Abrir menu principal

Austroraptor ( /ˌɔːstrˈræptər/ AW-stroh-RAP-tər) é um género extinto de dromeosaurídeo que viveu à cerca de 70 milhões de anos atrás durante o Período Cretáceo, na atual Argentina. Austroraptor era de porte médio, moderadamente-construído, carnívoro bípede terrestre, que podia crescer até 5–6 m (16 4–19 7 pé) de comprimento. Seu comprimento faz Austroraptor um dos maiores dromeosaurídeos conhecidos, com apenas Achillobator, Dakotaraptor, e Utahraptor aproximando-se ou superando-o em comprimento. É o maior dromeosauro descoberto no Hemisfério Sul. Particularmente notável no seu táxon foram os seus antebraços relativamente curtos, muito menor em proporção, quando comparado com a maioria dos membros de seu grupo.

DescobertaEditar

 
Restauração esquelética mostrando os ossos preservados do holótipo

O tipo de amostra de Austroraptor cabazai, holótipo MML-195, foi recuperado no Bajo de Santa Rosa, localidade da Formação Allen, em Rio Negro, Argentina. A amostra foi recolhida em 2002 pela equipe de Fernando Emilio Novas do Museo Argentino de Ciencias Naturales. Consiste num esqueleto parcial com crânio. O fóssil foi preparado por Marcelo Pablo Isasi e Santiago Reuil.

Em 2008, a espécie-tipo Austroraptor cabazai foi nomeado e descrito por Fernando Emilio Novas, Diego Pol, Juan Canale, Juan Porfiri e Jorge Calvo. O nome Austroraptor significa "Ladrão do Sul", e é derivado do latim Auster, que significa "vento sul", e do latim raptor com o significado de "ladrão". O descritos específico cabazai, foi nomeado em honra de Héctor "Tito" Cabaza, que fundou o Museu Municipal de Lamarque , onde a amostra foi parcialmente estudada.[1]

Phil Currie e Ariana Paulina-Carabajal , em 2012, referiram uma segunda amostra para Austroraptor cabazai, MML-220, encontrado em 2008. Esta amostra parcial de um esqueleto com crânio de um indivíduo adulto ligeiramente menor do que o holótipo, está também localizada na colecção do Museu Municipal de Lamarque, na Argentina. Ele complementa o holótipo em vários elementos, principalmente a parte inferior do braço, da mão e do pé.[2]

DescriçãoEditar

 
Restauração mostrando Austroraptor com um peixe

Considerado grande para um dromeosauro, Austroraptor cabazai media cerca de 5 metros (16 4 pé) de comprimento da cabeça à cauda. Em 2010, Gregory S. Paul estimativa o seu comprimento em 6 metros, seu peso de 300 quilogramas.[3] Ele é o maior dromeosauro descoberto no Hemisfério Sul.[4] O espécie-tipo, rotulado MML-195, era constituído por um esqueleto fragmentário, incluindo partes do crânio do dinossauro, a mandíbula inferior, algumas vértebras do pescoço e do tronco, algumas costelas, um úmero e um sortido de ossos de ambas as pernas. No entanto, pouco do esqueleto foi encontrado, os ossos que estavam disponíveis para análise, expressaram algumas características distintas que diferenciaram Austroraptor de outros dromeosauros. O crânio de 80 centímetros do A. cabazaiera baixo e alongado, muito mais do que o de outros dromeosauros. Vários de seus ossos do crânio demonstraram alguma semelhança com o de o mais pequeno troodontid deinonychosaurs. Os membros da frente deste táxon eram curtos para um dromeosauro, tendo o seu úmero menos de metade do comprimento do fémur. Entre os Dromaeodauridae, apenas este gênero, Tianyuraptor e Mahakala têm membros anteriores igualmente reduzidos. O comprimento relativo dos seus braços tem feito com que o Austroraptor seja comparado com outro, mais famoso dinosauro de braços curtos, o Tiranossauro.[5]

Austroraptor tinha dentes cónicos, não serrilhados, que Novas et al. comparou com os dentes de spinosaurideos, com base na maneira como o esmalte da superfície de seus dentes é canelada. Austroraptor compartilha uma característica que é única para ele e para Adasaurus mongoliensis: o processo descendente de ossos lacrimais curvados anteriormente a um grande grau.[6] Austroraptor tem uma morfologia bizarra nas suas falanges, que são extremamente desproporcionais. A falange IV-2 tem o dobro da largura da falange II-2, e quase três vezes a largura esperada, com base no tamanho semelhante de membros de sua família taxonómica. Isto tem sugerido a alguns cientistas que o holótipo de amostra é uma quimera, o que significa que os ossos podem ser de mais de um indivíduo.

