V. Philips demonstrou para a imprensa internacional que é possível usar gravação e reprodução óptica digital para reproduzir sinais de áudio com qualidade estéreo magnífica. Essa pesquisa na Philips estabeleceu o padrão técnico para sistemas de gravação óptica digital." (trecho traduzido).[56]

PadrãoEditar

O Livro Vermelho especifica as propriedades, os parâmetros físicos e óticos, desvios e taxa de erro, sistema de modulação (modulação oito-para-quatorze) e de correção de erros (intercalação cruzada de Reed-Solomon), e os oito canais de subcódigo. Esses parâmetros são comuns a todos os discos compactos e usados por todos os formatos lógicos: Audio CD, CD-ROM, etc. O padrão também especifica a forma de codificação de som digital (2 canais de PCM de 16 bits com sinal com taxa de amostragem a 44100 Hz). Apesar de raramente aplicada, há a opção de fazer discos com ênfase em certas frequência para diminuir o ruído. [carece de fontes?]

A primeira edição do Livro Vermelho foi lançada em 1980 pela Philips e pela Sony;[57][58] Ela foi adotada pelo Comitê de Discos de Áudio Digital (Digital Audio Disc Comittee) e ratificada pelo Comitê Técnico 100 da Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC) como um padrão internacional em 1987 com a referência IEC 60908.[59] A segunda edição da IEC 60908 foi publicada em 1999[60] e substitui a primeira edição, emenda 1 (1992) e a errada da emenda 1. Contudo, ela não contém todas as informações para extensões que estão disponíveis no Livro Vermelho, tais como detalhes para CD-Text, CD+G e CD+EG.[61][62]

O padrão não está gratuitamente disponível e precisa ser licenciado. Está disponível pela Philips e pela IEC. Em 2013, a Philips terceiriza o licenciamento do padrão para a Adminius[carece de fontes?], que cobra US$100 para o Livro Vermelho, mais US$50 cada para os anexos "CD Modo Texto" e "Subcode Channels R-W". [63]

Formato de áudioEditar

O áudio contido em um CD-DA consiste de dois canais de modulação de código de pulso linear (LPCM) de 16 bits sinalizados, taxa de amostragem de 44100 Hz, e escritos como streams intercaladas little-endian com o canal esquerdo saindo primeiro.

A taxa de amostragem é adaptada da atingida quando é gravado áudio digital em uma videotape com um adaptador PCM, um jeito pioneiro de armazenar áudio digital.[64][carece de fontes?] Um Audio CD pode representar frequências até 22.05 kHz, a frequência de Nyquist da taxa de amostragem de 44.1 kHz.

Houve um longo debate sobre o uso de quantização a 16 bits (Sony) ou 14 bits (Philips), e taxas de amostragem a 44056 ou 44100 amostras/s (Sony) ou aproximadamente 44000 amostras/s (Philips). Quando a força tarefa conjunta das duas empresas desenvolveu o CD, a Philips já havia criado um conversor digital-analógico (DAC) de 14 bits, mas a Sony insistiu. Eventualmente, o padrão 16 bits a 44.1 kiloamostras por segundo prevaleceu. A Philips encontrou um meio de produzir qualidade equivalente a 16 bits com seu DAC de 14 bits usando sobreamostragem quatro vezes.[16]

Alguns CDs são realçados com pré-ênfase, um reforço artificial de altas frequências sonoras. Isso melhora a proporção aparente entre sinal e ruído por fazer melhor uso da gama dinâmica do canal. Na reprodução, o leitor aplica um filtro reverso para restaurar a curva de resposta de frequência. Restrições temporais da pré-ênfase são 50µs and 15µs (reforço de 9.49 dB em 20 kHz), e uma bandeira binária no subcódigo do disco instrui o leitor a aplicar o filtro reverso. Reprodução de tais discos em um computador ou extração para arquivos WAV geralmente não levam em conta a pré-ênfase, logo o áudio pode apresentar frequências distorcidas. [carece de fontes?]

Capacidade de armazenamento e tempo de reproduçãoEditar

Os criadores do CD originalmente queriam um tempo de 60 minutos com um diâmetro de 100 mm (Sony) ou 115 mm (Philips).[10] O vice-presidente da Sony Norio Ohga sugeriu extender a capacidade para 74 minutos para acomodar a gravação de Wilhelm Furtwängler conduzindo a Sinfonia nº 9 (Beethoven) no Festival de Bayreuth de 1951.[65][66] Os 14 minutos adicionais consequentemente exigiriam um disco de 120 mm. Kees Schouhamer Immink, entretanto, nega isso e afirma que o aumento foi motivado por considerações técnicas, e que mesmo após o aumento no tamanho, tal gravação não poderia caber em um dos primeiros CDs.[16][10]

