Auguste Villiers de L'Isle-Adam

Auguste Villiers de L'Isle-Adam
Nascimento 7 de novembro de 1838
Saint-Brieuc
Morte 19 de agosto de 1889 (50 anos)
Paris
Sepultamento cemitério do Père-Lachaise, Cemitério de Batignolles
Cidadania França
Etnia Franceses
Ocupação dramaturgo, poeta, escritor, filósofo, escritor de ficção científica, autor
Movimento estético simbolismo
Religião Igreja Católica
Causa da morte câncer do estômago
Assinatura
Signature Villiers de l'Isle-Adam.jpg

Auguste Villiers de L'Isle-Adam (Saint-Brieuc, 7 de novembro de 1838 - Paris, 19 de agosto de 1889)[1] foi um escritor francês, cuja obra, que envolve poesia, teatro e narrativa, é orientada, em grande parte, pelo Simbolismo.[2] Dotado de um vigoroso poder expressivo, é capaz de conferir a suas obras um estilo de tortura, ao mesmo tempo violento e profundamente lírico. Entre sua produção, cabe destacar: Isis (1862), Contes cruels (1883),[3] L'Ève future (1886), Histoires insolites (1888) e Nouveaux Contes cruels (1888).

Os contos de Villiers são diferentes entre si; ao lado de alguns absurdos e exageros, há outros nos quais o humor, a ironia ou o terror macabro dão lugar a situações excepcionalmente sugestivas. Cabe destacar entre eles o "Vera".[2]

Referências

  1. «Auguste Villiers de l'isle-Adam». Find a Grave. Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  2. a b Domingos, Norma; Leite, Guacira Marcondes Machado. «"Véra" de Villiers de L'Isle-Adam: máscara de uma crítica social». UNESP. Consultado em 6 de dezembro de 2019 
  3. Domingos, Norma (19 de junho de 2009). «A tradução poética: Contes cruels de Villiers de L'Isle-Adam». UNESP: 231 f. + anexo 


 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Auguste Villiers de L'Isle-Adam