 
Frente, vista lateral

Um diagnóstico é uma declaração sobre as características anatômicas de um organismo (ou grupo) que, coletivamente, o distinguem de todos os outros organismos. Alguns, mas não todos, os recursos de diagnóstico também são autapomorficos. Um autapomorfismo é uma característica anatómica distinta que é exclusiva de um determinado organismo ou grupo. De acordo com Novas et al. (2009), Austroraptor pode ser diferenciado de acordo com as seguintes características: uma lacrimal , que é altamente pneumatisado, com o processo descedente fortemente curvado, e com um processo caudal para fora horizontalmente acima da órbita, o osso pós-orbital tem falta de um processo dorsomedial de articulação com o osso frontal*, e com o processo squamosal extremamente reduzido, o maxilar e  dentes são pequenos, cónicos, não serrados e canelados, o úmero é curto, representando um pouco menos de cinqüenta por cento do comprimento do fémur, a falange II-2 é transversalmente estreita, contrastando com a extremamente robusta falange IV-2.

Em 2012, uma comparação com a segunda amostra mostrou que o quarto dedo do pé não era especialmente largo; a suposta segunda falange tinha sido, de fato, uma primeira falange.

ClassificaçãoEditar

Uma análise cladistica das características anatómicas da amostra pelos descritores coloca o Austroraptor dentro da subfamília Unenlagiinae de Dromaeosauridae. Este trabalho foi baseado em características observadas nos ossos do crânio, dentes, e a geometria e a formação dos elementos vertebrais da amostra. Foi determinado que Austroraptor era um parente próximo do unenlagiine dromaeosaur Buitreraptor, com o qual compartilha certas características derivadas das vértebras do pescoço.

O seguinte cladograma é baseado na análise filogenética realizada por Turner, Makovicky e Norellin de 2012, mostrando as relações de Austroraptor com os outros géneros pertencentes ao táxon Unenlagiinae:

 
Restauração (3) à escala com outros dromeosauros
Unenlagiinae

Rahonavis




Buitreraptor




Austroraptor



Unenlagia





PaleoecologiaEditar

O espécime foi encontrado em sedimentos terrestres que foram depositadas durante a fase Maastrichtiana do período Cretáceo, à cerca de 70 milhões de anos.

Austroraptor partilhou o seu ambiente paleontológico com os primeiros mamíferos, o pterossauro e os titanosaurideos Saltasaurus e Rocasaurus, que podem ter servido como presa para este dromeosauro.

ReferênciasEditar

  1. (Nota de imprensa) http://www.macn.secyt.gov.ar/cont_Eventos/2008/12/eventop-12-04.php  Em falta ou vazio |título= (ajuda)Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  2. P. J. Currie and A. Paulina Carabajal. 2012. "A new specimen of Austroraptor cabazai, Pol, Canale, Porfiri and Calvo, 2008 (Dinosauria, Theropoda, Unenlagiidae) from the latest Cretaceous (Maastrichtian) of Río Negro, Argentina". Ameghiniana 49(4): 662-667
  3. Paul, G.S., 2010, The Princeton Field Guide to Dinosaurs, Princeton University Press p. 138
  4. Novas, F.E., D. Pol, J.I. Canale, J.D. Porfiri, and J.O. Calvo. 2009. A bizarre Cretaceous theropod dinosaur from Patagonia and the evolution of Gondwanan dromaeosaurids. Proceedings of the Royal Society B Biological Sciences 276: 1101–1007.
  5. «Researchers find short-armed raptor in Argentina» 
  6. Turner, A.H., Makovicky, P.J., and Norell, M.A. 2012. A review of dromaeosaurid systematics and paravian phylogeny. Bulletin of the American Museum of Natural History 371: 1–206.

Ver tambémEditar