Referências

  1. Pohlmann, Ken C. (2000). Principles of Digital Audio. [S.l.]: McGraw-Hill. p. 244. ISBN 9780071348195 
  2. Plambeck, Joseph (30 de maio de 2010). «As CD Sales Wane, Music Retailers Diversify». The New York Times. Cópia arquivada em 1 de maio de 2017 
  3. «IFPI publishes Digital Music Report 2015». 14 de abril de 2015. Consultado em 1 de julho de 2016. Cópia arquivada em 14 de abril de 2015 
  4. https://www.riaa.com/wp-content/uploads/2020/09/Mid-Year-2020-RIAA-Revenue-Statistics.pdf
  5. «Das Photo als Schalplatte» (PDF) (em alemão). Consultado em 2 de julho de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 4 de abril de 2016 
  6. Patente E.U.A. 3,501,586 Analog to digital to optical photographic recording and playback system, March 1970.
  7. Brier Dudley (29 de novembro de 2004). «Scientist's invention was let go for a song». The Seattle Times. Consultado em 24 de julho de 2014. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2014 
  8. «Inventor and physicist James Russell '53 will receive Vollum Award at Reed's convocation» (Nota de imprensa). Reed College public affairs office. 2000. Consultado em 24 de julho de 2014. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2013 
  9. «Inventor of the Week – James T. Russell – The Compact Disc». MIT. Dezembro de 1999. Arquivado do original em 17 de abril de 2003 
  10. a b c d K. Schouhamer Immink (2007). «Shannon, Beethoven, and the Compact Disc». IEEE Information Theory Society Newsletter. 57: 42–46. Consultado em 6 de fevereiro de 2018 
  11. a b Straw, Will (2009). «The Music CD and Its Ends». Design and Culture. 1 (1): 79–91. doi:10.2752/175470709787375751 
  12. Rasen, Edward (maio de 1985). «Compact Discs: Sound of the Future». Spin. Consultado em 9 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2015 
  13. Billboard (março de 1992). «CD Unit Sales Pass Cassettes, Majors Say». Billboard 
  14. Kozinn, Allan (dezembro de 1988). «Have Compact Disks Become Too Much of a Good Thing?». The New York Times 
  15. Introducing the amazing Compact Disc (1982). Australian Broadcasting Corporation. 10 de junho de 2015. Consultado em 9 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2015 – via YouTube 
  16. a b c d e f K. Schouhamer Immink (1998). «Compact Disc Story». Journal of the Audio Engineering Society. 46 (5): 458–460. Consultado em 6 de fevereiro de 2018 
  17. Why CDs may actually sound better than vinyl Arquivado 2016-04-09 no Wayback Machine, Chris Kornelis, 27 de janeiro de 2015
  18. a b Peek, Hans B. (janeiro de 2010). «The Emergence of the Compact Disc». IEEE Communications Magazine. 48 (1): 10–17. ISSN 0163-6804. doi:10.1109/MCOM.2010.5394021 
  19. McClure, Steve (8 de janeiro de 2000). Heitaro Nakajima. Billboard. [S.l.: s.n.] 68 páginas. Consultado em 4 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 19 de março de 2015 
  20. a b «A Long Play Digital Audio Disc System». AES. Março de 1979. Consultado em 14 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 25 de julho de 2009 
  21. a b «How the CD Was Developed». BBC News. 17 de agosto de 2007. Consultado em 17 de agosto de 2007. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2007 
  22. «Philips Compact Disc». Philips. Consultado em 14 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 19 de março de 2009 
  23. «Sony chairman credited with developing CDs dies», Fox News, 24 de abril de 2011, consultado em 14 de outubro de 2012, cópia arquivada em 21 de maio de 2013 
  24. Knopper, Steve (7 de janeiro de 2009). «Appetite for Self-Destruction: The Rise and Fall of the Record Industry in the Digital Age». Free Press/Simon & Schuster 
  25. «The Inventor of the CD». Philips Research. Consultado em 16 de janeiro de 2009. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2008 
  26. Kelly, Heather (29 de setembro de 2012). «Rock on! The compact disc turns 30». CNN. Consultado em 30 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2018. The first test CD was Richard Strauss's Eine Alpensinfonie, and the first CD actually pressed at a factory was ABBA's The Visitors, but that disc wasn't released commercially until later. 
  27. Bilyeu, Melinda; Hector Cook; Andrew Môn Hughes (2004). The Bee Gees:tales of the brothers Gibb. [S.l.]: Omnibus Press. p. 519. ISBN 978-1-84449-057-8 
  28. «Debut of the Compact Disc». www.chonday.com (em inglês). 14 de agosto de 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2019 
  29. «Sony History: A Great Invention 100 Years On». Sony. Consultado em 28 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2008 
  30. Giles, Jeff (1 de outubro de 2012). «How Billy Joel's '52nd Street' Became the First Compact Disc released». Ultimate Classic Rock. Townsquare Media, LLC. Consultado em 13 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 6 de julho de 2017 
  31. http://www.hificorner.co.uk Arquivado 2017-10-04 no Wayback Machine
  32. "Philips celebrates 25th anniversary of the Compact Disc", Philips Media Release, 16 de agosto de 2007. Adquirido em 6 de outubro de 2013.
  33. Kaptainis, Arthur (5 de março de 1983). «Sampling the latest sound: should last a lifetime». The Globe and Mail. Toronto. p. E11 
  34. Canale, Larry (1986). Digital Audio's Guide to Compact Discs. [S.l.]: Bantam Books. p. 4. ISBN 9780553343564 
  35. Maxim, 2004
  36. The New Schwann Record & Tape Guide Volume 37 No. 2 February 1985
  37. JON PARELES (25 de fevereiro de 1987). «NOW ON CD'S, FIRST 4 BEATLES ALBUMS». New York Times. Consultado em 6 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 10 de março de 2017 
  38. MAC Audio News. No. 178, November 1989. pp 19–21 Glenn Baddeley. November 1989 News Update. Melbourne Audio Club Inc.
  39. a b c d van Willenswaard, Peter (1 de maio de 1989). «PDM, PWM, Delta-Sigma, 1-Bit DACs». stereophile.com. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  40. Atkinson, John (1989). «PDM, PWM, Delta-Sigma, 1-Bit DACs by John Atkinson». stereophile.com. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  41. K. Schouhamer Immink and J. Braat (1984). «Experiments Toward an Erasable Compact Disc». J. Audio Eng. Soc. 32: 531–538. Consultado em 2 de fevereiro de 2018 
  42. The world's first CD-R was made by the Japanese firm Taiyo Yuden Co., Ltd. in 1988 as part of the joint Philips-Sony development effort.
  43. a b Richter, Felix. «The Rise and Fall of the Compact Disc». Statista. Consultado em 13 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2019 
  44. Williams, Stephen (4 de fevereiro de 2011). «For Car Cassette Decks, Play Time Is Over». New York Times. Consultado em 18 de julho de 2012. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2012 
  45. Smith, Ethan (2 de janeiro de 2009). «Music Sales Decline for Seventh Time in Eight Years: Digital Downloads Can't Offset 20% Plunge in CD Sales». Wall Street Journal. Consultado em 4 de março de 2009. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2017 
  46. «CD Baby Payouts Surge « Indie Music Stop». Indiemusicstop.wordpress.com. 30 de março de 2009. Consultado em 1 de dezembro de 2009. Cópia arquivada em 18 de julho de 2011 
  47. «Buying CDs continues to be a tradition in Japan – Tokyo Times». 23 de agosto de 2013. Consultado em 30 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2016 
  48. Friedlander, Joshua P. (2015). «News and Notes on 2015 Mid-Year RIAA Shipment and Revenue Statistics» (PDF). Recording Industry Association of America. Cópia arquivada (PDF) em 30 de setembro de 2015 
  49. Sisaro, Ben. New York Times 11 June 2015: Sisario, Ben (11 de junho de 2015). «Music Streaming Service Aims at Japan, Where CD Is Still King». The New York Times. Consultado em 26 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2017 
  50. «Is this the end of owning music?», BBC News, 3 de janeiro de 2019 
  51. «As Digital Content Moves into Cars, CD Players Begin to Move Out.», Journal of Transportation, 8 de novembro de 2008, consultado em 24 de agosto de 2016, cópia arquivada em 8 de outubro de 2016 
  52. Ong, Thuy (6 de fevereiro de 2018). «Best Buy will stop selling CDs as digital music revenue continues to grow». The Verge. Consultado em 6 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 6 de fevereiro de 2018 
  53. Owsinski, Bobby (7 de julho de 2018). «Best Buy, Winding Down CD Sales, Pounds Another Nail Into The Format's Coffin». Forbes. Consultado em 6 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2018 
  54. Chris Morris (2 de julho de 2018). «End of a Era: Best Buy Significantly Cuts Back on CDs». Fortune. Consultado em 6 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 14 de julho de 2018 
  55. «Technical Grammy Award». Consultado em 5 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2014 
  56. «IEEE CD Milestone». IEEE Global History Network. Consultado em 14 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 26 de novembro de 2009 
  57. «How the CD was developed». BBC News. 17 de agosto de 2007. Consultado em 17 de agosto de 2007 
  58. «Philips Compact Disc». Philips Historical Products. Consultado em 24 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 25 de abril de 2016 
  59. IEC 60908:1987 Compact disc digital audio system 
  60. IEC 60908:1999 Audio recording – Compact disc digital audio system (PDF) 
  61. Approved Compact Disc Logo configurations
  62. Specs for Freeware Developers Arquivado 2012-05-01 no Wayback Machine
  63. «CD Products». lscdweb.com. Consultado em 24 de maio de 2013 
  64. 2–35] Why 44.1 kHz? Why not 48KHz?
  65. Philips. «Beethoven's Ninth Symphony of Greater Importance than Technology». Consultado em 9 de fevereiro de 2007 [ligação inativa]
  66. AES. «AES Oral History Project: Kees A.Schouhamer Immink». Consultado em 29 de julho de 2008